Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Cotidiano

Letalidade de coronavírus cai 75% em segunda onda na Itália

letalidade coronavirus italia
Letalidade de coronavírus cai 75% em segunda onda na Itália

O índice de letalidade vem caindo de forma consistente desde o fim de junho

Enquanto atravessa o pico da segunda onda da pandemia do novo coronavírus, a Itália viu a letalidade do Sars-CoV-2 cair quase 75% em relação à primeira onda da crise sanitária.

Entre os dias 9 e 30 de junho, quando os italianos já iniciavam a retomada das atividades após um rígido lockdown, as mortes causadas pela Covid-19 representavam 14,5% do total de casos confirmados do vírus Sars-CoV-2.

No entanto, com a evolução dos tratamentos e o aumento da capacidade de testagem e dos leitos de UTI, a taxa de letalidade chegou a 3,8% nos últimos três dias – atualmente, a Itália tem 1.238.072 casos e 46.464 mortes na pandemia.

O índice vem caindo de forma consistente desde o fim de junho, o que reflete o crescimento na capacidade de processamento de exames moleculares (RT-PCR) – os únicos usados no país para monitorar a curva epidemiológica – pelos laboratórios e hospitais italianos.

No último dia 13 de novembro, o Ministério da Saúde registrou um recorde de 254.908 testes RT-PCR concluídos em um período de 24 horas, diferença de mais de 200 mil em relação aos 48.273 de 30 de junho.

Em 27 de março, quando a Itália bateu recorde de mortes para um único dia (919), foram processados apenas 33.019 exames. Até o momento, o país já realizou 19,23 milhões de testes RT-PCR para o novo coronavírus.

Idosos e hospitais

Além disso, na primeira onda da pandemia as autoridades sanitárias italianas recomendavam concentrar a testagem nos pacientes que chegavam ao hospital.

No fim de março, a idade mediana dos casos positivos confirmados era de 62 anos, número que caiu para 48 anos, de acordo com o Instituto Superior da Saúde (ISS) – os idosos são o principal grupo de risco da Covid-19.

Outro fator que contribuiu para a queda da letalidade é o aumento dos leitos disponíveis em UTIs: de 5 mil antes da pandemia para cerca de 11 mil atualmente. Contudo, apesar disso, 16 das 20 regiões do país já ultrapassaram a faixa crítica de mais de 30% das vagas em terapia intensiva ocupadas por pacientes da Covid.

A situação é especialmente grave na Lombardia (86,29%) e no Vale de Aosta (85%), no norte italiano, segundo levantamento do jornal Il Sole 24 Ore.

Apesar da redução da letalidade, em números absolutos a Itália já voltou ao patamar de mortes do primeiro pico da pandemia: foram 731 óbitos em 17 de novembro, maior cifra desde 3 de abril, quando foram contabilizadas 766 vítimas.

Para conter a segunda onda, sete das 20 regiões da Itália já estão em lockdown: Abruzzo, Calábria, Campânia, Lombardia, Piemonte, Toscana e Vale de Aosta. Também está em vigor um toque de recolher das 22h às 5h em todo o território nacional.

Por ANSA Brasil

LEIA TAMBÉM

Siga o Italianismo no Instagram

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Destaque do Editor

Descubra como obter a cidadania italiana de forma segura e eficiente!

Estilo de vida

A Festa della Mamma foi introduzida no calendário na década de 1950

Cidadania Italiana

A cidadania italiana de Giovanna Ewbank: uma narrativa de rápido sucesso ou marketing disfarçado?

Cidadania Italiana

Senador Roberto Menia reforça críticas sobre reconhecimento da cidadania italiana no Brasil.

Cidadania Italiana

Cidadania negada: Quando a sobriedade é muito mais que uma questão de etiqueta.

Itália no Brasil

Consulado Geral da Itália em São Paulo: Uma pequena itália na maior metrópole brasileira.

História

Roma: a cidade imponente, erguida sobre os alicerces da história, celebra seu aniversário em 21 de abril

Economia

Consultoria fez estudo sobre taxa de sobrevivência de companhias.

Turismo

Viajantes vão desfrutar de 266 milhões de pernoites.

Cultura

Ranking foi divulgado pela versão espanhola da revista People

Variedades

Mario Parlato afirmou que ficou feliz com a aquisição.

Cultura

Exposição curada por brasileiro Adriano Pedrosa começa em 20/4