Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Cidadania Italiana

A história de La Veloce Navigazione Italiana a Vapore

Acredita-se que o La Veloce teria transportado cerca de 30 milhões de pessoas em quase 50 anos

Se sua família emigrou da Itália para o Brasil, é muito provável que ela tenha desembarcado em um dos navios de La Veloce Navigazione Italiana. A empresa tinha, em 1884, uma frota com 83 embarcações.

A Veloce começou como uma linha de navios a vapor de duas chaminés (e construída quase inteiramente de madeira), criados por Giovanni Lavarello. Era conhecida como “Società Giovanni Battista Lavarello & Co” e fez viagens entre a Itália e a América do Sul. 

Quando Giovanni se juntou ao irmão em 1884, nasceu a La Veloce, com um frota de navios a vapor velozes e modernos, que alcançavam 16 nós de velocidade – daí o nome.

Acredita-se que o La Veloce teria transportado cerca de 30 milhões de pessoas em quase 50 anos. Mas não era somente pessoas que a frota transportava: a empresa trazia correspondências e encomendas para a América do Sul. Atuando como um correio, aLa Veloce tinha seu próprio carimbo.

A partir de 1889, os bancos alemães começaram a adquirir ações da empresa e, em 1899, já tinham participação majoritária. A empresa dos fundadores originais (Fratelli Lavarello) foi adquirida juntamente com sua frota em 1891.

Por volta de 1900, os bancos italianos e a Navigazione Generale Italiana (NGI) compraram ações dos alemães e, em 1901, a empresa passou a ser efetivamente controlada por eles.

Em 1892, 43 mil emigrantes italianos haviam partido para a América do Norte, enquanto em 1901 o total aumentou para 125 mil. A La Veloce iniciou um serviço de Gênova e Nápoles para Nova York (a primeira partida foi em 15 de março de 1901, com o navio Duchessa di Genova ).

Duchessa di Genova

Savoia era o navio a vapor de destaque da Companhia. E com o apoio de três novas aquisições (Italia, Argentina e Brasile ) todos os quatro permaneceram a serviço da América do Sul até 1912 (o quinto grande navio, o Venezuela, foi destruído após encalhar perto do porto de Marselha).

Solidariedade

Em dezembro de 1908, a cidade de Messina, na Sicília, sofreu um violento terremoto, que matou milhares de pessoas e deixou quase todos os sobreviventes desabrigados. 

A La Veloce colocou três navios à disposição das autoridades: Nord AmericaSavoia Citta di Napoli, para servir como bases de emergência, acomodando milhares de refugiados. 

Os três navios foram enviados a Messina como navios de acomodação para sobreviventes do terremoto. O Nord America foi posteriormente utilizado como navio cargueiro e, em 5 de dezembro de 1910, na viagem de volta de Buenos Aires com uma carga de cavalos, encalhou na costa de Marrocos (então foi reflutuado e rebocado para Gênova, levado para a amarração por um tempo e desfeito).

Em 13 de junho de 1910, com a aprovação da lei dos acordos marítimos, foi criada a Sociedade Nacional de Serviços Marítimos (Società Nazionale dei Servizi Marittimi ), à qual o NGI cedeu grande parte de sua frota, deixando de administrar a rede de rotas subsidiadas no Mediterrâneo. Este setor de tráfego foi deixado inteiramente para a SNSM, concentrando seus interesses nas rotas para as Américas e mantendo apenas 19 navios em linha.

O nome oficial passou a ser La Veloce Navigazione Italiana a Vapore, que foi adquirida pelo NGI em 1924 e liquidada como uma empresa separada.

Lista de rotas de acordo com o ano:

  • 1883 – 1924: Gênova / Nápoles / Palermo – Las Palmas – América do Sul
  • 1901 – 1922: Gênova / Nápoles / Palermo–- Nova York / Filadélfia
    Alguns serviços para Nova Orleans e América Central.

Lista de naviosLa Veloce Navigazione Italiana a Vapore

  • America – 1909 – foi vendido para a Navigazione Generale Italiana em 1912.
  • Argentina – 1905 –renomeado Brasile em 1913, vendido para a Italia Line em 1914.
  • Bolonha – 1905 – comprado da Navigazione Generale Italiana em 1913, adquirido pelo NGI em 1924, sucateado em 1928.
  • Brasile (1) – 1905 – vendido para a French Line em 1912 e renomeado Venezuela.
  • Brasile (2) – Ver Argentina.
  • Calabria – 1876 – Ex- Princess Royal, compradoa de Langland & Sons Glasgow, em 1901, renomeado Calabria, vendido para NGI em 1905.
  • Centro America – 1897 – vendido para Navigazione Generale Italiana em 1908, renomeado Solunto.
  • Citta di Genova (1) – Ver Matteo Bruzzi.
  • Citta di Genova (2) – 1889 – comprado de F.Lavarello em 1891, vendido à Soc. Generale de Transports Maritimes em 1898, virou Marselha e renomeado Savoie.
  • Citta di Milano –1897 – foi vendido para a Sitmar Line em 1914, rebatizado para Albânia.
  • Citta di Napoli – Ver Vittoria (2)
  • Citta di Reggio – 1888 – fretado de G. Bertollo em 1905, Gênova, para 2 viagens.
  • Citta di Torino – 1898 – foi vendido para a Sitmar Line em 1914, e renomeado Constantinopoli.
  • Dalmazia – 1920 – Lançado como War Picture, concluído como Dalmazia, vendido para Parodi, Gênova, em 1925.
  • Duca di Galliera – 1883 – Ex-Oaxaca ,foi adquirido da Cia Trasatlântica Mexicana em 1887 e renomeado para Duca di Galliera. Foi sucateado em 1906.
  • Duca di Genova – 1907 – comprado da Navigazione Generale Italiana em 1912, revertido para NGI em 1914, torpedeado e afundado pelo U.64 na costa francesa em 1918.
  • Duchessa di Genova – 1884 – Ex-México, comprado da Cia Transatlântica Mexicana em1887, renomeado para Duchessa di Genova, desmanchado em 1906.
  • Etruria – 1893 – Ex-Halifax City, adquirido de Furness Withy em 1900, renomeado para Etruria, adquirido pela NGI em 1903.
  • Europa (1) – 1872 – transferido de M.Bruzzo & Co em 1884, descartado em 1893.
  • Europa (2) – 1907 – transferido para Navigazione Generale Italiana em 1922.
  • Italia – 1905 – foi vendido para a Navigazione Generale Italiana em 1912.
  • Las Palmas – 1886 – Ex- Giovanni Battista Lavarello, comprado de F. Lavarello em 1891, renomeado Las Palmas. Vendido para Navigazione Generale Italiana em 1905 e renomeado para Ionio.
  • Liguria – 1901 – fretado da Navigazione Generale Italiana em 1909 para apenas 2 viagens.
  • Lombardia – 1901 – fretado da Navigazione Generale Italiana 1909 para apenas 2 viagens.
  • Matteo Bruzzi – 1882 – Ex-Golconde, adquirido da Cie. Fraissinet por M. Bruzzi em 1883 e renomeado Matteo Bruzzi em 1884, incorporado a La Veloce em 1899 e renomeado Citta di Genova, desmanchado em 1907.
  • Montevideo – 1869 – Ex-Citta di Napoli, foi comprado de F. Lavarello em 1891 e rebatizado para Montevidéu, foi sucateado em 1899 após encalhar no Rio de la Plata, entre Argentina e Uruguai.
  • Napoli – 1870 – Ex-Colombo, foi transferido de M.Bruzzo & Co em 1884 e rebatizado para Napoli, foi abandonado na costa brasileira em 1893 e naufragado.
  • Nord America – 1882– Ex-Castelo Stirling, foi adquirido por M.Bruzzo da Thos.Skinner & Co (Londres) em 1883, renomeado Castelo Nord America Stirling. Foi transferido para La Veloce em 1888 e renomeado para Nord America. Em 1909 tornou-se apenas cargueiro. Em 1911 foi sucateado após encalhar no Marrocos.
  • Oceania – 1909 – Em 1912 foi renomeado para Stampalia. Em 1915 virou um navio de tropas, em 1916 foi torpedeado e afundado pelo UB.47 no Mar Egeu.
  • Piemonte – 1895– Ex-St. John City, foi adquirido de Furness Withy em 1899, e renomeado Piemonte. Em 1903 foi adquirido pela NGI.
  • Rio de Janeiro – 1888 – Ex-Adelaide Lavarello, foi adquirido de F.Lavarello em 1891 e renomeado Rio de Janeiro. Foi vendido para Soc. Gen. de Transp. Mar, Marseilles, em 1899, e renomeado Alsace.
  • Rosario – 1887 –Foi comprado de F.Lavarello em 1891, depois foi vendido para Cie. Mixte (Marselha) em 1898, passou a se chamar Djurjura.
  • Savoia – 1897 – Em 1915 virou navio de tropas, em 1919 ficou em desuso, e em 1923 sucateado.
  • Siena – 1905 – Em 1913 foi comprado da Navigazione Generale Italiana, em 1916 foi bombardeado e afundado pela U.35 no Golfo de Lyon; perda de 46 vidas.
  • Stampalia – Ver Oceania.
  • Sud America (1) – 1872 – Em 1884 foi transferido de M.Bruzzo & Co. Em 1888 foi afundado em colisão com a França s / s (SGTM) em Las Palmas; perda de 87 vidas.
  • Sud America (2) – 1868 – Ex-Mentana, foi comprado de F. Lavarello em 1891. Em 1901 foi descartado.
  • Umbria – 1901 – Em 1912 foi comprado da Navigazione Generale Italiana, em 1913 foi vendido para a Italia Line e renomeado San Paulo.
  • Venezuela (1) – 1898 – Em 1908 foi vendido para a Navigazione Generale Italiana.
  • Venezuela (2) – 1904 – Ex-Caserta, foi adquirido da Navigazione Generale Italiana renomeado Venezuela em 1923, e descartado em 1928.
  • Vittoria (1) – 1883 – Ex-Tamaulipas, foi comprado da Cia Transatlântica Mexicana em 1887, renomeado Vittoria, em 1899 pegou fogo, ficou encalhado em Alicante, rebocado para a Itália e sucateado.
  • Vittoria (2) – 1871 – Ex-Maasdam, em 1902 foi adquirido da Holland America Line, renomeado Vittoria, e em 1902 foi renomeado para Citta di Napoli, em 1910 foi descartado.
  • Vittorio Veneto – 1918 – ex- War Joy, em 1919 foi adquirido de The Shipping Controller, Londres, renomeado Vittorio Veneto, e em 1924 foi adquirido por NGI.
  • Washington – 1880 – Em 1905 e 1907 foi fretado da Navigazione Generale Italiana para duas viagens de ida e volta.

