Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Eleições 2022

Tudo sobre as eleições dos brasileiros na Itália; 1º e 2º turnos

Acompanhe a apuração e totalização dos votos das Eleições 2022 na Itália, no segundo turno

30 de outubro de 2022

21h49 (horário de Roma)

Lula vence Bolsonaro na Itália, no segundo turno

Lula vence Bolsonaro na Itália
Lula vence Bolsonaro na Itália, no segundo turno

Assim como aconteceu no primeiro turno, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a vencer Jair Bolsonaro (PL) na Itália.

De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o petista obteve 5.820 votos em Milão e Roma, o que significa 55,37% dos votos válidos, contra 4.692 (44,63%) do atual presidente.

Em Roma, o petista obteve 59,78% dos votos válidos (2.449) e o atual presidente conquistou 40,38% dos votos (1.648).

Já em Milão, maior colégio eleitoral para brasileiros na Itália, Lula recebeu 52,55% dos votos (3.371 votos) e Bolsonaro obteve 47,45% dos votos válidos (3.044).

Em relação ao primeiro turno, disputado em 2 de outubro, Lula atraiu 402 eleitores a mais, e Bolsonaro, 808.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística Italiana (Istat), 50.666 brasileiros residem na Itália (dados de janeiro de 2021), mas, segundo o Cartório Eleitoral do Exterior, em Brasília, 20.972 eleitores brasileiros na Itália estavam aptos a votar.

Os brasileiros têm duas sedes de jurisdições consulares, respectivamente em Milão, no norte, e em Roma, no centro do país.

19h51 (horário de Roma)

Itália proíbe protestos e venda de alimentos na eleição

Na Itália, manifestações políticas foram proibidas, assim como a venda de alimentos perto do local de votação. Sem cocada brasileira, coxinha, pão de mel… A repórter Gina Marques, da Band News tem as informações.

19h23 (horário de Roma)

Eleição brasileira em Milão registrou filas outra vez

Assim como aconteceu no primeiro turno, muitos brasileiros encontraram filas longas para votar em Milão.

Por volta das 8h30 (horário local, 12h30 no Brasil) a fila dava a volta na quadra do centro de eventos Milano Luiss Hub, onde aconteceu a votação.

Uma eleitora que votou nesse horário esperou 1 hora e 15 minutos para entrar na seção e mais meia hora para votar.

Eleitores de Lula e Bolsonaro cantavam slogans de suas campanhas de preferência, mas não havia discussões nem tumulto.

Brasileiros formam filas para votar em Milão | Foto: Andrea Pacia/Reprodução/Facebook

18h58 (horário de Roma)

Lula vence Bolsonaro em Roma também no segundo turno

Resultado extra-oficial revela que Lula venceu em Roma, na Itália. O petista recebeu 2.439 votos (59,6%), enquanto que Bolsonaro somou 1.652 votos (40,4%) no segundo turno realizado nesse domingo (30). O resultado oficial será divulgado às 17h (horário de Brasília), 21h em Roma.

No primeiro turno, em 03 de outubro, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu 2.294 votos (53,1% dos votos válidos). O atual presidente Jair Bolsonaro (PL) somou 1.351 dos votos (31.2%) na capital italiana.

16h20 (horário de Roma)

Por volta das 11h na Itália (às 7h no horário de Brasília), brasileiros em Roma formaram fila em frente ao prédio de votação em Roma. 

Votação em Roma nesta manhã de domingo (30) — Foto: Heloisa Cargnin Domingos/Arquivo Pessoal

16h13 (horário de Roma)

‘Sensação é de dever cumprido’, diz brasileira que votou em Roma

Heloisa Cargnin Domingos, de 28 anos, é uma das dezenas de brasileiros que votam neste domingo (30) no exterior nas eleições 2022. Cientista social, a brasileira que morou em Florianópolis desde a infância vive agora na Europa e foi pela manhã até a Embaixada do Brasil em Roma, na Itália, e enfrentou uma fila de apenas 15 minutos. Segundo ela, a “sensação é de dever cumprido”.

Brasileira de 28 anos está em Roma — Foto: Arquivo Pessoal

16h07 (horário de Roma)

Eleitores brasileiros fazem ‘batalha de gritos’ em Milão

Eleitores brasileiros fazem ‘batalha de gritos’ em frente a seção eleitoral em Milão, na Itália.

30 de outubro de 2022

13h03 (horário de Roma)

Filas e tensão na hora de votar

No primeiro turno, cidades como Milão, Paris, Zurique e várias outras registraram filas de até quatro horas, enquanto em locais como Lisboa ou Genebra, a tensão entre diferentes grupos políticos levou a troca de ofensas entre apoiadores e até mesmo a convocação da polícia.

brasileiros Milão votar
Em Milão, brasileiros esperaram quase 4 horas para votar no primeiro turno | Foto: Andrea Pacia

12h54 (horário de Roma)

Quase 700 mil brasileiros podem votar no exterior

A eleição no exterior, em 2022, entra para a história como o processo com a maior participação de brasileiros desde que o pleito passou a ser organizado para os nacionais pelo mundo. Estão inscritos quase 700 mil brasileiros para votar, o dobro do volume registrado em 2014.

12h47 (horário de Roma)

Brasileiros encontram longas filas em Milão nesse momento

Como aconteceu no primeiro turno, brasileiros que vivem na região norte da Itália enfrentam longas filas para votar em Milão, neste domingo (30). Mas segundo relatos dos eleitores, a organização para votar é boa e a espera é curta.

Veja o relato de brasileiros em Milão:

Facebook/Brasileiros em Milão

Primeiro turno

4 de outubro de 2022

10h19 (horário de Roma)

Dados finais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mostram que Lula venceu Bolsonaro na Itália por 52,02% a 37,29% dos votos válidos. Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu 5.418 votos nas duas seções eleitorais (Milão e Roma), enquanto que Jair Bolsonaro (PL) recebeu 3.884 votos.

Ciro Gomes (PDT) ficou em terceiro lugar com 463 (4,45%) e Simone Tebet (MDB), com 412 (3,96%), em quarto lugar.

Eleitores aguardam na fila para votar em Roma, na Embaixada do Brasil | Rai

3 de outubro de 2022

12h27 (horário de Roma)

Com 99,15% das seções no Exterior totalizadas (faltam 9 de um total de 1.064), o TSE informa que apenas 43,83% dos eleitores compareceram para votar (301.509). A abstenção é de 386.407 eleitores (56,17%).

Desses, 4.844 eleitores votaram em branco (1,61%) e 4.624 anularam o voto (1,53%).


12h09 (horário de Roma)

Com 100% das urnas apuradas, Lula (PT) recebeu 3.124 votos em Milão. Bolsonaro (PL) foi o segundo mais votado com 2.483. Os dados são do TSE.

Lula venceu em 25 das 31 urnas na capital da Lombardia. Bolsonaro venceu nas urnas 395, 401, 429, 430, 434 e 446.

Na urna 428 houve empate: Lula e Bolsonaro recebem 85 votos cada.

A maior abstenção ocorreu na urna 426. Dos 674 eleitores aptos a votar, apenas 81 compareceram. Nessa urna, Lula recebeu 42 votos; Bolsonaro, 33.

Seis urnas eletrônicas foram substituídas por votação manual.

Eleitores aguardaram quase 4 horas para votar em Milão | Foto: Corriere

11h15 (horário de Roma)

A eleição brasileira é destaque no Corriere della Sera, um dos principais da Itália. O diário publicou nesta segunda-feira (03) que “a vitória no primeiro turno para o candidato da frente de esquerda se desfez” e que o “populista Bolsonaro resiste em seus redutos”. Leia a reportagem completa, em italiano, aqui: Elezioni Brasile: Lula non sfonda e va al ballottaggio con Bolsonaro.


23h20 (horário de Roma)

Fila em Milão continuou após horário de votação se encerrar

Após registrar filas de até quase 4 horas no início da tarde, o colégio eleitoral de Milão, o maior da Itália, fechou os portões às 17h (horário de Roma).

Pouco antes das 18h, ainda havia eleitores votando, no entanto a demora se deveu ao fato de seis urnas eletrônicas terem sido substituídas pela votação em papel.

Segundo relato de um mesário, havia muitos eleitores que diziam estar votando pela primeira vez após anos de ausência. Alguns inclusive contaram estar em contato com a urna eletrônica pela primeira vez.

Votação ocorreu no no campus da Università LUISS, em Milão | Foto: Milano Today

21h04 (horário de Roma)

Lula ‘vence’ em Roma com mais de 53% dos votos válidos

Brasileiros residentes na Região de Roma, na Itália, deram a vitória a Lula. Ele venceu em todas as 19 seções eleitorais. Devido ao fuso-horário, a votação terminou às 17h (12h, no horário de Brasília).

