Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Itália no Brasil

Moro adota nas prisões federais regras usadas contra máfia na Itália

Foto: Sérgio Lima/Poder360

Controle rígido de visitas e incentivo aos que deixarem organizações criminosas foram usados em cadeias italianas

As novas regras de visita a detentos de prisões federais envolvidos em organizações criminosas violentas, editadas nessa quarta-feira (13/2), pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, têm como inspiração o modelo penitenciário italiano, adotado no combate a organizações mafiosas. “Essa é a inspiração, mas falta a estrutura de uma polícia penitenciária e um Código penitenciário, como na Itália”, afirmou o magistrado aposentado Walter Maierovitch, especialista em combate ao crime organizado.

A transferência de Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, e outros 21 líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) para presídios federais acendeu o alerta vermelho dentro do Ministério da Justiça e Segurança Pública. A equipe de Moro acompanhou de perto a operação e monitora a possibilidade de a facção retaliar. A ordem é ter prudência e acompanhar os desdobramentos.

Segundo as novas regras, a visita em prisões federais só poderá ocorrer em pátio próprio, em parlatório e por videoconferência. Quando se tratar de presídio federal de segurança máxima, as visitas serão restritas ao parlatório e por videoconferência, “sendo destinadas exclusivamente à manutenção dos laços familiares e sociais, e sob a necessária supervisão”.

A portaria, publicada ontem em edição extra do Diário Oficial, diz que a restrição não se aplica aos presos com perfil de réu colaborador ou delator premiado. Nesse caso, será permitida a visita social nos pátios.

A visita no parlatório será assegurada ao cônjuge, companheira, parentes e amigos, separados por vidro, com comunicação por interfone. Esse tipo de visitação deverá ter agendamento prévio e duração máxima de até três horas e será realizada semanalmente, em dias úteis, de 13h às 19h30, permitindo-se a cada preso o acesso de até dois visitantes, sem contar crianças.

A norma, que revoga regras anteriores de 2016 e 2017, prevê ainda que o preso que, no período de 360 dias ininterruptos, tiver ótimo comportamento “fará jus, uma vez ao mês, à visita social em pátio de visitação, sob autorização do diretor” do presídio. A ideia é quebrar a cadeia de comando da facção e criar oportunidades de investigação com criminosos interessados em colaborar com a Justiça.

Terrorismo

Maierovitch observou as semelhanças com o código específico italiano. Para presos acusados de terrorismo e de delitos mafiosos, as regras do país europeu determinam restrições às visitas íntimas e contatos com parentes. Tudo deve ser feito por meio de vidro, em parlatório. As conversas são gravadas. “A única exceção é a comunicação com o advogado, que é como o segredo de confessionário”, afirmou o juiz aposentado.

Segundo ele, a exemplo do que determina Moro, também na Itália o preso pode ter sua forma de cumprimento melhorada como prêmio ao bom comportamento aos que decidem se dissociar da organização criminosa e tem esse ato reconhecido. Ao mesmo tempo, a polícia penitenciária mantém a vigilância e o acompanhamento de visitas e parentes dos presos. “Até os diretores e funcionários de presídios são investigados.” Mas, para Maierovitch, as regras devem estar previstas em legislação própria, a fim de evitar contestações legais e deixar claras as condições a que são submetidas cada preso.

Regime duro

O país tem cinco presídios federais: em Brasília, Campo Grande, Porto Velho, Catanduvas (PR) e Mossoró (RN). Cada um tem capacidade para 208 detentos e tem de 200 a 250 agentes de execução penal. As celas são individuais e os presos têm direito só a duas horas diárias de banho de sol. No percurso da cela ao pátio, devem estar sempre algemados.

Por Agência Estado  

E aí, gostou do artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e traga seus amigos, colegas e seguidores para a discussão. Em caso de dúvidas a respeito do assunto, não hesite em deixar seu comentário.

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Cotidiano

A Igreja Católica beatificou o juiz italiano Rosario Livatino, assassinado em 1990 pela máfia em Agrigento, na Sicília, Itália. Deixa o seu comentário:

Cotidiano

O juiz italiano Rosario Livatino, morto pela máfia em 1990, aos 37 anos de idade, será beatificado como mártir pela Igreja Católica.  Deixa o...

Esporte

Estupro: interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça italiana foram tidas como fundamentais Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

As ruas da Itália viram desfilar em uma semana toda uma galeria de grandes estrelas da máfia.

Destinos

Franceses disseram que não que não sabiam que estavam cometendo crime. Roubo da areia é muito comum Deixa o seu comentário:

Cidadania Italiana

As liras italianas ainda representam parte das transações ilícitas, revela Guarda de Finanças Deixa o seu comentário:

Estudar na Itália

Italianos modificaram as leis para criar um sistema específico antimáfia Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Demorou, mas a Itália descobriu que o crime organizado nunca foi território exclusivo dos homens Deixa o seu comentário:

Arte & Cultura

Imagens foram capturadas por Letizia entre as décadas de 1970 e 1980 Deixa o seu comentário:

Cidadania Italiana

Falsas cidadanias para brasileiros: assessor e oficiais do município são condenados Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Manuel Bortuzzo, de 20 anos, tem lesão irreversível na coluna. Polícia suspeita que atiradores são da máfia romana Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Sandro Ruotolo foi ameaçado de morte pela Camorra em 2015 Deixa o seu comentário: