Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Herança italiana

Adolpho Selmi: italiano criou um império vendendo macarrão

Adolpho Selmi, que veio da Itália para fabricar macarrão em Campinas, deu origem a um gigante no setor de alimentação

selmi
Adolpho Selmi criou um império vendendo macarrão

O imigrante Adolpho Selmi veio de Lucca, norte da Itália, para fazer história. As marcas Renata e Galo vieram de seu trabalho vendendo macarrão nas ruas.

No dia 16 de agosto de 1887, o italiano Adolpho desembarcou no Porto de Santos, aos 25 anos, com o sonho de difundir no Brasil a maior tradição gastronômica de seu país.

Em Campinas, interior de São Paulo, cidade que escolheu para morar, Adolpho passou a produzir seu macarrão manualmente. Assim nasceu a pequena Fábrica de Massas Adolpho Selmi.

Como a produção cabia em uma cesta, o macarrão era vendido nas ruas da cidade. Seus principais clientes eram conterrâneos, que passaram a apreciar as massas frescas, produzidas com aromas e sabores da saudosa Itália.

selmi
Entrada do Pastifício Selmi, em Campinas, no interior de São Paulo

Sociedade

No final do século 19, Adolpho Selmi ficou sócio de outro italiano, Hugo Gallo, nome que deu origem à sua primeira marca de macarrão. A produção na prensa manual deu lugar a marombas por tração animal. Anos depois, as massas passaram a ser produzidas em uma caldeira, que alimentava o locomóvel, uma máquina a vapor para cargas pesadas.

As instalações elétricas chegaram a Campinas em 1911, o que facilitou o desenvolvimento das indústrias. Assim, a fábrica de Selmi importou da Itália as massadeiras elétricas, agilizando o processo e aumentando a produção.

Desde o início, as massas são o carro-chefe da empresa

Filhos de Adolpho Selmi no comando

Dez anos depois, o macarrão Gallo já era o preferido entre os imigrantes italianos no Brasil. Com a expectativa de grande futuro para os negócios, o filho mais velho de Adolpho, Aladino Selmi, formou-se em contabilidade.

Em 1931, a fábrica mudou para a Rua Francisco Teodoro, na Vila Indústria. Três anos depois, o primeiro macarrão de sêmola foi lançado por Selmi. Com o passar dos anos, Aladino passou a comandar a empresa, com a colaboração de seus filhos, Renato, Luciana e Regina.

No ano de 1939, novas máquinas foram importadas da Itália para aprimorar a produção e a Selmi se consolidava no mercado regional. Aladino Selmi se tornou definitivamente proprietário da empresa, em sociedade com o filho Renato Selmi. Aos 18 anos, Renato já dominava o processo de fabricação, aprendido quando era auxiliar de produção.

Venda de ações possibilitou modernização da fábrica

Novas instalações e produtos

Com Aladino no comando, a empresa passou a se chamar Pastificio Selmi S/A, em 1956. Na mesma época, uma nova planta da fábrica foi projetada, para abrigar produção, moinho e área administrativa.

O moinho para beneficiar os grãos de trigo foi comprado em 1962, mesmo ano em que Aladino Selmi fundou o Banco Cidade de Campinas. As vendas de ações possibilitaram o aumento da produção e a inauguração da nova sede, na Avenida Mirandópolis, Vila Pompéia.

Também na década de 60, o Pastifício Selmi S/A inaugurou nova fábrica em Londrina-PR, de olho no mercado da região sul do país. A unidade era especializada na fabricação de massas como espaguete, ninho, penne e outros cortes.

Empresa lançou o primeiro macarrão de grano duro

Nasce a marca Renata

Na década de 70, Renato Selmi escolheu o nome de sua filha, neta de Adolpho Selmi, para batizar a farinha de trigo lançada pela Selmi. Surgiu assim a marca Renata.

Na época, o reconhecimento da empresa resultava em honrarias como a Medalha de Ouro e Diploma de Honra ao Mérito concedidos na cidade de Pistoia, na região da Toscana, na Itália. A terra-mãe reconhecia o esforço dos imigrantes italianos para o desenvolvimento de outros países.

