Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Herança italiana

Giannini, o italiano que marcou gerações de músicos brasileiros

Fábrica de instrumentos musicais com mais de 120 anos de história é fruto do trabalho de Tranquillo Giannini, nascido na Toscana

giannini
Giannini, o italiano que marcou gerações de músicos brasileiros

O luthier italiano Tranquillo Giannini chegou ao Brasil em 1896 aos 20 anos e deixou sua marca em várias gerações de músicos.

Ele é responsável pela marca Giannini, que começou no ano de 1900 com a fabricação artesanal de violões em sua própria casa de 150 metros quadrados, localizada na Rua São João, região central de São Paulo.

Tranquillo Giannini nasceu na cidade de Lucca, em 8 de outubro de 1876. Hoje com 91 mil habitantes, a cidade fica na região da Toscana e na província de Lucca. É também terra natal do compositor de Óperas Giacomo Puccini.

Faça um passeio virtual por Lucca, na Toscana:

No Brasil, Giannini começou consertando violões para amigos e viu que os modelos eram todos importados. Assim, encarou o desafio de fabricar o instrumento. Mais do que isso, assumiu a missão de divulgar o violão na sociedade paulistana, que identificava o instrumento com a vida boêmia dos marginalizados, principalmente do Rio de Janeiro.

A empresa de Tranquillo, batizada pomposamente de “Grande Fábrica de Instrumentos de Cordas de Tranquillo Giannini – Ao Violão Moderno”, produzia inicialmente 2.500 violões por ano.

Traquillo Giannini, no centro da foto, sentado à frente de sua equipe

Nem revoluções impediram o crescimento da marca

Devido à qualidade de seus instrumentos, o empresário italiano começou a expandir os negócios. Na década de 20, as escolas de violão e as audições em casas de família deram impulso aos negócios e a fábrica ganhou um novo prédio, na Rua dos Gusmões, região central da cidade.

Apesar da queda nas vendas em 1924, devido à escassez de matéria-prima provocada pela Revolução Paulista, a empresa perseverou. Nessa fase, Giannini concentrou esforços na abertura de mercados e passou a distribuir em cidades de Curitiba, Belo Horizonte, Salvador e Recife.

Em 1930 a empresa mudou para uma instalação no bairro de Perdizes, na região oeste de São Paulo. Em meio a uma nova revolução, Giannini começou a aumentar a distribuição de violões pelo interior de São Paulo, em cidades como Jundiaí, Campinas, Ribeirão Preto, Santos e Sorocaba.

Com a experiência de duas revoluções em menos de 10 anos, Giannini estocou matéria-prima e, quando veio a Segunda Guerra Mundial, a empresa seguiu seu ritmo normal de crescimento.

Anúncio da Giannini na revista Pais e Filhos, em 1972

Antes disso, em 1938, Tranquillo montou uma pequena metalúrgica, para depender menos de importações de encordoamentos e tarraxas. Os encordoamentos, que eram usados somente para consumo próprio, passaram a ser vendidos no mercado em 1940.

Giannini se manteve sempre na família

Após a morte de Tranquillo, em 1952, a empresa passou a ser comandada por Stella Coen Giannini, com quem o italiano se casou em 1928. Como o casal não teve filhos, o sobrinho Giorgio Coen Giannini passou a se envolver nos negócios e assumiu a função de diretor comercial em 1956.

Empresa foi pioneira também na venda de encordoamentos

Na década de 60, a empresa viveu grande momento com movimentos musicais como Bossa Nova e Jovem Guarda. Foi nessa época que a Tranquillo Giannini S.A. passou a fabricar violões elétricos e a exportar seus instrumentos.

Na mesma época, a falta de amplificadores profissionais no Brasil proporcionou novo salto à empresa, que passou a fabricar equipamentos equivalentes aos melhores importados. Uma equipe especializada em eletrônicos foi contratada e começaram a surgir também as guitarras Gemini, Supersonic e Apollo.

Craviola conquista músicos do mundo todo

Em 1969, veio a criação da Craviola, ideia conjunta de Giorgio Giannini e do violonista Paulinho Nogueira. O instrumento exclusivo da Giannini, com som misturado de cravo e viola e shape diferenciado, ganhou o mundo e foi adotado por músicos como Jimmy Page e Andy Summers.

A Craviola, instrumento exclusivo da Giannini, conquistou o mundo

Na década de 70, a empresa vai para a Alameda Olga, onde ficou por 40 anos na Rua Carlos Weber, região da Vila Leopoldina, na Zona Oeste de São Paulo. Era uma área de 8 mil metros quadrados, onde trabalhavam 1000 colaboradores. Nessa década foi lançada uma linha completa de guitarras, contrabaixos, amplificadores, PAs e mixers.

Nos anos 80, a empresa investiu em marketing, na participação em feiras de instrumentos musicais e em novos instrumentos, como teclados e órgãos de uso doméstico. As exportações já chegavam a países como Estados Unidos, França, Itália e Alemanha.

Hoje a sede da empresa fica em uma área de 240 mil metros quadrados em Salto-SP e é dirigida pelos irmãos Flávio e Roberto Giannini, filhos de Giorgio Giannini, que morreu no dia 16 de outubro de 2018.

Na década de 80, a empresa diversificou sua linha de produtos

Marca faz parte da formação dos músicos brasileiros

É difícil encontrar um músico brasileiro que não tenha alguma memória afetiva ligada à Giannini, principalmente nas décadas de 70 a 90, quando instrumentos importados não eram encontrados tão facilmente.

O empresário Paulo Santoro Camargo, que nas décadas de 80 e 90 tocou contrabaixo em bandas de baile e de som autoral em Araraquara, interior de São Paulo, lembra que o baixo Giannini Stratosonic era objeto de desejo de jovens instrumentistas. “Usei algumas vezes também o contrabaixo modelo Rickenbacker da Giannini, que foi emprestado por um amigo baixista. Era um instrumento muito bom”, destaca.

Amplificador Giannini valvulado dos anos 60

O músico Rodrigo Lanceloti, guitarrista, vocalista e compositor em vários projetos e membro da banda solo de Nasi, ex-vocalista da banda Ira, conheceu a Giannini por meio de seu avô, que consertava sanfonas e recebeu um violão como pagamento.

“Na mesma época era realizado o primeiro Rock in Rio e meu vizinho tocava uma Giannini SG Custom. Comecei a gostar de rock e ficava espiando de cima do telhado. Aquela guitarra era meu sonho de consumo”, diz o músico, nascido em São Carlos-SP.

Nos anos seguintes, ele possuiu duas guitarras Giannini Sonic e um contrabaixo Giannini Stratosonic. “Sou fã da história e da glória da Giannini. Vários guitar heroes brasileiros usavam, principalmente a Supersonic, como Lanny Gordin e Pepeu Gomes. Nos anos 80 o mestre [Edgard] Scandurra imortalizou riffs e hits com sua Supersonic 1962”.

Ele lembra ainda de um amplificador True Reverb da Giannini, que conheceu em um ensaio da banda são-carlense Rocha Sólida. “Quando toquei nele pela primeira vez foi alucinante. Aquele som cristalino nunca mais encontrei e já toquei em Fenders, Marshalls, Vox. Dizem que a Giannini imitava os amplificadores importados, mas fazia melhor”.

Dia Nacional do Luthier homenageia Tranquillo Giannini

Em outubro de 2019, a Câmara dos Deputados aprovou a criação do Dia Nacional do Luthier, comemorado todo dia 8 de outubro, data de nascimento de Tranquillo Giannini.

Apesar de altos e baixos no mercado de instrumentos musicais, a Giannini segue como maior marca de instrumentos musicais da América Latina. Fruto do trabalho daquele imigrante italiano com habilidade na fabricação de violões artesanais e que sonhava em valorizar o instrumento no país.

Por Roberto Schiavon | Italianismo

E aí, gostou do artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e traga seus amigos, colegas e seguidores para a discussão. Em caso de dúvidas a respeito do assunto, não hesite em deixar seu comentário.

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Herança italiana

Schincariol e a capacidade de trabalho dos imigrantes italianos na construção das grandes empresas do Brasil

Herança italiana

A trajetória de Angelo Fantin se confunde com o desenvolvimento de Santa Catarina e é marcada pela construção da marca Parati, uma das principais...

Herança italiana

Italiano chegou ao Brasil em 1952 e criou uma marca que se tornou sinônimo de cadeados e fechaduras de qualidade

Herança italiana

Imigrante iniciou empresa que se tornaria uma marca conhecida por várias gerações de brasileiros

Herança italiana

Receita criada no interior de Minas Gerais em 1911 pelos italianos Mário e Isaíra Silvestrini conquistou o Brasil e se tornou enorme sucesso

Herança italiana

O italiano migrou para o Brasil em 1890. Aqui ele fundou um jornal, uma cervejaria e lançou a semente dos refrigerantes Cini.

Herança italiana

Nascido em Roma, em 1889, o jovem luthier Romeu veio para o Brasil para encontrar trabalho

Herança italiana

Vittorio Fasano chegou em 1890 e, nas décadas seguintes, sua família construiu uma bem sucedida rede de restaurantes e hotelaria de luxo

Herança italiana

O imigrante italiano Giovanni Marchesan chegou ao Brasil no final do século 19 e sua família fundou a maior empresa brasileira de implementos agrícolas

Herança italiana

Italiano aprendeu a trabalhar com peças de metal e revolucionou o mercado brasileiro, ao criar as balanças nacionais

Herança italiana

Inaugurada em 1908 por uma família de imigrantes italianos, a Casa Falci ajudou a erguer alguns dos principais monumentos históricos da capital mineira

Herança italiana

Os irmãos Carbone sabem o que é empreender. Giuseppe e Nicola chegaram ao Brasil para vender vinho e criaram a Companhia União de Refinadores...