Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

História

Quem foi Margherita di Savoia, a rainha “influencer” da Itália

Linda, inteligente, elegante, ela cuidou tão bem da sua imagem que se tornou uma influencer para as mulheres de seu tempo

Margherita di Savoia influencer
Detalhe do retrato de Margherita di Savoia feito por Michele Gordigiani em 1884. Foi rainha da Itália: apaixonada por roupas e joias, tornou-se um ícone de estilo | WikiMedia

Linda, inteligente, elegante e idolatrada. Margherita di Savoia conquistou um lugar de honra no imaginário popular italiano.

Ela tornou-se um dos ícones mais representativos e queridos da monarquia de Savoia. As razões do seu sucesso? Um “profissionalismo” inigualável na gestão da imagem e um talento natural nas relações públicas. 

Nascida em Turim em 1851, a futura rainha era filha de Elisabetta di Sassonia e do duque de Gênova Ferdinando di Savoia, irmão do então governante da Sardenha Vittorio Emanuele II. 

Quando ela tinha 10 anos, seu ilustre tio se tornou o primeiro rei da Itália, e logo surgiu o problema de encontrar uma noiva adequada para o jovem herdeiro do trono, Umberto. “A escolha recaiu sobre a princesa Matilde d’Asburgo-Teschen, mas poucos meses depois da cerimônia, a noiva morreu num incêndio”, diz Luciano Regolo, autor do livro Margherita de Saboia, os segredos de uma rainha (Edizioni Ares). 

“Foi então que entrou em cena Margherita, prima de Umberto, considerada a “esposa certa” porque já tinha sido educada segundo os costumes da família Savoia”, conta.  

Órfã de pai, a jovem tinha 16 anos na época (7 a menos que o consorte) e o físico perfeito para o papel: refinada, inteligente e bonita, com longos cabelos loiros e olhos azuis intensos. 

Casou-se com Umberto em Turim, em 1868, e depois do casamento embarcaram numa viagem pela Península para “patrocinar” a recém-nascida monarquia nacional, liderada por Vittorio Emanuele II – sem rainha ao seu lado (a sua esposa Maria Adelaide d’Austria tinha falecido em 1855).

A jovem princesa se jogou de corpo e alma no papel de “primeira-dama da Itália“, conquistando tanto as simpatias dos aristocratas quanto as dos futuros súditos. 

Margherita de Savoia em uma foto tirada por volta de 1870. Ela foi rainha da Itália ao lado de Umberto I de 1878 a 1900 |  WikiMedia

“Antes de cada viagem oficial, ela queria saber sobre os costumes das mulheres do povo, vestindo-se como elas e, assim, iniciando um processo que mais tarde levaria todos os italianos a se identificarem com ela”, diz Regolo.

Quando em Roma, faça como os romanos

Na véspera da mudança para Nápoles, para onde os noivos se mudaram imediatamente após o casamento, querendo mostrar-se enraizada nas tradições napolitanas, ela chegou a fazer aulas de bandolim, aprendendo algumas canções napolitanas

Por outro lado, para conquistar os aristocratas, Margherita organizou danças, concertos e leituras, explorando os acontecimentos “mundanos” para enraizar o consenso em torno da dinastia governante. 

E não foi uma tarefa fácil: em Nápoles, parte da aristocracia ainda era pró-Bourbon e em Roma, somente em 1870 anexada ao Reino da Itália, a chamada “nobreza negra” permaneceu fiel ao Papa.

Mas a virada aconteceu quando Umberto I ascendeu ao trono em 1878 (reinou até 1900), e a fama da nova rainha só cresceu.

“A sugestão para a Margherita deu origem ao chamado “margheritismo“, um fenômeno de costume que no final do século XIX influenciou várias áreas da vida social, principalmente a moda”, explica Regolo. 

“Sempre apaixonada por roupas e joias, pelas quais gastou imensas somas, a rainha se tornou um ícone de estilo, tanto que uma das primeiras publicações de moda do país seria nomeada em sua homenagem: “Margherita, o jornal das damas italianas ”. 

Além disso, um pouco de tudo recebeu seu nome, desde novos pratos (como a pizza margherita, feita em sua homenagem pelo piazzaiolo Raffaele Esposito durante uma visita da realeza a Nápoles) até abrigos alpinos.

Nos 22 anos em que se juntou a Umberto no trono, Margherita não ficou indiferente aos acontecimentos explosivos que abalaram o país, marcados pela agitação popular e pelo nascimento dos primeiros movimentos operários. 

As tensões culminaram em 29 de julho de 1900 com o assassinato de Umberto I pelas mãos do anarquista Gaetano Bresci. Foi a rainha quem contribuiu para a criação do mito do “rei mártir”, alimentado pelos jornais da época.

A “ligação sentimental” com os italianos permaneceu viva até o momento de sua morte em 4 de janeiro de 1926, em Bordighera, quando a rainha-mãe tinha 74 anos. 

O trem que a trouxe de volta a Roma teve que parar 92 vezes para permitir que a multidão a cumprimentasse.

Siga o Italianismo no Instagram

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Destaque do Editor

A cidadania italiana pode abrir portas em diversas situações, como a facilidade em trabalhar e estudar no Exterior

Cotidiano

CNH brasileira volta a valer na Itália: novo acordo facilita vida de milhares pessoas

Cotidiano

Brasileiros residentes no país europeu há menos de seis anos podem solicitar habilitação italiana sem necessidade de novos exames

Esporte

O ítalo-brasileiro assumiu o cargo de técnico da Juventus, firmando um contrato de três temporadas, válido até meados de 2027.

Variedades

Agente de Registro Civil e intermediador são suspeitos

Turismo

Iniciativa é feita no aniversário dos 150 anos da imigração.

Cultura

Evento reúne o melhor da produção contemporânea do país europeu.

Economia

Dados registrados pela agência são do 1º trimestre de 2024

Variedades

Mostra e degustação contam história da iguaria desde as origens.

Cultura

O Sequestro do Papa' chegará aos cinemas do Brasil em 18/7

Notícias

Sace apontou potencial no país latino para empresas italianas

Economia

Meloni enviou mensagem para assembleia de associação de seguros.