Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo
italiana leonardo
Francesco Moliterni, presidente da italiana Leonardo no Brasil

Itália no Brasil

‘Queremos desenvolver produtos no Brasil’, diz italiana Leonardo

Atualmente, a Leonardo possui cinco divisões: helicópteros, aviões, estruturas aéreas, eletrônica e segurança cibernética

Presente no Brasil há mais de 40 anos, a empresa italiana Leonardo vem investindo para ampliar sua presença no país e promover um portfólio que vai de soluções para cidades inteligentes até caças militares de última geração.

O exemplo mais recente é a inauguração de um centro de manutenção de helicópteros em Itapevi, na Grande São Paulo, fruto de um aporte de cerca de R$ 60 milhões e cujo objetivo é dar suporte operacional e logístico aos clientes do grupo.

“É uma obra muito importante porque é um testemunho de como a Leonardo acredita muito no Brasil”, conta Francesco Moliterni, presidente da multinacional italiana no país, em entrevista à ANSA.

Ao mesmo tempo, a empresa trabalha para fortalecer seu centro de manutenção de helicópteros no Rio de Janeiro, que dá suporte à Marinha brasileira, e seu escritório em Brasília, responsável por coordenar as atividades na América Latina.

“A pandemia não atrapalhou nossos projetos, a gente está avançando muito”, acrescenta Moliterni, que tem viajado por todo o Brasil para conhecer de perto sua base industrial e promover o portfólio da Leonardo.

O nome da empresa, aliás, não é coincidência: antiga Finmeccanica, a companhia foi rebatizada em janeiro de 2017 para homenagear o gênio renascentista Leonardo da Vinci, que, mais do que um pintor virtuoso, foi um polímata cujos interesses abarcavam os mais diversos campos do conhecimento.

Atualmente, a italiana Leonardo possui cinco divisões (helicópteros, aviões, estruturas aéreas, eletrônica e segurança cibernética), com uma ampla gama de produtos e soluções para os setores de defesa, aeroespacial e de segurança.

A principal delas é a de helicópteros, responsável por cerca de 30% do faturamento em 2020 e com mais de 15 mil unidades entregues desde 1950. Dessas, mais de 500 estão em operação atualmente na América Latina, sendo 190 no Brasil , das quais 120 em São Paulo.

Viagens pelo Brasil

No entanto, apesar do poderio no setor de helicópteros, Moliterni diz que seu objetivo é desenvolver todo o portfólio da Leonardo no Brasil, que é visto pelo grupo italiano como uma base industrial para toda a América Latina.

O executivo cita como exemplo de sucesso o caça de ataque AMX, desenvolvido na década de 1980 em conjunto com a Embraer. “É um motivo de grande orgulho e uma prova de que o italiano sabe trabalhar muito bem com o brasileiro”, diz.

Moliterni conta que tem viajado muito pelo Brasil para conhecer seu parque industrial, além de universidades e centros de pesquisa – a Leonardo investe 15% de sua receita anual em pesquisa e desenvolvimento.

Apenas nos últimos meses, o presidente já passou por São José dos Campos, Porto Alegre, Bahia, Recife, entre outros. “O Brasil é gigantesco”, brinca. De acordo com o executivo, ele ficou “muito impressionado” com o alto nível de capacidade visto na indústria brasileira e com a qualidade dos centros de pesquisa.

“Estamos avançando muito para ter vários parceiros, porque queremos desenvolver produtos aqui no Brasil. A Leonardo está disponível para fazer parcerias com empresas brasileiras em vários setores, porque não somos só defesa. A Leonardo é segurança, é espaço, é saúde, é meio ambiente”, ressalta.

Produtos e soluções

Em suas apresentações pelo Brasil, a Leonardo tem promovido produtos como o C-27J, um avião tático que pode ser usado em combate a incêndios e outras missões de proteção civil. A aeronave opera na América Latina há bastante tempo e integra a Força Aérea do Peru, que a usou para transportar doentes durante a pandemia de Covid-19.

Além disso, a empresa fez recentemente um workshop para bombeiros do Distrito Federal para apresentar o conceito de um centro operacional para prevenção de emergências. Essa solução utiliza sistemas integrados de comando, controle e comunicação para garantir a coordenação entre aviões, helicópteros e satélites, bem como dos vários atores envolvidos em ações do tipo.

Outra aposta da Leonardo é no conceito de cidades inteligentes. Em junho passado, a empresa assinou um memorando de cooperação com outras duas gigantes italianas – TIM e Enel X – para levar essa ideia aos municípios brasileiros.

Um projeto-piloto já está em curso em Maricá (RJ) e mira transformar a cidade em um laboratório de tecnologias de ponta e soluções para áreas como mobilidade urbana, conectividade, transformação digital, serviços financeiros, energia, segurança e saúde.

“Estamos apresentando o conceito de cidade inteligente para várias prefeituras e vários governos”, diz Moliterni, que prevê novidades para o ano que vem. Maricá também vai ganhar em breve o maior teleporto da América Latina, cujas obras já foram iniciadas pela Telespazio, subsidiária da Leonardo. (Ansa)

* * * * *

Gostou do artigo? Então comente ou compartilhe nas suas redes sociais.

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Arte & Cultura

O Instituto Italiano de Cultura (IIC) de São Paulo realiza um curso online para estudantes brasileiros que queiram aprender mais sobre a escultura na...

Cotidiano

Leonardo testa drone que transporta mercadorias de até 25kg.

Negócios

As generosas empresas italianas que recompensaram funcionários durante a pandemia.

Negócios

Segundo embaixador italiano, esse tipo mecanismo existe entre Itália e um número limitado de países Deixa o seu comentário:

Itália no Brasil

Empresa Nice, que atua no segmento de automação, segurança e inteligência residencial, começa a operar em Santa Rita do Sapucaí Deixa o seu comentário: