Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

Italianismo

Herança italiana

Tramontina: família italiana eternizou seu nome no país

A Tramontina é uma das mais tradicionais empresas brasileiras, com 110 anos de história. Isso é fruto do esforço da família do italiano Henrique Tramontina.

Tramontina
Tramontina: família italiana eternizou seu nome no país

A Tramontina é uma das mais tradicionais empresas brasileiras, com 110 anos de história. Isso é fruto do esforço da família do italiano EnricoTramontina.

Tudo começou quando o casal Enrico e Domenica Tramontina decidiu sair da Itália para procurar trabalho no Brasil, no final do século 19, como tantos outros imigrantes italianos naquela época.

Eles viviam no nordeste da Itália, no vilarejo de Poffabro, cidade de Frisanco, região de Friuli-Venezia Giulia, na província de Pordenone.

Chegando ao Brasil, o casal Henrique e Domingas (nomes já abrasileirados) foi para o Rio Grande do Sul e teve quatro filhos, incluindo Valentin Tramontina, que nasceu no dia 17 de julho de 1893, na cidade de Santa Bárbara.

Tramontina inicia atividades com canivetes

Em 1911, aos 18 anos, Valentin resolveu se mudar para o município de Carlos Barbosa, para onde havia chegado a ferrovia e com ela a esperança de expansão dos negócios. Foi ali que montou uma pequena ferraria, que executava reparos para indústrias da região, além de ferrar cavalos.

Empresa iniciou em um prédio de 300 metros quadrados

No ano de 1919, Valentin adquiriu um terreno de 300 metros quadrados na Rua Amapá, onde construiu um prédio de madeira para abrigar sua ferraria. No ano seguinte, o jovem se casou com Elisa De Cecco, que seria fundamental para a prosperidade da empresa. O casal teve os filhos Ivo, Henrique e Nilo.

Em 1925, a Tramontina iniciou a produção dos canivetes com cabo de osso. Foi o marco inicial das atividades da cutelaria Tramontina.

Já em 1932, a empresa agrega os primeiros colaboradores, residentes da vila, que trabalhavam na agricultura em tempo parcial e faziam facas e canivetes nos porões de suas casas.

Os canivetes foram o primeiro produto da Tramontina

Morte, trabalho e crescimento

Valentin Tramontina morreu com apenas 46 anos, em 1939. Foi aí que a viúva Elisa despontou como empreendedora nata e arrojada. Ela embarcava no trem da estação de Carlos Barbosa e partia para vender os produtos nos mercados das cidades vizinhas e na capital.

Durante a Segunda Guerra Mundial, entre 1939 e 1945, a determinação de Elisa para não deixar a empresa sucumbir foi fundamental.

Ivo Tramontina, um dos pilares da empresa centenária

Em 1949, o filho Ivo Tramontina passou a administrar os negócios, ao lado de um amigo, Ruy Scomazzon, que passou a integrar a sociedade.

A empresa passou a investir em novas tecnologias, como maquinários modernos e depois, com a laminação do aço, grandes possibilidades se abriram. Na década de 50, a Tramontina tinha 30 funcionários e os canivetes representavam 90% do faturamento.

A ano de 1961 marcou a morte de Elisa Tramontina, mas seu legado de determinação e trabalho seguiu dando frutos nas décadas seguintes.

Na década de 50 a empresa investiu em novas tecnologias

O tamanho de um sonho

Nas décadas de 60 e 70, a empresa deu um salto gigantesco, abrindo instalações em Garibaldi, Farroupilha e na Bahia. Novos produtos passaram a ser fabricados, somando-se aos canivetes, como facas, talheres, espetos, tesouras e diversos tipos de ferramentas. O portifólio completo ultrapassa as 18 mil peças.

O atual presidente do Conselho de Administração da empresa é Clovis Tramontina, filho de Ivo Tramontina, que morreu em 23 de dezembro de 2017, aos 92 anos, em Carlos Barbosa, Serra do Rio Grande do Sul.

Atualmente a Tramontina possui dez fábricas no país

A Tramontina tem hoje 10 fábricas no Brasil, sendo oito no Rio Grande do Sul, uma em Belém-PA e outra em Recife-PE. O grupo emprega mais de 9 mil funcionários e está presente em mais de 120 países.

São números que representam o resultado do sonho daquele imigrante humilde que veio para uma terra desconhecida com o objetivo de formar uma família e buscar novas oportunidades de trabalho.

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Herança italiana

O imigrante italiano Giovanni Marchesan chegou ao Brasil no final do século 19 e sua família fundou a maior empresa brasileira de implementos agrícolas

Herança italiana

Italiano aprendeu a trabalhar com peças de metal e revolucionou o mercado brasileiro, ao criar as balanças nacionais

Herança italiana

Inaugurada em 1908 por uma família de imigrantes italianos, a Casa Falci ajudou a erguer alguns dos principais monumentos históricos da capital mineira

Herança italiana

Os irmãos Carbone sabem o que é empreender. Giuseppe e Nicola chegaram ao Brasil para vender vinho e criaram a Companhia União de Refinadores...

Herança italiana

Padaria Basilicata iniciou em 1914 em São Paulo com o imigrante italiano Filippo Ponzio. Hoje a empresa é comandada pela quarta geração da família.

Herança italiana

Italiano chegou ao Brasil em 1924 e construiu um império a partir de um pequeno açougue na periferia de São Paulo

Herança italiana

Imigrante italiano superou trauma na chegada ao Brasil e construiu família que iniciou império vinícola no sul do país

Herança italiana

Adolpho Selmi, que veio da Itália para fabricar macarrão em Campinas, deu origem a um gigante no setor de alimentação

Herança italiana

Fábrica de instrumentos musicais com mais de 120 anos de história é fruto do trabalho de Tranquillo Giannini, nascido na Toscana

Herança italiana

Criada há 116 anos por imigrante italiano, Raia é a maior do país no segmento de drogarias.

Herança italiana

Carlos Bauducco vendeu tudo na Itália e se mudou para São Paulo para introduzir o panetone à comunidade italiana.

Herança italiana

História do engenheiro italiano que migrou em 1861 se confunde com o desenvolvimento de São Paulo.

2016-2021 – Permitida a reprodução de qualquer conteúdo desde que citado, obrigatoriamente, o Italianismo.