Na capital italiana, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu 2.294 votos (53,1% dos votos válidos). O atual presidente Jair Bolsonaro (PL) somou 1.351 dos votos (31.2%).

Os resultados foram fixados em frente à embaixada do Brasil em Roma.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística Italiana (Istat), 50.666 brasileiros residem na Itália (dados de janeiro de 2021), mas, segundo o Cartório Eleitoral do Exterior, em Brasília, 20.972 eleitores brasileiros na Itália estavam aptos a votar.

Os brasileiros têm duas sedes de jurisdições consulares, respectivamente em Milão, no norte, e em Roma, no centro do país. Os votos de Milão ainda não tinham sido divulgados até o fechamento dessa reportagem.


21h04 (horário de Roma)

Bolsonaro venceu em Roma em 2018

No primeiro turno das Eleições de 2018, o então candidato Jair Bolsonaro (PSL) recebeu 1.607 votos na seção eleitoral de Roma (47,25%). Fernando Haddad, do PT, conquistou 663 votos (19,49%).

Já no segundo turno, Bolsonaro recebeu 57,52% dos votos (1.755), enquanto que Fernando Haddad obteve 1.296 votos (42,48%).


20h07 (horário de Roma)
Em 18 urnas da Seção de Roma, na Itália, obtidas pelo Italianismo, o candidato Lula (PT) venceu Bolsonaro (PL) por 2.023 a 1.219 votos.

Dados ainda não oficiais mostram que Lula obteve 53,1% do votos válidos (2.294); Bolsonaro, com 31.2%, teria somado 1.351 votos.

Lula venceu em todas as urnas. A votação terminou às 17h no horário de Roma (12h, no Brasil).

Confira os resultados de todas as 15 urnas:

UrnaLulaBolsonaro
746.5958163
502.84311777
640.23515091
568.11511460
852.159211118
115.1909744
763.3555335
069.2109354
003.3736122
826.90510982
651.87814091
176.0659857
302.781137106
835.8798659
344.46511780
034.07910850
010.06115564
164.0859364
000.538**
Total de votos2.0231.219
* Foto do boletim ilegível. Aguardando dados


18h36 (horário de Roma)
No primeiro turno das Eleições de 2018, o candidato Jair Bolsonaro recebeu 2.608 votos na seção eleitoral de Milão (55,50%). Fernando Haddad, do PT, conquistou 786 votos (16,73%).


18h11 (horário de Roma)
Filas foram registradas em cidades europeias, incluindo Roma e Milão. Eleitores relataram espera de quase quatro horas para votar na capital da Lombardia.

Em Portugal, além das extensa filas, os eleitores presenciaram confusão

Em Lisboa, a cidade com o maior número de eleitores brasileiros fora do Brasil, registrou filas e momentos de tensão entre apoiadores de Lula e Bolsonaro.


17h55 (horário de Roma)
Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), até às 12h deste domingo (2), eleitores brasileiros em 59 países, incluindo a Itália, já haviam encerrado a votação para presidente da República.

Confira a lista dos países que finalizaram a votação até 12h:

África do Sul
Alemanha
Arábia Saudita
Austrália
Barein
Bélgica
Bulgária
Catar
China
Hong Kong (Província da China)
Chipre
Coreia do Sul
Dinamarca
Egito
Emirados Árabes Unidos
Eslováquia
Eslovênia
Espanha
Estônia
Filipinas
Finlândia
França
Grécia
Holanda
Hungria
India 
Indonésia
Irã
Israel
Itália
Japão
Jordânia
Kuwait
Líbano
Luxemburgo
Malásia
Moçambique
Namíbia
Nepal
Noruega
Nova Zelândia
Omã
Palestina
Polônia
Quênia
República Tcheca
Romênia
Rússia (Federação Rússia)
Singapura
Suécia
Suíça
Tailândia
Taiwan
Tanzânia
Timor Leste
Turquia
Vietnã
Zâmbia

Neste ano, mais de 697 mil eleitores estão aptos a votar no exterior. Eles podem votar somente para presidente da República. O número de eleitores no exterior representa um aumento de 39,21% em relação a 2018, quando ocorreram as últimas Eleições Gerais. A votação ocorre em 181 cidades estrangeiras.


17h44 (horário de Roma)
O resultado oficial da apuração no exterior, porém, assim como no Brasil, será divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral após as 17h (horário de Brasília), quando termina a votação. O Italianismo vai antecipar esses votos assim que publicados pelos eleitores na Itália.


