Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

Italianismo

Cotidiano

“População da Itália cairá pela metade até 2100”, diz Lancet

população da Italia
Itália deve perder metade da população até 2100, diz Lancet | Shutterstock

Atualmente a Itália tem 60.244.639, e em 80 anos, a população será de aproximadamente 30,5 milhões

A população da Itália cairá pela metade em 2100. É o que diz um estudo publicado na revista científica  ‘The Lancet‘.

Atualmente a Itália tem 60.244.639, e em 80 anos a população será de aproximadamente 30,5 milhões.

Os especialistas relatam que até 2100, dos 195 países do mundo envolvidos no estudo, 183 não terão taxas de fertilidade altas o suficiente (estando abaixo do nível de reposição de 2,1 nascimentos por mulher) para manter as populações atuais sem políticas de imigração.

Para a Itália, a taxa de fertilidade total é estimada em 1,2. Na Polônia em torno de 1,17.

Especificamente, a população da Itália, que já deixou para trás o pico de 61 milhões de habitantes alcançado em 2014, será dizimada ao longo do século. 

Destino compartilhado com a Espanha (de 46 milhões em 2017 para cerca de 23 milhões de pessoas em 2100). 

Efeitos econômicos? 

Embora o Reino Unido, a Alemanha e a França devam permanecer entre os 10 principais países por PIB, no final do século a Itália e a Espanha devem cair no ranking: da nona e 13ª maior economia global em 2017, eles cairão para o 25º e 28º lugares, respectivamente em 2100.

Afinal, as previsões dos especialistas apontam para a população do Reino Unido crescendo de cerca de 67 milhões em 2017 para cerca de 71 milhões em 2100. Com uma expectativa de vida que era de 81 anos em 2017, e deverá aumentar para quase 85 em 2100.

Entre os 23 países que terão suas populações reduzidas pela metade, também existem realidades como o Japão (de 128 milhões para 60 milhões) ou a Tailândia. 

Em Portugal em 2100 poderia haver apenas 5 milhões de pessoas. Mas também são esperadas quedas drásticas na população em idade ativa em países como Índia e China, “o que prejudicará o crescimento econômico”, apontam os especialistas.

“Este estudo oferece aos governos de todos os países a oportunidade de começar a repensar suas políticas de migração, trabalho e desenvolvimento econômico para enfrentar os desafios colocados pelas mudanças demográficas”, observa Christopher Murray, diretor do diretor do IHME – Institute for Health Metrics and Evaluation.

“O declínio da população pode ser bom para reduzir as emissões de carbono e menos estresse no sistema alimentar”, diz Stein Emil Vollset, primeiro autor do artigo.

“Mas nossos resultados sugerem que o declínio no número de adultos em idade produtiva apenas reduzirá as taxas de crescimento do PIB e poderá ocasionar grandes mudanças no poder econômico global até o final do século. Responder ao declínio populacional provavelmente se tornará uma grande preocupação política em muitas nações ”, conclui Vollset.

A reportagem original, e em inglês, pode ser lida aqui: The Lancet.

LEIA TAMBÉM

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Cotidiano

Cada vez mais, Mario Draghi parece estar falando por toda a Europa, segundo o NY Times.

Cotidiano

Draghi pede ao Comitê Técnico Científico os protocolos para os setores que podem reabrir primeiro.

Cotidiano

Bônus deve ser gasto mensalmente nas farmácias da cidade. Projeto vai atender 100 famílias.

Esporte

Apesar dos poucos gols, o time italiano não teve nenhuma grande dificuldade durante a partida

Esporte

Partida entre Bulgária e Itália é válida pela segunda rodada na fase de grupos; saiba onde assistir ao vivo e escalações

Cotidiano

Desequilíbrio só é inferior ao recorde de 1918, durante a epidemia espanhola

Cotidiano

Declaração foi dada por ocasião do dia da memória de vítimas

Vida & Estilo

O Relatório de Felicidade Mundial 2021 foi lançado na sexta-feira. Itália ocupa o 28º lugar e o Brasil o 35º