Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Estilo de vida

Lei que flexibiliza vacinação gera polêmica na Itália

A ministra da Saúde da Itália, Giulia Grillo, confirmou nesta quinta-feira(9) que a nova medida apresentada para flexibilizar a entrada na escola de crianças que não estejam com a vacinação em dia também será válida para o próximo ano letivo (2018-2019). A declaração gerou polêmica no sistema educacional do país.

A decisão não derruba a obrigatoriedade da vacinação para crianças, mas permite que os pais apresente uma “autocertificação”, a invés do comprovante emitido pela Empresa Sanitária Local (ASL, na sigla em italiano), como previsto pela lei. “A ferramenta de autocertificação foi usada ao longo de 2017-2018 e também vamos usá-la para 2018-2019 porque [Beatrice] Lorenzin não estabeleceu o Registro Nacional de Vacinas e não queríamos cobrar do cidadão um fardo adicional, forçando-o a fornecer toda a documentação”, explicou Grillo à imprensa.

A regra anterior, que fora aprovada durante o mandato do centro-esquerdista Paolo Gentiloni (2016-2018), exige a vacinação para o acesso de crianças à educação. Mas é uma medida duramente criticada pelo antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S) e pela ultranacionalista Liga, que atualmente governam o país.

Por isso, segundo a ministra da Saúde, a nova lei irá fornecer “medidas flexíveis de obrigação em territórios, e, portanto, também nas regiões e municípios onde há taxas mais baixas da cobertura de vacinação ou emergências epidêmicas”. Para Grillo, esta é “a ideia mais sensata”.

No entanto, a decisão recebeu críticas por parte do ministro da Educação, Marco Bussetti, que afirmou que vai cooperar para a implementação das políticas de saúde propostas, mas a liderança escolar não pode ser responsável no que diz respeito a saúde.

“É importante considerar as preocupações dos gestores escolares, que constituem um ponto de referência fundamental para o sistema de educação e formação, e certamente a gestão escolar não pode ser sobrecarregada com cuidados de saúde”, escreveu o ministro no Facebook.

O Conselho de Professores Universitários de Pediatria, por sua vez, ressaltou que a autocertificação de vacinas “não apenas entra em conflito com a legislação vigente sobre a certificação de vacinas obrigatórias, mas discorda do Decreto 445/2000 que afirma que certificados médicos não podem ser substituído por outro documento”.

Atualmente, as vacinas obrigatórias na Itália protegem contra poliomielite, difteria, tétano, hepatite B, coqueluche, sarampo, caxumba, varicela, rubéola e Haemophilus influenzae tipo b, que, entre outras coisas, causa meningites bacterianas. (ANSA)

Siga o Italianismo no Instagram

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Destaque do Editor

O ranking mostra o posicionamento, o número de famílias e o número de municípios em que os sobrenomes italianos estão espalhados.

Destaque do Editor

Descubra como obter a cidadania italiana de forma segura e eficiente!

Estilo de vida

A Festa della Mamma foi introduzida no calendário na década de 1950

Cidadania Italiana

Ao contratar um advogado para processo de cidadania italiana, opte por um que mantenha representante no Brasil.

Cidadania Italiana

Senador Roberto Menia reforça críticas sobre reconhecimento da cidadania italiana no Brasil.

Itália no Brasil

Consulado Geral da Itália em São Paulo: Uma pequena itália na maior metrópole brasileira.

Economia

Consultoria fez estudo sobre taxa de sobrevivência de companhias.

Cidadania Italiana

Passaporte em todo lugar: A partir de julho, correios italianos facilitam renovação e emissão

Esporte

Eventos em memória do brasileiro vão durar até o início de junho.

Cidadania Italiana

Caixa de pandora sul-americana: reconhecimento de cidadanias italianas sob suspeita.

Cidadania Italiana

Descaso com o Codice Fiscale: Conselheiro do CGIE denuncia "Gaming the System" nos consulados.

Cidadania Italiana

Escândalo no reconhecimento da Cidadania Italiana na América do Sul. Nicola Occhipinti é chamado às pressas.