Com informações de Origine, Museu da Imigração do Estado de São Paulo e The ships list.

E aí, gostou do artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e traga seus amigos, colegas e seguidores para a discussão. Em caso de dúvidas a respeito do assunto, não hesite em deixar seu comentário.

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Mais de Italianismo

Cotidiano

Navios de cruzeiro estão proibidos de navegar pelo centro histórico de Veneza

Cotidiano

Robô submarino tira fotos do navio e da carga de ânforas que datam do século II a.C.

Cotidiano

Sobrenomes italianos estão presentes nos cargos públicos mais importantes do Brasil

Itália no Brasil

A primeira homenagem do Italianismo para a comunidade italiana no Brasil foi em 2016

Itália no Brasil

21 DE FEVEREIRO: DIA DE CELEBRAR A IMIGRAÇÃO ITALIANA NO BRASIL

Cotidiano

Governo britânico está pronto para pagar 2 mil libras aos cidadãos da UE que queiram abandonar o país.

Cotidiano

Cinco estrangeiros explicam o que os levou a se mudar para a Itália.

Cidadania Italiana

Relatório mostra que Portugal é um dos lugares mais amigáveis ​​para imigrantes. A Itália é a 8ª.

Itália no Brasil

Exposição retrata o começo da vida dos italianos em terras brasileiras Deixa o seu comentário:

Cidadania Italiana

Imigrantes não sabiam qual seria o seu destino

Vida & Estilo

Lorraine Bracco, de “Família Soprano”, transforma reforma em reality show Deixa o seu comentário:

Itália no Brasil

A tubaína tradicional foi criada no interior de São Paulo por imigrantes italianos Deixa o seu comentário: