Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

Italianismo

Cotidiano

Reino Unido está detendo e expulsando cidadãos europeus

Relatos dão conta de tratamento hostil de funcionários britânicos, possivelmente devido à “interpretação errada” das novas regras pós Brexit.

cidadãos europeus
Reino Unido está detendo e expulsando cidadãos europeus | Reuters

Nas últimas semanas, 12 cidadãos de países da União Europeia foram detidos ao desembarcarem em aeroportos do Reino Unido, e levados aos centros de expulsão de imigrantes.

Essa é a política “ambiente hostil” de parte dos funcionários da polícia e dos serviços de migração. A maioria dos detidos foram mulheres.

Os relatos de algumas vítimas ao jornal britânicoThe Guardian indicam que esses seus casos são apenas a ponta do icebergue.

Ao que tudo indica, as expulsões são baseadas em uma interpretação errada da nova legislação pós Brexit para trabalhadores imigrantes.

Os migrantes expulsos são cidadãos italianos, gregos, espanhóis e búlgaros. Eles estavam sem visto de trabalho, mas tinham entrevistas de emprego agendadas.

O Ministério britânico da Administração Interna, o Home Office, garante que visitantes nestas condições podem “ir a reuniões, conferências, seminários, entrevistas” e “negociar e assinar acordos e contratos”.

Outros cidadãos estavam em violação das novas regras, que agora proíbem cidadãos europeus de frequentar estágios não-remunerados.

Detenções

Eugenia, uma espanhola detida por 24 horas no aeroporto de Gatwick, Inglaterra, antes de ser expulsa, ficou presa em uma sala com vários outros europeus.

Ela contou que uma moça de nacionalidade checa chegou em um avião vindo do México e foi obrigada a regressar ao país de origem, mesmo depois de se oferecer para pagar uma passagem para a República Checa.

A espanhola chegou em Gatwick no dia 2 de maio, vinda de Bilbao, e agora jura que nunca mais voltará ao Reino Unido. “Como eu, aquela moça mexicana sabia que não ia começar a trabalhar imediatamente, mas pensou que podia procurar emprego e voltar ao Reino Unido depois de obter um visto de trabalho”.

A espanhola de 24 anos tinha passagem de retorno e preencheu uma minuta digital de viajante na qual explicou tudo. Mesmo assim, teve o celular apreendido e foi trancada em uma sala com outras imigrantes, até embarcar num voo com destino a Barcelona.

Outra cidadã espanhola, Maria, de 25 anos, está traumatizada com o tratamento sofrido e receia ter contraído Covid-19 por conta da detenção.

Ela viajou de Valência para o Reino Unido, mas foi impedida de entrar, mesmo propondo pagar uma passagem de volta para a Espanha no mesmo dia. Foi enviada com outros europeus para o Yarl’s Wood, um centro de detenção a duas horas do aeroporto.

Devido a um possível surto de Covid-19 nessas instalações, foi obrigada a ficar trancada no quarto por três dias, assustada com a possibilidade de ter sido exposta ao vírus.

Depois disso, foi libertada com ordens de cumprir quarentena na casa da irmã, em Bexleyheath, no sudeste de Londres. “Tiraram minha liberdade e eu não conseguia sequer falar com um advogado”, disse.

Política de hostilização

A advogada Araniya Kogulathas, da ONG Fiança para os Imigrantes Detidos, considera que os cidadãos europeus começam a experimentar em primeira mão a política de “ambiente hostil” britânica quanto à imigração.

“O Home Office tem de explicar de que forma explorar o mercado de trabalho ou ir a uma entrevista é justificativa para a recusa de entrada de cidadãos da União Europeia nas fronteiras”, declarou Kogulathas.

Oito eurodeputados escreveram à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, preocupados com essa situação. “Enviar jovens cidadãos europeus para centros de detenção de imigrantes é extremamente desproporcionado e viola o espírito de boa cooperação que deveríamos esperar”, explicou Dacion Ciolos, presidente do grupo de eurodeputados Renew Europe.

Em resposta, o porta-voz oficial do primeiro-ministro Boris Johnson comentou: “estamos a cooperar muito dentro do espírito e dos termos dos acordos que temos com a União Europeia”. (Com informações da RTP)

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Cotidiano

Governo britânico está pronto para pagar 2 mil libras aos cidadãos da UE que queiram abandonar o país.

Cotidiano

Em 2021, o Brexit será uma realidade, mas o que muda para os italianos que querem viajar, estudar ou trabalhar no Reino Unido? Deixa...

Cidadania Italiana

A partir de 1 de janeiro, cidadãos da UE perdem “direito automático” de residirem no Reino Unido Deixa o seu comentário:

Cotidiano

Se aprovado, “efeito dominó” pode se transformar em uma espécie de “Brexit suíço” Deixa o seu comentário:

Cotidiano

Preocupados com dinamismo do mundo científico, pesquisadores decidem voltar para a Itália Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Saiba o que dizem Itália, França, Espanha e Alemanha Deixa o seu comentário:

Cotidiano

Movimento é inspirado no Brexit e busca independência do país. Deixa o seu comentário:

Cotidiano

Reino Unido passa Itália no número de mortos por Covid-19

Negócios

Fora das regras da UE, Itália poderia fechar acordos comerciais mais vantajosos Deixa o seu comentário:

Cidadania Italiana

Em 2017, 14.911 britânicos pediram outra nacionalidade comunitária, aumentando em 127% o número de 2016 Deixa o seu comentário:

Negócios

A declaração do político do partido nacionalista começou a surgir efeitos em Bruxelas Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Países são críticos ao modelo de gestão comandado por burocratas Deixa o seu comentário:

2016-2021 – Permitida a reprodução de qualquer conteúdo desde que citado, obrigatoriamente, o Italianismo.