Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Herança italiana

Rosquinhas Mabel foram criadas por irmãos italianos

Os irmãos Scodro chegaram ao Brasil após a Segunda Guerra Mundial e criaram a rosquinha que marcou gerações de brasileiros

mabel
Rosquinhas Mabel foram criadas por irmãos italianos, Nestore (foto) e Udélio Scodro

As rosquinhas Mabel, que fizeram grande sucesso no Brasil, foram criação dos irmãos italianos Nestore e Udélio Scodro. Eles vieram da região do Vêneto.

Os irmãos Nestore e Udélio nasceram em uma pequena cidade chamada Crespano Del Grappa, localizada na província de Treviso, na região do Vêneto.

Crespano Del Grappa durante o inverno, na década de 1940

Ainda muito jovens, os irmãos resolveram sair da Itália logo após a Segunda Guerra Mundial, para buscar oportunidades no Continente Americano, assim como milhares de imigrantes italianos faziam naquela mesma época.

Primeiro veio Udélio Scodro, que chegou em 1947. Dois anos depois, em 1949, ele convidou seu irmão, Nestore Scodro, que chegou aos 19 anos ao Brasil. Na Itália, Nestore Scodro era antifascista e havia lutado contra as tropas de Benito Mussolini e do nazista Adolf Hitler. Era músico, um virtuose do violino.

Ao chegar ao novo país, Nestore pensou inicialmente em se firmar como músico erudito. Chegou inclusive a tocar em orquestras de baile. No entanto, acabou desistindo da música e, junto com o irmão, entrou no negócio de montagem e venda de fornos e outros equipamentos para padarias na cidade de Mococa, interior do estado de São Paulo.

Nestore Scodro também é um grande violinista | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção 

O acaso e as rosquinhas Mabel

Assim como quase toda boa história de sucesso, o início da fabricação das rosquinhas Mabel aconteceu por acaso. Um dia os irmãos foram entregar um dos fornos e o cliente não pagou. Assim, resolveram assar uma receita de deliciosas rosquinhas de coco que haviam trazido da Itália.

No início, as rosquinhas eram para consumo próprio, apenas para o lanche de fim de tarde dos funcionários. Mas fizeram tanto sucesso que o forno nunca mais parou. Em 1953, os irmãos Scodro fundaram as rosquinhas Mabel em Ribeirão Preto, cidade distante 113 quilômetros de Mococa.

Somente em 1962 a empresa inaugurou sua primeira fábrica, que produzia no máximo 500 quilos de rosquinhas e biscoitos por dia. Até 1967, os irmãos vendiam as guloseimas em uma pequena frota de kombis. Foi nessa época que profissionalizaram a empresa.

Nos anos seguintes, as rosquinhas Mabel caíram no gosto popular e rapidamente se transformaram em sucesso de mercado e presença obrigatória nos lanches escolares das crianças.

No ano 2000, a Mabel fabricou 4,7 milhões de toneladas de biscoitos | Foto: Silvio Simões

Rosquinhas Mabel ganham primeira fábrica

No ano de 1975, foi inaugurado seu primeiro parque industrial em Aparecida de Goiânia, no estado de Goiás. Nas décadas seguintes, a Mabel diversificou sua linha de produtos com o lançamento de biscoitos amanteigados, bolachas salgadas, biscoitos wafers e bolachas recheadas, que rapidamente conquistaram milhões de consumidores no Brasil e em outros países.

No ano 2000, a empresa fabricou 4,7 milhões de toneladas de biscoitos, o que a colocou como quarta maior indústria desse seguimento alimentício no país. Mas o ano de um recorde positivo para a empresa traria também uma tragédia. Uma queda de avião causou as mortes de Udélio Scodro, seu filho Cláudio, diretor-superintendente da empresa, e outros três diretores do grupo.

Nos anos seguintes, o grande sucesso da Mabel já começava a atrair a atenção de empresas multinacionais do setor, que faziam as primeiras ofertas de compra. Em 2001, Nabisco e Danone tentaram fechar negócio. No ano seguinte, foi a vez da toda poderosa Nestlé. Mas a Mabel seguia resistindo e preferia seguir trilhando seu caminho de êxito por conta própria.

E os passos seguintes foram de inovação, com o lançamento de novidades, como as novas versões de sua famosa rosquinha, que chegaram ao mercado em 2006: Rosca Banana e Canela e Rosca Leite.

A partir dos anos 2000, a empresa passou a diversificar ainda mais seus produtos

Diversificação de produtos

Além disso, a marca se antecipou à tendência do mercado de lançar produtos infantis, com a linha Mabelokos, incluindo biscoitos recheados estampados com personagens animados, como os simpáticos monstrinhos Lupy, Fred e Choby. Nos anos seguintes, a linha infantil estamparia em suas embalagens personagens da série Simpsons e dos filmes Kung Fu Panda e Rio

Outra novidade foi a linha premium Sonho Meu, composta por 10 produtos com foco em versões nobres do sabor chocolate e voltada ao público adulto, também livre de gordura trans. Esses produtos atendiam consumidores preocupados com qualidade de vida e que tinham paladar refinado. A marca ampliou suas categorias de produtos, lançando batatas fritas e até salgadinhos de milho.

