Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

História

Herdeiros do último rei da Itália tentam recuperar joias da coroa

Os itens estão armazenados desde 1946, quando Umberto II foi banido do trono pelos italianos

Descendentes do último rei da Itália fizeram seu primeiro pedido formal para recuperar as jóias da coroa, que por quase 76 anos foram escondidas em um baú de tesouro em um cofre no Banco da Itália.

O banco recebeu as joias, compostas por mais de 6.000 diamantes e 2.000 pérolas montadas em broches e colares usados ​​por várias rainhas e princesas, em 5 de junho de 1946, três dias depois que os italianos votaram pela abolição da monarquia e nove dias antes do rei Humberto II, que governou por apenas 34 dias, ser enviado ao exílio junto com seus herdeiros do sexo masculino.

Umberto II havia encarregado Falcone Lucifero, ministro da Casa Real, de levar para custódia as joias para Luigi Einaudi, que mais tarde se tornou presidente do Banco da Itália.

Diz-se que oEstado italiano não confiscou as joias da propriedade real após o desmantelamento da monarquia. Um elemento que pode ajudar os descendentes da Casa di Savoia, incluindo o filho de Umberto II, Vittorio Emanuele di Savoia, e três filhas, Maria Gabriella, Maria Pia e Maria Beatrice, recuperam a posse.

A família também espera que uma nota enigmática entregue ao lado do baú do tesouro, que dizia que as “preciosas” joias da coroa devem ser “confiadas à custódia do caixa central” e “mantidas à disposição de quem tem direito”, ajude a determinar que as jóias pertencem a eles e não ao Estado.

Sergio Orlandi, advogado da família, disse ao jornal Corriere della Sera: “A família Savoia vai recuperar as joias”.

O príncipe herdeiro Umberto da Itália com sua noiva, a princesa Marie-José da Bélgica, em 1930. Foto: Sueddeutsche Zeitung Photo/Alamy

A primeira “reunião de mediação” entre Orlandi e representantes do Banco da Itália e do governo italiano para discutir a reivindicação da família ocorreu nesta terça-feira (25). Se as partes não chegarem a uma solução, a família irá processar o Estado na tentativa de reaver as joias, de acordo com o Corriere. 

Um pedido informal já foi rejeitado pelo Banco da Itália em novembro. “O pedido de devolução não pode ser aceito, levando em conta as responsabilidades do depositário”, disseram os advogados do banco.

Até agora, a família nunca havia tomado nenhuma ação formal para recuperar as joias por medo de que elas pudessem alimentar uma onda de ressentimento. 

Antes de retornar do exílio na Suíça, em 2003, Vittorio Emanuele disse que não reivindicaria as joias da coroa, acrescentando que “elas não são mais nossas”. No entanto, ele esperava que as joias fossem colocadas em exibição pública.

As jóias da coroa da Itália como propaganda

Em 2006, um político da região do Piemonte entrou em contato com Mario Draghi, atual primeiro-ministro da Itália que na época era estava no seu primeiro ano como presidente do Banco da Itália, perguntando se as joias da coroa poderiam ser exibidas em uma exposição realizada como parte dos Jogos Olímpicos de inverno, em Turim, a cidade do norte da Itália que sediou o palácio real. Draghi, por sua vez, pediu ao governo, mas as joias nunca foram exibidas.

A tiara de diamantes e pérolas da rainha Marie-José, herdada da imperatriz Charlotte do México. Fotografia: Eric Vandeville/Gamma-Rapho/Getty Images

Outro fator que poderia apoiar o caso da família é que as joias teriam sido dadas como presentes a vários membros da realeza ou eram compras pessoais, em vez de serem dadas à família para usar em funções oficiais ao longo dos anos da monarquia.

Não está claro quanto valem as gemas. Estimativas do passado dizem que o valor pode chegar aos € 300 milhões – quase 2 bilhões de reais.

Umberto II passou seus anos de exílio em Portugal e nunca mais pisou na Itália. Ele morreu aos 78 anos em Genebra, onde estava sendo tratado de câncer, em 1983.

200

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Destaques do editor

Economia

Após a paralisação do Banco da Itália, o neobanco se compromete a rever os procedimentos

Cotidiano

Brasileiro compra duas cartelas premiadas em intervalo de 20 dias e polícia investiga suposta fraude. Dinheiro foi apreendido.