17h32 (horário de Roma)
Segundo o Instituto Nacional de Estatística Italiana (Istat), 50.666 brasileiros residem na Itália (dados de janeiro de 2021). A maioria (13.977) vive na região da Lombardia, no norte, onde está a cidade de Milão. Em segundo lugar está a região do Lácio, onde fica a capital, Roma, que conta com 6.117 residentes brasileiros. Seguem o Vêneto (5.628), o Piemonte (4.896), Emilia Romagna (4.012) e a Toscana (3.852).


17h21 (horário de Roma)
A eleição brasileira de 2022 para os eleitores residentes na Itália estava prevista para terminar às 17 horas (12h no Brasil), mas os eleitores ainda continuam na fila em Milão para votar, no campus da Università LUISS. Situação em Roma é tranquila.


Eleições italianas 2022

Resultados oficiais e em tempo real das Eleições parlamentares na Itália, fornecidos pelo Ministero dell’Interno.

09h04 – Lorenzato contesta resultado das eleições

O atual deputado Luis Roberto Lorenzato (Lega) contestou o resultado das eleições na América do Sul para o Parlamento Italiano.

“Ganhamos as eleições no Brasil. No Senado, nós ficamos em segundo. Estranhamente no quociente da Câmara nós ficamos em terceiro. Nunca vi isso. Quem vota para senador, vota também na mesma legenda para o deputado. Que fenômeno foi esse? Na Câmara de repente a gente perde por 0,29%?”

08h56 – Resultado final da apuração – Votos na América do Sul para a Câmara dos deputados

08h49 – Fabio Porta conquista vaga na Câmara italiana

Os ítalo-brasileiros conseguiram eleger um representante para o Parlamento Italiano. O italiano radicado no Brasil Fábio Porta, do Partido Democrático, conquistou uma das duas vagas para a Câmara dos Deputados.

Fábio Porta, que desistiu da vaga no Senado para disputar uma vaga na Câmara italiana, obteve 22.436 votos.

Leia a reportagem completa aqui: Fabio Porta conquista vaga na Câmara italiana

06h11 – Deputada que lutava para limitar a cidadania está fora do parlamento italiano

Defensora de uma reforma na cidadania italiana, a deputada Elisa Siragusa (Alleanza Verdi e Sinistra) está fora da disputa. Na Câmara dos Deputados, ela apresentou um projeto de lei para limitar a transmissão do ‘ius sanguinis’ já na primeira geração.

Com 806 das 1.118 zonas eleitorais apuradas, na Ripartizione Europa, a atual deputada soma 2.679. Toni Ricciardi, o candidato mais votado soma 18.156 votos.

05h23 – Resultado parcial para a Camara dos Deputados

Resultados preliminares apontam que o Brasil ficará sem representantes na Câmara dos Deputados italiana.

Renata Bueno, do USEI, é a ítalo-brasileira com mais votos: 12.226. O argentino Claudio Zin, do Maie, lidera a contagem dos votos, com 24.904.

Veja os resultados das 356 zonas eleitorais computadas (de 647 no total):

05h07 – Para o Senado, Emerson Fittipaldi recebeu 31.386 votos; Matarazzo, 27.202

Candidatos ao Senado italiano, Emerson Fittipaldi (Lega/Forza Italia/fratelli D’Italia) e Andrea Matarazzo (Partido Democrático) não conseguiram se eleger.

O ex-piloto de formula 1 obteve 37.373 votos, enquanto que Matarazzo somou 30.535 votos.

Luciana Laspro (MAIE), outra ítalo-brasileira na disputa, alcançou 20.837 votos.

A única vaga para o Senado italiano ficou para o ítalo-argentino Mario Alessandro Borghese, do MAIE. Ele somou 58.233 votos.

Mario Alessandro Borghese, do MAIE, obteve 58.233 votos

21h01 – Cédulas falsas produzidas na Argentina são encontradas no centro de contagem dos votos, em Roma

Um grande volume de cédulas de votação falsas foram encontradas na abertura das urnas que chegaram de Rosario e La Plata, na Argentina.

Cédula traz os dizeres “Elezione della camera dei diputati”; o correto seria “Elezione della camera dei deputati” | Divulgação / Senador Fabio Porta

A fraude foi descoberta por causa de um erro na língua italiana. No lugar de “Elezione della camera dei deputati”, a cédula foi impressa com a frase “Elezione della camera dei diputati.

Cédula original: “Elezione della camera dei deputati”

Segundo o senador Fabio Porta, “todas essas cédulas obviamente falsas mostram o ‘voto’ na lista da USEI e a preferência pelo candidato Sangregorio“.

Em nota, Porta afirmou que solicitou o cancelamento das cédulas de votação e a imediata restauração da legalidade. “Não aceitaremos que o voto de italianos honestos seja novamente poluído por fraudes e falsificações”.

Ele chamou a fraude de “ofensa inaceitável à nossa democracia”.

O episódio deve paralisar a contagem dos votos do colégio eleitoral da América Meridional, que inclui os votos do Brasil.

20h22 – PD reconhece derrota e diz que agora tem “grande responsabilidade” na oposição

Debora Serracchiani, responsável do Partido Democrático, reagiu às projeções, destacando que o PD é agora “a segunda força mais votada e a primeira da oposição”.

Serracchiani sublinhou várias vezes que o partido tem agora “uma grande responsabilidade”.

Reconheceu que os resultados ficaram “aquém do esperado” para o partido, mas diz que agora tudo terá de ser “bem jogado no Parlamento”.

“A direita tem a maioria do Parlamento, mas não tem a maioria do país”, diz.

20h22 – Com resultados apurados em 624 zonas eleitorais (de um total de 61.417), direita segue com 44,65% dos votos

Com resultados apurados em 624 locais de votos (de um total de 61.417), a direita segue com 44,65% dos votos.

Segundo dados do Ministério do Interior, das 61.417 zonas eleitorais espalhadas pelo país, até à 1 hora (hora de Roma) foi concluído o apuramento de apenas 624.

Nesse universo, a coligação que junta os partidos de Meloni, Salvini e Berlusconi somava 44,65% dos votos depositados em urna (60.545 boletins, em termos absolutos) — dados, naturalmente, muito provisórios.

A coligação de esquerda (Partido Democrático, Aliança de Esquerda/Verdes e o Movimento Cívico) reuniam 27,52% dos votos.

O Movimento 5 Estrelas, que concorreu sozinho, estava nos 13,41%. A Ação (coligação de centro) somava 7,03% dos votos (mais uma vez, dados provisórios).Todos os restantes partidos não iam além dos 2,14% dos votos.

20h09 – Mais de 100 lugares para a coligação de direita no Senado

A projeção da RAI prevê que a coligação de direita obtenha mais de 100 dos 315 lugares elegíveis no Senado.

Centro-Direita: 111 a 131 vagas;
Centro-Esquerda: 33 a 53 vagas;
Movimento 5 Estrelas: 14 a 34 vagas;
Ação/Itália Viva: 4 a 12 vagas;
Italexit: 0 vaga;
Outros: 3 a 6 vagas.

20h06 – Partido de Le Pen reage: “Italianos deram uma lição de humildade à União Europeia”

A Frente Nacional já reagiu aos resultados italianos pela voz de Jordan Bardella, eurodeputado.

Na sua conta pessoal do Twitter, o membro do partido de Marine Le Pen disse que “os italianos deram uma lição de humildade à União Europeia”.

Alegando que Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, tentou “ditar o voto” dos italianos, Jordan Bardella afirmou que “nenhuma ameaça pode parar a democracia”.

19h48 – Orban parabeniza Meloni

Balazs Orban, conselheiro político do primeiro-ministro Viktor Orban e deputado húngaro, felicitou Meloni no Twitter: “Parabéns Giorgia Meloni, Matteo Salvini, Silvio Berlusconi pelas eleições de hoje! Nestes tempos difíceis, precisamos mais do que nunca de amigos que partilhem uma visão e uma abordagem comuns aos desafios da Europa. Viva a amizade ítalo-húngara”.

https://twitter.com/BalazsOrban_HU/status/1574148949606248449

19h35 – Abstenção eleitoral aumenta 10 pontos na Itália

De acordo com o governo italiano, que se baseia em números de 6,6 mil dos 7,9 mil municípios do país, a afluência às urnas foi de 63,96% na votação para o Senado e de 63,94% para a Câmara. Em 2018, no mesmo horário, esses números eram de 73,92% e 73,84%, respectivamente.

19h08 – Novo Governo pode demorar semanas para ser formado

Após as eleições, o Presidente italiano, Sergio Mattarella, como chefe de Estado, realizará consultas aos líderes partidários para avaliar quais as forças políticas que estão dispostas a formar uma coligação. Depois, pedirá, formalmente, ao líder de um dos partidos para tentar formar um governo com uma maioria sólida no parlamento. Se conseguir, Mattarella recebe, então, a lista do Governo, que, depois, tem que conseguir um voto de confiança no parlamento.

