Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Destinos

Temperaturas de onda de calor ‘Lúcifer’ ultrapassam 40ºC na Itália

Homem se refresca em fonte em Turín. Foto: AP

Onda de calor provoca incêndios florestais, desencadeia alertas climáticos e prejudica plantações

Sabe aquela expressão “calor do inferno”? Pois ela pode ser usada neste momento na Itália sem medo.

O país enfrenta altas temperaturas, com um recorde de 49°C na sensação térmica registrada neste final de semana em Ferrara, na região de Emilia-Romanha, de acordo com os institutos meteorológicos, que marcaram 37ºC. Em Termoli, na região de Molise, a sensação térmica foi de 46ºC, enquanto os termômetros marcavam uma temperatura real de 30ºC. Já em Capo Frasca, na Sardenha, a temperatura chegou a 37ºC, mas a população sentiu 44ºC devido às condições atmosféricas. As autoridades italianas informaram que em 15 regiões do país, do Piemonte a Sicília, a sensação térmica foi de 40ºC por conta da uumidade e do vento.

Temperatura pode chegar aos 37º em Roma nesta semana

Alertas foram emitidos para 10 cidades: Bolonha, Bolzano, Brescia, Perugia, Turim, Ancona, Campossado, Florença, Perugia e Pescara. O Ministério da Saúde da Itália alertou a população contra os riscos do sol, já que muitos italianos aproveitaram as altas temperaturas e o período de início de férias para viajarem para as praias. No entanto, o calor tem provocado problemas nas províncias de Parma e Piacenza, com secas e falta d’água. O Conselho de Ministros da Itália decretou estado de emergência na última quinta-feira (22).

Partes do sul e do leste da Europa exato sendo assoladas por temperaturas acima de 40º Celsius devido a uma onda de calor chamada de “Lúcifer” que provocou incêndios florestais e prejudicou plantações.

A Itália e os Bálcãs foram os mais afetados, mas áreas mais ao norte, como o sul da Polônia, também sofreram com temperaturas anormalmente altas, e o serviço meteorológico europeu Meteoalarm emitiu alertas “vermelhos”, seus mais altos, para 10 países.

A expectativa é que as temperaturas continuem em torno de 40º C até a próxima semana. Vinicultores italianos começaram a colheita semanas antes do que o costumeiro devido ao calor extremo.

Carlo Petrini, fundador do movimento Slow Food, escreveu no jornal “La Stampa” que não há registro de a safra de vinho ter tido início antes de 15 de agosto.

“A saúde das uvas é severamente testada por este clima”, escreveu Petrini, acrescentando que os vinicultores correm o risco de encontrar a fruta “cozida pelo sol e pelo calor escaldante”.

As autoridades italianas emitiram alertas de risco climático para 26 cidades, incluindo os polos turísticos Veneza e Roma, onde muitas das fontes foram desligadas devido a uma seca persistente.

As galerias de arte Uffizi de Florença, mundialmente famosas, tiveram que fechar temporariamente na sexta-feira quando o sistema de ar-condicionado quebrou, disse seu diretor à agência de notícias Ansa.

Siga o Italianismo no Instagram

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Cotidiano

CNH brasileira volta a valer na Itália: novo acordo facilita vida de milhares pessoas

Variedades

Iniciativa quer combater despovoamento de áreas montanhosas.

Variedades

Cidade foi devastada pela erupção do Vesúvio, assim como Pompeia.

Arte & Cultura

Lançado no fim de outubro e exibido em preto e branco, foi o filme que mais faturou com bilheteria na Itália em 2023

Notícias

Grupo de 8 companhias participa de feira de fundição em SP.

Cotidiano

Imperia ocupa 1ª posição de ranking elaborado pelo iLMeteo.it

Turismo

Alta temporada no país vai de junho a setembro.

Arte & Cultura

Exposição 'Life as a Scientist' será aberta no dia 21 de junho.

Cultura

Mostra 'Oltreoceano' ocorre no Salão Negro do Congresso Nacional.

Gastronomia

Referência da gastronomia, TasteAtlas partilha os seus rankings com base na experiência do consumidor.

Esporte

O ítalo-brasileiro assumiu o cargo de técnico da Juventus, firmando um contrato de três temporadas, válido até meados de 2027.

Notícias

Atualmente, 15% da pesquisa colaborativa é realizada por cientistas paulistas e italianos.