Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Cotidiano

Por que é tão difícil eleger um presidente na Itália?

eleger um presidente na Itália
Os italianos estão tentando eleger um novo Presidente. Desde segunda-feira, já houve quatro votações inconclusivas | Giornale di Brescia

Os italianos estão tentando eleger um novo Presidente. Desde segunda-feira, já foram quatro votações inconclusivas.

Ação Contra as filasAção Contra as filas

Porque é tão difícil escolher o presidente da Itália?

Itália tem um sistema complicado de eleição presidencial. Não são os eleitores que escolhem, como acontece no Brasil, mas sim um colégio eleitoral de pouco mais de mil pessoas – mais exatamente, 1.008 – que são os chamados “grandes eleitores” (eram 1.009, mas um morreu recentemente).

São basicamente os senadores e os deputados, e ainda 58 delegados das 20 regiões italianas.

A dificuldade começa no fcto de não haver candidatos designados para começar a partida – o voto, que é secreto, pode ser em qualquer cidadão italiano com mais de 50 anos. Por isso, aparecem os nomes mais variados.

Mas, pode ser, por exemplo, Andrea Bocelli?

Claro. Aliás, ao longo dos anos, já foram indicados nomes como os da atriz Sophia Loren, do atacante Francesco Totti e até de um chefe da Máfia.

No fundo, cada um vota em quem quer e, para complicar ainda mais, é necessária, nas três primeiras votações, uma maioria de dois terços para eleger o presidente, o que faz com que seja altamente improvável que alguém consiga ser eleito nas primeiras rodadas.

Alguma vez um Presidente italiano foi eleito na primeira votação?

Sim, já houve três ocasiões em que foi eleito logo na primeira. Mas isso só foi possível porque os principais partidos fizeram previamente um acordo para escolher o presidente, o que na maior parte dos casos não acontece.

O que é mais frequente é o presidente só ser eleito a partir da quarta rodada de votação, porque aí passa a ser suficiente uma maioria absoluta, ou seja, mais de metade dos votos. Foi o que aconteceu, por exemplo, com o atual presidente, Sergio Mattarella.

E não há limite?

Não, as votações só acabam quando alguém conseguir uma maioria absoluta. A eleição mais longa foi em 1971, quando foram necessárias 23 rodadas para eleger um presidente. Mas, em 1992, foi preciso votar 16 vezes para eleger Oscar Luigi Scalfaro.

E desta vez, são precisas muitas votações?

Isso é sempre possível, mas o que se espera é que, a partir desta quinta-feira, o cenário fique mais claro, dado que aconteceu a tal quarta volta, a partir da qual basta maioria absoluta.

E os partidos guardam para esta fase os nomes dos candidatos mais fortes. Não seria de excluir que, já numa das próximas votações, pudesse surgir “fumaça branca”.

Como na eleição do Papa…

Sim, mas neste caso não há realmente fumaça, ainda que o resto seja ao estilo da eleição do Papa. E, aliás, a residência oficial do Presidente italiano, o Palácio Quirinale, já foi também residência papal, pelo que será daí que vem a inspiração.

Quem é apontado como candidato mais provável?

O candidato mais forte é o atual primeiro-ministro, Mario Draghi, que foi já também presidente do Banco Central Europeu e é uma figura muito prestigiada, que deu estabilidade política e econômica a Itália.

Só que, se deixar a chefia do Governo, abre-se um novo problema, que é encontrar outro primeiro-ministro num quadro partidário muito fragmentado e onde os consensos são complicadíssimos.

E não pode ser reeleito o atual Presidente?

Poderia, se quisesse, mas Sergio Mattarella também já tem 80 anos e garantiu que quer retirar-se.

Apesar disso, na votação de quarta-feira e hoje, foi até ele quem obteve mais votos – 166 no total. E há quem diga que, em caso de impasse, pode mesmo ser Mattarella a ficar no cargo, ainda que não cumpra o mandato até ao fim. Há que esperar para ver.

200

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Destaques do editor

Cotidiano

Os cinco referendos são revogatórios, ou seja, propõem a supressão parcial ou total de leis ou normas judiciárias em vigor na Itália

Itália no Brasil

Novos representantes brasileiros no Conselho Geral de Italianos no Exterior (CGIE) foram eleitos neste sábado (09)

Itália no Brasil

O CGIE é um órgão representativo das comunidades italianas no exterior

Cotidiano

Segundo informações de bastidores, o próprio Draghi teria feito um apelo para Mattarella continuar no Palácio do Quirinale

Cotidiano

Terminou sem vencedor a primeira votação no Parlamento da Itália para eleger o próximo presidente da República, realizada nesta segunda-feira (24).    Deixa o seu...

Cotidiano

No dia 24 de janeiro será eleito o novo presidente da República Italiana. Mas quanto ele ganha?

Cotidiano

Bloco de centro-direita da Itália apoia candidatura de Berlusconi à Presidência, diz Salvini

Cotidiano

Votação indireta começará em 24 de janeiro; eventual vitória do premier pode levar a eleição geral antecipada

Cotidiano

Para o deputado Lorenzato, burocracia desmotivou o eleitor que desejava exercer a sua cidadania

Itália no Brasil

Concluídas as eleições dos Comitês dos Italianos no Exterior (Com.IT.ES), realizadas em 3 de dezembro, os primeiros resultados começam a chegar. Deixa o seu comentário:

Itália no Brasil

Para participar da votação, é necessário solicitar ao seu consulado a inscrição na lista de eleitores até 3 de novembro

Cotidiano

Em 2 de junho, a Itália comemora o Dia da República, o aniversário do referendo institucional histórico de 1946