Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

Italianismo

Herança italiana

Bauducco: sonho de um italiano virou tradição dos brasileiros

Carlos Bauducco vendeu tudo na Itália e se mudou para São Paulo para introduzir o panetone à comunidade italiana.

BAUDUCCO
Carlo Bauducco: o sonho do italiano que virou tradição dos brasileiros

A marca Bauducco virou sinônimo de panetone no Brasil. Tudo começou com a chegada do imigrante italiano Carlo Bauducco ao país em 1948, vindo de Turim.

Aos 42 anos, o representante comercial Carlo Bauducco desembarcou no Brasil para cobrar uma dívida de máquinas de modelagem de pão. As máquinas haviam sido enviadas ao Brasil por um amigo italiano.

Moncalieri, na província de Turim: cidade onde nasceu Carlo Bauducco (em 02/04/1906)

“Apesar de não falar uma palavra em português, meu pai recuperou parte do dinheiro”, contou Luigi Bauducco, filho de Carlo, em entrevista à Veja São Paulo, em 2009.

Luigi era filho único de Carlo Bauducco e Iris Margherita Constantino, também de Turim, e tinha 17 anos em 1949, quando seu pai decidiu ficar no Brasil.

Carlo se sentiu em casa em São Paulo. Os dois principais jornais da cidade eram o Estado de São Paulo, em português, e o Fanfulla, em italiano. Os dois vendiam o mesmo número de exemplares.

Com faro apurado para os negócios, ele resolveu vender tudo na Itália e se mudar para o Brasil, para introduzir o panetone à comunidade italiana no país.

Fachada e veículo da Doceria Bauducco

Massa fermentada, “mãe de todos os panetones”

Em 1950, Carlo Bauducco retornou ao Brasil, trazendo o velho amigo confeiteiro Armando Poppa e uma massa fermentada enrolada em um pano molhado, considerada a ”mãe de todos os panetones”.

Como a lei brasileira só permitia que estrangeiros abrissem firma com sócios brasileiros, Carlo se associou aos três irmãos Lanci, filhos de um italiano que produzia a massa 3 Abruzzi.

O primeiro panetone experimental foi batizado de Panettone 900 Lanci. O nome 900 vinha da máquina que produzia a massa e a primeira loja no ramo da alimentação era a Panetone 900, na Rua Afonso Pena, Bom Retiro.

Em 1952 foi extinta a lei que obrigava estrangeiros a firmar sociedade com brasileiros. Assim, Carlo Bauducco inaugurou a Doceria Bauducco, pequena confeitaria no Brás. Além dos panetones, Carlo produzia biscoitos tipo Champanhe, doces e salgados.

O italiano Carlo Bauducco na primeira padaria que abriu em São Paulo | Foto: Divulgação

Negócio sempre 100% familiar

O negócio familiar tinha Luigi como ajudante na produção e nas vendas e Margherita como responsável pela administração dos negócios.

Para impulsionar as vendas, Carlo contratou um avião para lançar panfletos de propaganda sobre a área central de São Paulo. Desse modo, divulgou seu bolo com uvas passas e frutas cristalizadas, que conquistou os brasileiros. A divulgação também era feita com propagandas no rádio em italiano, por meio da apresentadora Antonella Flavioli.

As primeiras embalagens foram idealizadas pelo designer italiano Giorgio Bricarello, com um panetone cercado por paisagens de São Paulo e da Itália.

Produção industrial, receita original

O salto da produção artesanal para industrial aconteceu em 1962, com a inauguração da fábrica de Guarulhos. Apesar do aumento da demanda, a receita original do panettone, com fermentação natural, nunca mudou. Até o panetone ficar pronto para ser embalado, são necessárias 48 horas, sendo 20 delas para que a massa cresça lentamente.

Nos anos seguintes, vieram inovações como a criação da embalagem de papelão e a entrada nos supermercados. Também foram lançadas linhas de torradas e de produtos como a Colomba Pascal e os panettones com gotas de chocolate, o Chocottone.

Em 1979 vieram as primeiras exportações para os Estados Unidos e na década de 80, com a construção da segunda fábrica, foram lançados produtos como biscoitos amanteigados e wafers.

Nessa Massimo Bauducco, filho primogênito de Luigi e neto de Carlo, assumiu os negócios. Hoje a Bauducco é a maior produtora mundial de panetones e exporta para mais de 50 países, incluindo Japão, América Latina e Angola.

Identidade visual e prêmio internacional

Em 1997 a empresa modernizou sua identidade visual e adotou as embalagens amarelas, cor que simboliza a luz do sol e o trigo. No ano seguinte, a Bauducco foi a primeira empresa brasileira a receber em Londres o Design Effectiveness Awards, pela embalagem desenvolvida para a lata especial de Natal do panetone.

Em 2001, a empresa comprou sua principal concorrente, a Visconti e se consolidou na liderança do mercado, com 70% no segmento de panetones. Em 2008, a empresa passou a fabricar e distribuir os produtos Hershey’s no Brasil, incluindo chocolates, bebidas achocolatadas e confeitos.

Sonho que virou realidade

Com produtos que vão desde os biscoitos simples e torradas até cookies e biscoitos de goiaba, a empresa inaugurou sua primeira loja própria em 2012, batizada de Casa Bauducco, e uma moderna fábrica no estado de Alagoas. Hoje a Bauducco fabrica mais de 75 milhões de panetones por ano e seu faturamento anual é de R$ 3 bilhões.

Carlos Bauducco morreu em 1972, aos 66 anos e Luigi Bauducco morreu em 2020, aos 88 anos. Já a empresa que construíram a partir do sonho de difundir a culinária italiana no Brasil e do trabalho para que esse sonho fosse realizado, segue firme como uma das marcas mais bem estabelecidas na cultura dos brasileiros.

Veja um comercial da Bauducco exibido nos anos 1980:

Por Roberto Schiavon/Italianismo

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Herança italiana

Italiano chegou ao Brasil em 1924 e construiu um império a partir de um pequeno açougue na periferia de São Paulo

Herança italiana

Imigrante italiano superou trauma na chegada ao Brasil e construiu família que iniciou império vinícola no sul do país

Herança italiana

Adolpho Selmi, que veio da Itália para fabricar macarrão em Campinas, deu origem a um gigante no setor de alimentação

Herança italiana

Fábrica de instrumentos musicais com mais de 120 anos de história é fruto do trabalho de Tranquillo Giannini, nascido na Toscana

Herança italiana

Criada há 116 anos por imigrante italiano, Raia é a maior do país no segmento de drogarias.

Herança italiana

História do engenheiro italiano que migrou em 1861 se confunde com o desenvolvimento de São Paulo.

Herança italiana

Lupo: a família trentina que escolheu o Brasil para viver e fazer crescer seus sonhos de empreendedorismo.

Herança italiana

Bem-vindos às histórias dos imigrantes italianos que ajudaram a fazer a nossa história. A história do Brasil.

2016-2021 – Permitida a reprodução de qualquer conteúdo desde que citado, obrigatoriamente, o Italianismo.