Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Vida & Estilo

Itália defende novas eleições na Venezuela mas não reconhece Guaidó

Enzo Moavero Milanesi. Foto: EFE/ Giuseppe Lami

Itália pede que sejam evitados confrontos que atrasem eleições na Venezuela

O governo italiano decidiu nesta terça-feira oficialmente a favor de eleições o mais rapidamente possível na Venezuela, mas não reconheceu o opositor Juan Guaidó como presidente interino do país sul-americano.

Em um discurso na Câmara dos Deputados, o ministro italiano das Relações Exteriores, Enzo Moavero, resumiu a posição da Itália sobre a crise no país sul-americano, um assunto que tem causado fortes tensões dentro do governo de coalizão entre a extrema direita e a formação antissistema Movimento 5 Estrelas.

O ministro das Relações Exteriores reconheceu em seu discurso que a Itália “considera que as eleições presidenciais de maio passado na Venezuela não atribuem legitimidade democrática ao vencedor, isto é, a Nicolás Maduro”, e ressaltou que até o embaixador italiano não participou da cerimônia de posse.

“O governo pede eleições presidenciais democráticas o mais rápido possível”, enfatizou.

O chanceler, que se encontrou no dia anterior com uma delegação enviada por Guaidó, disse que a Itália está empenhada em “salvaguardar a segurança e os interesses” da comunidade italiana que reside na Venezuela, onde há mais de um milhão e meio de descendentes italianos.

“A situação é complexa e incerta e há sérios riscos. Devemos evitar uma guerra civil”, alertou o chanceler.

O discurso de Moavero contou com a participação da delegação enviada por Guadió a Roma para explicar seus planos políticos e tentar obter o apoio da Itália, entre os países mais importantes que se recusaram a reconhecê-lo como presidente interino.

“Nós não entendemos por que o país europeu mais próximo de nós não toma uma posição clara contra o ditador (Nicolás) Maduro e não exige vigorosamente eleições livres sob os auspícios da comunidade internacional e o desbloqueio da ajuda humanitária”, lamentou Guaidó na terça-feira em uma carta dirigida aos italianos e que teve trechos publicados pela imprensa.

“Precisamos que a Itália esteja do nosso lado, do lado da democracia, liberdade e justiça”, enfatizou Guaidó.

A Itália anunciou que vai doar dois milhões de euros de ajuda humanitária e convidou as partes a “favorecer o diálogo e a reconciliação” e a evitar “atrasar as eleições”.

No dia anterior, o delegado do líder da oposição, Francisco Sucre, presidente da Comissão de Relações Exteriores da Assembleia Nacional, advertiu em Roma que “as condições de mediação e diálogo não estão em vigor em seu país”.

Sucre, junto com Antonio Ledezma, ex-prefeito de Caracas e Rodrigo Diamanti, encarregado da ajuda humanitária na Europa, fazem parte da delegação enviada por Guaidó à Itália.

E aí, gostou do artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e traga seus amigos, colegas e seguidores para a discussão. Em caso de dúvidas a respeito do assunto, não hesite em deixar seu comentário.

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Mais de Italianismo

Cotidiano

Instabilidade política na Itália, a doença é crônica. Nos 75 anos de história republicana, o país teve 66 governos e 29 presidentes de conselho....

Vida & Estilo

Nos últimos 15 anos, mais de 2 milhões de pessoas migraram para o norte Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Desemprego na Itália sobe para 10,7% em fevereiro Deixa o seu comentário:

Negócios

Dados divulgados nesta sexta mostra que PIB da Itália cresceu menos que o previsto Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Enquanto Salvini e a Liga exigem a saída de Maduro, o M5E e o seu líder, Luigi di Maio, defendem o princípio da não...

Vida & Estilo

De acordo com o Ministério das Relações Interiores da Itália, o país que mais envia migrantes à costa italiana é a Eritreia, uma ex-colônia...

Vida & Estilo

Trata-se de uma primeira contribuição de emergência, garante governo Deixa o seu comentário:

Itália no Brasil

Vice-primeiros-ministros italianos de extrema direita atritam com Paris ao apoiarem as manifestações dos coletes amarelos Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Em meios aos protestos, italianos escrevem para Mattarella: “Presidente, reconheça Guaidó” Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Governo italiano se recusa a reconhecer o opositor Guaidó. 160 mil italianos vivem no país Deixa o seu comentário:

Negócios

Taxa de desemprego entre os jovens é de 32,6% Deixa o seu comentário: