Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Itália no Brasil

Itália prolonga suspensão de voos vindos do Brasil

Itália voos Brasil
Itália prolonga suspensão de voos vindos do Brasil | Aeroflap

O ministro da Saúde da Itália, Roberto Speranza, anunciou neste sábado (30) que suspenderá por mais 15 dias os voos vindos do Brasil.

A medida é para evitar a entrada da nova cepa que surgiu no norte do país.

O ministro italiano da Saúde, Roberto Speranza, anunciou neste sábado (30) que suspenderá por mais 15 dias os voos vindos do Brasil, para evitar a chegada da nova cepa que surgiu no norte do país.

A suspensão poderá ser renovada, disse um porta-voz do ministro. Segundo Speranza, o decreto também proíbe a entrada na Itália de todas as pessoas que estiveram no Brasil nos últimos dias 14 dias.

O ministro anunciou a decisão no Facebook e acrescentou que a Itália “continuará a acompanhar a situação com prudência“.

Flexibilização de medidas  

A Itália decidiu nesta sexta-feira (29) diminuir as restrições contra o coronavírus em algumas regiões, apesar dos alertas de especialistas em saúde pública.

Apúlia, Sardenha, Sicília, Umbria e a província autônoma de Bolzano passarão a partir de domingo (31) ao nível de alerta “laranja” (risco médio), enquanto o resto do país passará para o nível “amarelo”, segundo o Ministério da Saúde.

O nível amarelo permite a abertura de bares, cafés e restaurantes durante o dia e flexibiliza circulação entre as regiões.

Além disso, os museus podem reabrir, mas apenas durante a semana.

A flexibilização contraria a tendência geral dos demais países europeus de implementar medidas mais severas.

A Organização Mundial de Saúde alertou na quinta-feira que é “muito cedo” para suspender algumas medidas, devido à presença “ainda muito elevada” do vírus. “Sim, a Itália vai contra a tendência geral”, reconheceu Walter Ricciardi, especialista em saúde pública e assessor do Ministério da Saúde sobre a pandemia.

Alta taxa de incidência

Segundo o especialista, as medidas restritivas adotadas na itália durante o Natal e o Ano Novo ajudaram a estabilizar os números do vírus, sem reduzi-los.

A Itália é um dos países mais afetados pelo coronavírus, com mais de 87.858 mortes e uma recessão recorde.

De acordo com o GIMBE, um grupo de especialistas independentes, a Itália registrou 799 casos de vírus por 100.000 habitantes entre 20 e 26 de janeiro – uma taxa de incidência que indica descontrole sobre a epidemia. (Com informações da AFP

E aí, gostou do artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e traga seus amigos, colegas e seguidores para a discussão. Em caso de dúvidas a respeito do assunto, não hesite em deixar seu comentário.

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Mais de Italianismo

Cotidiano

98,8% das mortes desde fevereiro não haviam concluído o ciclo de vacinação

Cotidiano

Itália tem menor número de mortes por Covid em quase 11 meses

Cotidiano

Nova Alitalia decolará em outubro com outro nome, igual ao de uma companhia brasileira

Comer e beber

Beber um bom vinho durante as refeições ou no fim do dia é o capricho de muita gente, sem contar as pessoas que acham...

Cotidiano

Os dados foram contabilizados até 7 de junho, quando 38.178.684 doses haviam sido administradas no país.

Cotidiano

A partir desta quinta-feira (3), todos os italianos elegíveis poderão fazer o agendamento da vacinação anti-Covid. Deixa o seu comentário:

Cotidiano

Veto de pessoas que tenham transitado por Brasil, Bangladesh, Índia ou Sri Lanka é prorrogado até o dia 21 de junho.

Cotidiano

A queda no risco é progressiva a partir de 14 dias após a primeira dose e atinge o máximo a partir dos 35 dias.

Cotidiano

Itália prorroga medidas restritivas para viajantes do Brasil devido à covid.

Cotidiano

O Itália prorrogou mais uma a proibição de voos vindos do Brasil por conta da variante do coronavírus Sars-CoV-2. Deixa o seu comentário:

Cotidiano

Futuro do turismo dependerá do reconhecimento dos imunizantes de China e Rússia por destinos mais populares.

Cotidiano

"Encorajamos fortemente os Estados-membros a aplicar estas medidas mais restritivas"