Neta de Adopho emprestou nome aos produtos da Selmi

Já nos anos 80, a empresa fundada por Adolpho Selmi expandiu para mercados como Belo Horizonte, Rio de Janeiro, sul do país e interior de São Paulo. A empresa recebeu o XXII Prêmio Internacional de Alimentos e Bebidas, em Dusseldorf, na Alemanha, como reconhecimento pela excelência de seus produtos.

Na década de 90 a Selmi foi pioneira na fabricação de macarrão de grano duro no país. Outros investimentos levaram a empresa ao primeiro lugar em vendas de massas no Brasil e a inaugurar nova fábrica em Sumaré-SP. Foram lançados novo produtos, como a linha de biscoitos e de bolos prontos.

Desde a década de 2000 o Grupo Selmi passou a funcionar integralmente em Sumaré e segue em expansão. Em 2010, a empresa investiu mais de R$ 80 milhões para abrir uma nova fábrica no Nordeste.

Marca de Adolpho Selmi é esporte e solidariedade

A marca patrocina o Vôlei Renata, time de voleibol masculino de Campinas, que nesse ano chegou à semifinal da Superliga.

Equipe Vôlei Renata é destaque na Superliga

Em março, a empresa entregou cinco toneladas de macarrão ao Banco de Alimentos de Campinas, que durante a pandemia vem atendendo 139 entidades assistenciais e beneficiando cerca de 50 mil pessoas.

A equipe recebeu por três anos consecutivos o certificado solidário de doador permanente do Banco de Alimentos de Campinas. Em dez anos, a empresa doou 125 toneladas de alimentos não perecíveis.

Esse império, que se desdobra em diversas colaborações para a comunidade, foi construído a partir do sonho do imigrante Adolpho Selmi, de divulgar a massa italiana, primeiro entre conterrâneos e depois para todos os brasileiros.

Por Roberto Schiavon | Italianismo

E aí, gostou do artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e traga seus amigos, colegas e seguidores para a discussão. Em caso de dúvidas a respeito do assunto, não hesite em deixar seu comentário.

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Herança italiana

Schincariol e a capacidade de trabalho dos imigrantes italianos na construção das grandes empresas do Brasil

Herança italiana

A trajetória de Angelo Fantin se confunde com o desenvolvimento de Santa Catarina e é marcada pela construção da marca Parati, uma das principais...

Herança italiana

Italiano chegou ao Brasil em 1952 e criou uma marca que se tornou sinônimo de cadeados e fechaduras de qualidade

Herança italiana

Imigrante iniciou empresa que se tornaria uma marca conhecida por várias gerações de brasileiros

Herança italiana

Receita criada no interior de Minas Gerais em 1911 pelos italianos Mário e Isaíra Silvestrini conquistou o Brasil e se tornou enorme sucesso

Herança italiana

O italiano migrou para o Brasil em 1890. Aqui ele fundou um jornal, uma cervejaria e lançou a semente dos refrigerantes Cini.

Herança italiana

Nascido em Roma, em 1889, o jovem luthier Romeu veio para o Brasil para encontrar trabalho

Herança italiana

Vittorio Fasano chegou em 1890 e, nas décadas seguintes, sua família construiu uma bem sucedida rede de restaurantes e hotelaria de luxo

Herança italiana

O imigrante italiano Giovanni Marchesan chegou ao Brasil no final do século 19 e sua família fundou a maior empresa brasileira de implementos agrícolas

Herança italiana

Italiano aprendeu a trabalhar com peças de metal e revolucionou o mercado brasileiro, ao criar as balanças nacionais

Herança italiana

Inaugurada em 1908 por uma família de imigrantes italianos, a Casa Falci ajudou a erguer alguns dos principais monumentos históricos da capital mineira

Herança italiana

Os irmãos Carbone sabem o que é empreender. Giuseppe e Nicola chegaram ao Brasil para vender vinho e criaram a Companhia União de Refinadores...