Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Cotidiano

Itália assiste debandada de médicos dos serviços de urgências

Situação caótica no setor da saúde italiano é transversal a outros países europeus

médicos na itália
Debandada de médicos dos serviços de urgências na Itália | Foto: Nurse Times

Na Itália, por dia, sete médicos deixam o trabalho no hospital. A maioria trabalha nos serviços de urgências e o diagnóstico é consensual: más condições de trabalho, baixos salários, má organização e falta de perspetivas de futuro.

Uma doença endêmica, dizem, que leva muitos a procurar alternativas mais atrativas e menos estressantes.

“Este ano, como no ano passado, quase 50% dos lugares nos serviços de urgência ficaram livres, e muitos dos que ainda ocupam essas posições acabam, eventualmente, por decidir sair. Nestas condições, os médicos dos serviços de urgência serão, em breve, uma lenda, uma commodity rara”, disse, em entrevista à Euronews, Pierino Di Silverio, secretário-nacional do sindicato médico Anaao/Assomed.

Angela Mauro, pediatra, trabalhou nas urgências de um hospital em Nápoles durante quatro anos. Deixou o sul de Itália para encontrar o norte da carreira em Milão.

“Desde que deixei as urgências, a minha qualidade de vida e o meu trabalho mudaram por completo, em termos de estresse e satisfação. Agora posso conhecer os meus pacientes e isso significa tratá-los e curá-los da melhor forma possível: é uma satisfação para qualquer médico”, sublinhou a pediatra.

Outro dos problemas, diz Angela, tem a ver com a perceção errada sobre os serviços de urgências, com muitos doentes de deslocando por tudo e por nada: “os serviços de urgências devem lidar com urgências reais, com casos de vida ou morte, com doentes com problemas graves que os médicos de família não podem atender. Infelizmente, esse é um dos motivos de insatisfação dos médicos que trabalham nas urgências.”

Soma se a isso o problema agravado pela pandemia de Covid-19: a vida profissional sobrepôs-se a vida pessoal.

“Por detrás de cada médico, existe um ser humano e hoje não temos mais esse tempo, o tempo dos pais, das mães, dos avós e dos amigos. A jornada de trabalho já não é mais respeitada: deveríamos trabalhar 38 horas semanais, mas, segundo nossa última pesquisa, a média semanal é de 65 horas”, lembrou Pierino Di Silverio, secretário-nacional do sindicato médico Anaao/Assomed.

A Itália não é caso isolado. Em Portugal centenas de médicos têm abandonado o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Uma sangria difícil de estancar, com muitos profissionais buscando os empregos privados e ao estrangeiro à procura de melhores dias.

Siga o Italianismo no Instagram

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Estilo de vida

Por que não adotar o sobrenome do seu marido na Itália: Entenda os motivos.

Cotidiano

Pontremoli lança programa “Residentes do Futuro” para estimular novos moradores.

Cidadania Italiana

Congresso terá presença de figuras relevantes do judiciário italiano, do Ministério do Interior e da Procuradoria Geral do Estado

Comer e beber

Verdade ou mito: Os italianos realmente comem pasta todos os dias?

Cidadania Italiana

Da Itália à Espanha: A jornada de Riccardo Consoli em busca de um futuro mais acolhedor.

Cidadania Italiana

Brasil destaca-se como o 4º país com mais cidadãos adquirindo nacionalidade italiana.

Turismo

Iniciativa conta com 28 municípios divididos em 10 regiões

Cidadania Italiana

O ius soli é um problema falso, não é necessário: os números desconstroem a narrativa da esquerda, segundo jornalista.

Cotidiano

Enel mancha a reputação italiana no Brasil devido a constantes falhas no fornecimento de energia em São Paulo

Cotidiano

Porta critica atuação governamental na demora e ineficácia das negociações do Acordo de Conversão de CNH entre o Brasil e a Itália

Variedades

A idade média em que os italianos se tornam pais tem aumentado ao longo dos anos.

Economia

Tesla explora potencial da fabricação de veículos elétricos na Itália: Caminhões e vans na pauta, dizem jornais