18h59 – Boca de urna mostra vitória de Meloni e da colisão de centro-direita

Giorgia Meloni vota em Roma | Repubblica

As pesquisas de boca de urna apontam Georgia Meloni como a grande vencedora das eleições na Itália. A colisão de direita está claramente à frente e deve formar grande maioria na Câmara e no Senado.

O FDL, de Meloni, aparece com votação entre 22 e 26%. O Partido Democrático aparece em segundo lugar com 17 e 21% e M5S (13,5 e 17,5). A Lega, de Matteo Salvini, deve amargar o quarto lugar, com votação entre 8,5 e 12,5%.

apuração Itália
Voluntários trabalham na apuração dos votos em Roma, neste domingo

14h58 – Presença às 19h00: 51,25% dos eleitores votaram (valor parcial)

Nas eleições para a renovação da Câmara e do Senado, 51,25% (número parcial) dos titulares votaram até às 19h. Os dados podem ser visto no site do Ministério do Interior. Nas últimas eleições políticas, em 2018, 58,48% dos italianos votaram.

14h49 – Começou a apuração dos votos do colégio eleitoral da América Meridional, que inclui o Brasil

Começou por volta das 17h (12h no horário de Brasilia) a apuração dos votos do Brasil nas Eleições Parlamentares da Itália em 2022.

Vista geral do local de apuração dos votos, na Fiera di Roma, do colégio eleitoral da América Meridional, que inclui o Brasil

As 7 urnas com os votos dos italianos no Brasil estão sendo apuradas em Castelnuovo di Porto, em Roma. Segundo dados da Embaixada da Itália no Brasil, 442 mil eleitores estavam eleitores aptos a votar nos seguintes candidatos:

Senado

Emerson Fittipaldi
Andrea Matarazzo
Mario Aldo Sebastiani
Ivana Mainenti
Vicenzo Garruti
Marcelo Bomrad
Luciana Laspro
Mario Borghese
José Palmiotti
Rodrigo Miguel
Marcelo Zovico
Vicenzo Di Martino

Câmara dos Deputados

Fabio Porta
Renata Bueno
Luiz Molossi
Andrea Dorini
Luis Roberto Lorenzato
Antonella Pinto
Salvador Finocchiaro
Filomena Narducci
Thiago Troccoli de Almeida
Valentina Pococacio
Alessandro Fama
Giancarlo Colella
Francesca Galia
Vito De Palma
Claudio Zin
Nello Collevecchio
Franco Tirelli
Francisco Nardelli
Vincenzo Carrozzino
Eugenio Sangregorio

Siga o Italianismo no Instagram

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Destaque do Editor

A transmissão da cidadania italiana jure sanguinis pode ser comprovada por qualquer meio, diz a Corte de Cassação da Itália

Cotidiano

Prefeito perde batalha contra ítalo-brasileiros: A lei falou mais alto. Parece que o jogo virou, não é mesmo, senhor prefeito?

Cidadania Italiana

Cidadania italiana irregular: 92 cidades da província de Nápoles entram em investigação.

Cidadania Italiana

Silmara Fabotti, líder de esquema de cidadania italiana falsa, planejava fugir da Itália, relata juiz.

Cidadania Italiana

A crescente diáspora italiana: Migração em massa em busca de melhores oportunidades e realização pessoal.

Itália no Brasil

Um voo histórico de solidariedade: A ajuda humanitária da Itália ao Rio Grande do Sul.

Cidadania Italiana

Investigação revela esquema de corrupção envolvendo falsos certificados de residência em troca de dinheiro e favores sexuais.

Cidadania Italiana

Rodrigo Faro se defende de acusações de envolvimento em esquema de falsificação de documentos para cidadania italiana

Cidadania Italiana

Apresentador de TV, empresários e jogadores de futebol têm processos de cidadania italiana cancelados na região de Nápoles.

Cotidiano

Meloni apresentou queixa antimáfia sobre fluxos migratórios.

Cidadania Italiana

Suspensão temporária das audiências durante o período eleitoral e possível greve dos juízes afeta ítalo-brasileiros.

Economia

Relatório Brand Finance Italy 100 de 2024 revela as marcas italianas de maior valor: Gucci lidera