Em 2009, a Mabel apresentou ao mercado nacional uma linha de rosquinhas, cookies e bolachas salgadas em sete sabores e embalagens individuais com apenas 100 calorias. Além disso, a empresa investiu R$ 10 milhões em marketing e colocou no mercado 18 novos produtos, como o cream cracker sabor manteiga de garrafa, específico para ser vendido na região nordeste do país.

O grupo possui fábricas em quatro estados brasileiros

Fim de uma era

Finalmente, em novembro de 2011, após diversas tentativas de grandes empresas comprarem a Mabel, a empresa norte-americana PepsiCo acabou adquirindo o grupo empresarial brasileiro por cerca de R$ 800 milhões. Com isso, a Mabel ganhou ainda mais poder de distribuição.

Nos anos seguintes, as novidades seguiram sendo lançadas, como os sequilhinhos, ou relançadas, como a linha de waffles Mirabel, os famosos lanchinhos de 40 gramas que fizeram sucesso nas décadas de 1980 e 1990. As rosquinhas ganharam versões com coberturas de glacê, nos sabores torta de limão, torta de maracujá e coco com leite condensado.

Atualmente, a empresa possui fábricas em quatro estados brasileiros: Goiás, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Sergipe. A Mabel está presente em 20 países e tem faturamento estimado em R$ 500 milhões e capacidade de produzir mais de 1 milhão de pacotes de biscoitos por dia.

Uma vida cheia de realizações

Entrada da fábrica da Mabel em Aparecida de Goiás

Em 1998, Nestore Scodro se mudou para Miami, nos Estados Unidos. Ele poderia aproveitar uma vida de aposentado, mas decidiu abrir uma empresa de distribuição de biscoitos e fabricação de salgadinho de milho com a marca Skinny.

Em 2017 foi lançado em Goiás o livro “O Bom e Velho Jeito de Empreender”, da jornalista Raquel Pinho. A obra conta a saga dos irmãos Nestore e Udélio Scodro, incluindo parte da infância na Itália e todas as aventuras no Brasil até se tornarem megaempresários no ramo dos produtos alimentícios.

A biografia de Nestore Scodro foi lançada em 2017

Nestore Scodro segue vivo, aos 91 anos. É viúvo de Maria Luiza Scodro, com quem se casou no início da década de 1950, falecida em fevereiro deste ano. E pai de Sandro, Sônia e Sérgio. Sandro seguiu à frente da Mabel após o pai se mudar para os Estados Unidos até a venda para a PepsiCo.

As rosquinhas Mabel marcaram a infância de três gerações de brasileiros, que nunca mais se esqueceram do sabor dessa guloseima criada por dois irmãos italianos. Mais uma colaboração enorme para a indústria brasileira com o fruto do trabalho dos imigrantes italianos.

Por Roberto Schiavon/Italianismo

E aí, gostou do artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e traga seus amigos, colegas e seguidores para a discussão. Em caso de dúvidas a respeito do assunto, não hesite em deixar seu comentário.

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Mais de Italianismo

Herança italiana

O jovem italiano veio para o Brasil no final do século 19 e construiu uma das mais tradicionais empresas do país

Herança italiana

O italiano Antônio Bardella veio aos seis anos para o Brasil e abriu uma oficina que se transformou em uma das mais poderosas indústrias...

Herança italiana

Família de Santo Cereser construiu uma marca quase centenária, que conquistou gerações de brasileiros

Herança italiana

Imigrantes do Vêneto criaram a milionária rede de restaurantes Frango Assado, a partir de uma barraca de frutas na Via Anhanguera

Herança italiana

Nello Mazzaferro é o exemplo clássico da força de trabalho dos oriundi no Brasil

Herança italiana

Cristóforo Randon chegou no final do século 19 e deu início à história de um grupo gigante de soluções para o transporte

Herança italiana

O italiano Giuseppe Cutrale chegou ao Brasil na década de 1930 e deu início a uma das empresas mais fortes da indústria brasileira

Herança italiana

A chegada de Giuseppe e Maria Bellini ao Brasil em 1895 marcou o início de uma aventura que resultou na criação de uma das...

Herança italiana

As famílias Ponzoni, Brandalise e Fontana fizeram história no país com a Perdigão e a Sadia e hoje as marcas estão unidas em dezenas...

Herança italiana

Schincariol e a capacidade de trabalho dos imigrantes italianos na construção das grandes empresas do Brasil

Herança italiana

A trajetória de Angelo Fantin se confunde com o desenvolvimento de Santa Catarina e é marcada pela construção da marca Parati, uma das principais...

Herança italiana

Italiano chegou ao Brasil em 1952 e criou uma marca que se tornou sinônimo de cadeados e fechaduras de qualidade