Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Cotidiano

Itália sulista perde o medo do coronavírus

Italia sulista Napole
Em Nápoles, cerca de 5 mil pessoas se juntaram para comemorar a conquista da Copa da Itália pela equipe local | Foto: Corriere

Itália sulista baixa a guarda por causa do menor impacto na população. A volta do turismo pode alterar a situação.

Ação Contra as filasAção Contra as filas

A praça Garibaldi, em Nápoles, começou a recuperar a agitação de sempre.

Os bandidos procuram suas vítimas, os congestionamentos voltaram à avenida Umberto I e as bancas do bairro de Forcella despacham frutas e hortaliças como se tudo o que aconteceu nos últimos quatro meses tivesse sido só um grande pesadelo.

O turismo ainda não voltou a uma das cidades mais exploradas na última década pelas companhias aéreas de baixo custo.

Mas Nápoles, como tantas cidades do sul da Itália, deixou para trás a toda pressa o medo do covid-19.

Talvez até rápido demais, alertam os especialistas. O uso da máscara caiu vertiginosamente, e as medidas de distanciamento começam a parecer um velho protocolo.

A última pesquisa da empresa SWG conclui que os cidadãos “muito preocupados com o vírus” passaram de 57% para 18%.

A situação na Itália, quatro meses depois do primeiro contágio na Lombardia (norte), continua sob controle.

Os números melhoram progressivamente

Nesta sexta-feira (26) foram registradas 30 mortes, que acumuladas chegaram a 34.708, e contabilizados 259 novos contágios (156 apenas na Lombardia), para um total de 239.961 (a Lombardia soma 93.587 casos).

Mas há indicadores, como as multas por organizar festas, o retorno aos comércios (as compras online caíram de 49% em 11 de maio para 34% em 12 de junho) e a queda na venda de máscaras (pela metade com relação aos piores dias da pandemia, afirma a entidade setorial das farmácias) que alertam as autoridades sanitárias.

Rolou a festa

A fotografia de Nápoles, onde há uma semana 5 mil pessoas se juntaram para comemorar a conquista da Copa da Itália pela equipe local, mostra um relaxamento evidente.

No bar de Ciro Buonerba, na esquina da estação central, ninguém está de máscara. “O que você quer que eu lhe diga? Aqui tivemos poucos contágios. Nosso perigo de morte agora é a queda do turismo, não o vírus”, observa o garçom que atende o balcão lotado.

O mesmo acontece em muitos hotéis e comércios. O bom comportamento do sul durante a pandemia contribuiu para esse clima relax.

As cifras de contágios e mortes falam de dois países dentro da Itália.

No norte, a mortalidade dobrou durante a pandemia, com picos selvagens que superaram 560% em lugares como Bergamo, epicentro da tragédia.

Nas regiões meridionais, por outro lado, a mortalidade não subiu excessivamente e, em alguns lugares, como Roma em março, inclusive foi mais baixa que em 2019.

As estatísticas aqui falam de uma ferida que cicatriza depressa. Também de uma memória curta.

Relaxamento excessivo

Walter Ricciardi, assessor do Governo durante a pandemia e ex-presidente do Instituto de Saúde italiano, acredita haver um “relaxamento excessivo”.

“É evidente que a atenção às medidas de comportamento caiu. E, sim, certamente haverá alguns surtos, não daquela maneira tão virulenta porque estamos preparados para intervir. O problema é fazer as pessoas entenderem que o risco é geral. O vírus circula em todo o mundo e provoca danos muito graves. É um problema global, nenhuma parte do mundo está imune. Em lugares onde seu impacto foi zero, pode explodir agora.”

Nas últimas semanas, as atenções se voltaram para lugares onde foram registrados focos. Na terça-feira três bairros foram contaminados na localidade de Palmi (Calábria) quando se detectou um número excessivamente alto de contágios concentrados em um reduzido núcleo vicinal.

Em Roma também foram localizados dois focos importantes há apenas duas semanas. “O covid-19 ainda circula entre nós, não se deve baixar o nível de atenção, as reuniões e festas destes dias são uma bofetada nos médicos e familiares das mais de 34 mil vítimas”, comentou o ministro de Assuntos Regionais, Francesco Boccia.

Reabertura das fronteiras

A abertura das fronteiras desde 3 de junho também pode alterar o equilíbrio norte-sul, temem as autoridades.

Grande parte do escasso turismo internacional que a Itália receberá no verão optará por visitar zonas meridionais que até agora se mantiveram relativamente isoladas.

E 93% dos movimentos serão domésticos, segundo a entidade setorial, deslocamentos que ocorrerão principalmente do norte para o sul, em busca das praias.

“Os lombardos é que deveriam passar por controles”, opina Gianni Zaccaria, em uma banca de legumes de Forcella.

LEIA TAMBÉM

‘Clube de Julieta’, na Itália, tem brasileira para responder cartas de apaixonados

Com informações de El País

200

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Destaques do editor

Cotidiano

Maior projeto do mundo para desenvolvimento dessa tecnologia ocorrerá na rodovia A35, que liga Brescia, Bergamo e Milão

Destinos

Episódio ocorreu em meio a onda de calor na Itália, neste domingo. Turista é da Espanha

Cotidiano

A emergência da seca é uma questão muito delicada neste período de altas temperaturas e chuvas escassas

Cotidiano

Brasileiro foi transportado de helicóptero para o hospital de Varese

Turismo

A Itália colocou fim às restrições de entrada de visitantes remanescentes da pandemia nesta quarta-feira (1º). Deixa o seu comentário:

Turismo

Relatório da WTTC revela ainda que o setor de viagens e turismo crescerá a uma taxa média anual de 2,5% nos próximos 10 anos

Destinos

Patrícia Poeta abre álbum de fotos de viagem à Itália: "Não é linda?"

Cotidiano

Refugiados ucranianos na Itália são alojados em propriedades confiscadas da máfia

Cotidiano

Primeiro voo entre São Paulo e Roma vai decolar no dia 2 de junho

Vida & Estilo

Seminário Teológico Italiano Chinês (ICTS) foi inaugurado em abril, em Roma, ao lado do Vaticano

Celebridades

Kobe Bryant passou sete anos na Itália, onde iniciou sua trajetória como astro do basquetebol

Cotidiano

Ideia partiu de um dos pesquisadores, que é alérgico a leveduras que compõem o fermento