Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Cotidiano

Trabalhadores ilegais vivem drama na Itália

Trabalhadores ilegais vivem drama em Itália | Foto: fotografiaerrante

O trabalho informal está completamente bloqueado, diz trabalhador. “Três meses sem trazer um único euro para casa”

Na área de Quarticciolo, na periferia de Roma, 70% dos residentes ganhavam a vida com o trabalho informal – era isso ou o tráfico de drogas.

Quando o confinamento começou, todos perderam o trabalho. Na maior parte das vezes não podem contar com a ajuda do Estado. Fazem fila aqui, duas vezes por semana, para receberem pacotes de alimentos dos produtores locais ou vales de compras.

Apesar de ser ilegal, o trabalho informal é bastante comum na Itália, mais do que em outras partes da Europa. Permite a sobrevivência de famílias inteiras e desempenha um papel crucial no crescimento econômico do país.

Stefano Belmonte é um destes trabalhadores. Tem mulher e filha e não trabalhou, ao todo, nos últimos três meses: “Tenho alguns legumes, tomate, espaguete, fruta, ovos. É suficiente para comer no almoço e no jantar. Não é muito, mas farei o meu melhor para que dure para nós três”, disse ao portal Euro News.

A solidariedade entre as pessoas é bastante comum em Quarticciolo. Stefano ajuda na instituição local há alguns anos. É uma forma de se manter ocupado e apoiar a comunidade onde vive.

“Já se passaram três meses sem trazer um único euro de volta para casa. Consegui continuar, pois os alimentos que preciso foram ofertados. Fiz algumas coisas aqui e ali, mas não há qualquer rendimento. Trabalhei um total de três dias em três meses. O trabalho ilegal está completamente bloqueado. É o que eu faço, infelizmente, com a minha idade não tenho a possibilidade de me oferecerem um emprego”, conta Stefano.

Foi criada uma academia de boxe para manter os jovens fora das ruas – mas ainda não reabriu e sem ele muitos adolescentes locais sentem-se perdidos.

Gian Maria Fara, presidente do EURISPES (Instituto de Estudos Políticos, Sociais e Económicos), acredita que a economia paralela é uma resposta natural ao mau funcionamento da burocracia do país, bem como às elevadas taxas de imposto sobre o rendimento, que representa 35% do PIB do país.

“Graças aos rendimentos não declarados, famílias inteiras compram mantimentos e se deslocam, ou seja, vivem uma vida normal. Mesmo se falarmos de rendimentos ilegais, continuam fazendo parte de toda a economia, da mesma forma que os rendimentos provenientes de atividades criminosas também desempenham um papel no crescimento econômico do país”, explica.

O aumento das tensões sociais pode ser uma das consequências da crise, com muitos italianos não tendo outra opção senão aceitar o apoio de organizações criminosas.

E aí, gostou do artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e traga seus amigos, colegas e seguidores para a discussão. Em caso de dúvidas a respeito do assunto, não hesite em deixar seu comentário.

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Cotidiano

Autoridades buscam alternativas para estimular o público. Principalmente os Antivax

Cotidiano

Ricardo Ferraz comanda gelateria em Foligno

Estudar na Itália

O levantamento é a principal referência em qualidade universitária na Itália

Cotidiano

A obra, que ficará visível até 18 de julho, é inspirada no projeto inacabado do gênio renascentista.

Cotidiano

A Itália, campeã da Eurocopa, retornou a Roma. Hoje, espera-se que os Azzurri se encontrem com Mattarella e Draghi

Cotidiano

A difusão da rede móvel de nova geração está em constante evolução e as ofertas tornam-se cada vez mais atraentes na Itália

Cotidiano

Três novos índices do Il Sole 24 Ore recompensam as províncias com o melhor contexto de vida por faixa etária

Cotidiano

De Bono Vox a Anthony Hopkins, passando por George Clooney e Ed Westwick, a busca pelas estrelas na Itália já começou.

Esporte

Ex-jogadores Nesta e Totti também participam de cerimônia no Estádio Olímpico de Roma antes de Itália x Turquia

Esporte

Seleção italiana se impôs por 3 a 0 sobre a Turquia, com gols de Demiral (contra), Immobile e Insigne, no Estádio Olímpico

Cotidiano

O ex-primeiro Ministro da Itália pagou mais de 220 milhões de reais para manter mansões.

Cotidiano

O café no bar é um ritual para muitos italianos: aqui estão as cidades onde uma xícara custa mais e aquelas onde o preço...