Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Cidadania Italiana

Imigrantes chineses de 2ª geração na Itália não querem a cidadania

Que sentido faz para mim me tornar italiana? Imigrantes se sentem desconectados da comunidade local.

Imigrantes chineses Itália
Imigrantes chineses de 2ª geração na Itália não querem a cidadania | Foto: Donna Moderna

“Nasci e cresci na Itália, mas ainda sou vista como uma estranha devido à minha aparência física”, diz Giorgia Gao. “Que sentido faz para mim me tornar italiana?”

A chinesa, de 18 anos, é estudante em Prato, a cidade italiana com a maior percentagem de residentes chineses entre a população local (14,3%).

Os habitantes chineses da cidade toscana sentem-se desconectados da comunidade local, apesar das raízes que remontam a mais de 40 anos, devido a tensões não resolvidas que causam mal-estar social.

Agora, porém, diz o sociólogo Fabio Bracci, “eles estão tentando viver um período de normalização” porque os atritos “parecem ter diminuído” graças à menor exploração do debate público para fins de propaganda pela direita conservadora da Itália.

Mas poucos entre as jovens gerações de estrangeiros chineses nascidos na Itália buscam a mudança de nacionalidade.

Estudantes chineses entrevistadas no Instituto Gramsci-Keynes em Prato | Michele Calamaio/Euronews

Um projeto de lei, Ius Scholae, visa facilitar ao conceder direitos de cidadania aos filhos de imigrantes que, por pelo menos cinco anos, frequentaram uma escola que faz parte do sistema educacional nacional da Itália. Isso se aplicaria aos nascidos no país ou aos que se estabeleceram no país antes dos 12 anos e poderia beneficiar 877 mil alunos ou cerca de 10% de toda a população escolar.

No entanto, embora tenha sido aprovado por uma comissão parlamentar no início deste ano, ainda não foi apresentado ao plenário da Câmara dos Deputados e com a chegada recente ao poder da primeira-ministro Giorgia Meloni, a reforma da lei de cidadania não é mais uma prioridade política.

‘Talvez no futuro’

Gao disse que outro argumento contra a reivindicação da cidadania italiana é que “a nacionalidade chinesa dá mais vantagens administrativas”.

A colega de classe Angela Ye, outra estudante chinesa do ensino médio também nascida na Itália, está disposta a considerar mudar de nacionalidade.

“Talvez no futuro”, disse a jovem de 18 anos à Euronews. “Mas eu precisaria primeiro mudar minha percepção do meu entorno, pois hoje em dia minha cultura mãe com a qual convivo em casa ainda é mais forte do que minha ligação cotidiana com o território local”.

Segundo Marco Wong, membro da Câmara Municipal de Prato, o problema de raiz deriva em parte do fato de a China não reconhecer a dupla nacionalidade, criando assim um ambiente hostil de “traição aos próprios valores”, caso um chinês se aproxime da burocracia italiana.

“As primeiras gerações têm uma ligação sentimental com a China”, explicou Wong, “mas as tradições do país foram transmitidas visceralmente às segundas gerações, que decidem permanecer ancoradas na cidadania chinesa, apesar dos fortes laços com o território italiano”.

Eventos multiculturais organizados por associações que visam promover a integração e erradicar a discriminação racial, como a Associna, tornam-se, assim, oportunidades cruciais para promover conexões.

“A osmose entre as duas comunidades para silenciar os estereótipos é possível se começar de baixo”, diz Zhiyuan Liu, tesoureiro da associação, “porque o Ius Scholae sozinho não pode eliminar os efeitos de anos de multiculturalismo fracassado”.

Marco Baccani, mediador cultural da escola local, destacou outro fenômeno peculiar: “O duplo desenraizamento” das segundas gerações chinesas nascidas na Itália. 

Durante o período escolar primário, seus pais costumam enviá-los para a casa de seus avós na China para alguns estudos, considerados necessários para que aprendam a cultura chinesa. Eles eventualmente se reencontram com seus pais para o ensino médio, mas então se lembram pouco da língua italiana.

Os maiores desafios para as escolas e para a comunidade local, disse Baccani, são eliminar “a disparidade de habilidades criada por essa ‘dupla migração’” e “o trauma desse desconforto psicológico, um fardo que leva à estigmatização da comunidade chinesa”. 

Nesse cenário, os cidadãos chineses não se sentem compelidos a assimilar a cultura italiana, enquanto a comunidade italiana se sente empoderada para excluir as novas gerações de chineses.

Barreira de língua

Nesse contexto complicado, o sistema educacional italiano não é solidário. 

Cidadãos estrangeiros devem ter um certificado de nível A2 em italiano para obter uma autorização de residência na Itália, mas as diretrizes do Ministério da Educação para estudantes estrangeiros com italiano como segunda língua não especificam o nível de idioma exigido. Eles simplesmente indicam “cerca de 8 a 10 horas por semana durante 3 a 4 meses”. 

Isso torna difícil para os professores nas escolas de Prato facilitar a transição com um grande número de alunos por turma e uma variedade de níveis de idioma. 

Segundo Stefania Cara, professora de italiano para alunos estrangeiros no Instituto Gramsci-Keynes, “sem o nível de italiano B1, é impossível acompanhar as aulas”. 

O professor acrescentou que em Prato os alunos chineses representam mais de 60% do total de alunos estrangeiros, sendo que aquela província tem a maior proporção de alunos estrangeiros do país entre todos os matriculados (28%).

Entre 2017 e 2020, a Direção Escolar do Território de Prato registou um total de 1.988 alunos estrangeiros inscritos, uma média de 497 por ano. Esses alunos devem ser distribuídos entre as classes, com uma regra governamental ditando que a parcela de cidadãos não italianos não deve exceder 30% por classe. 

Isso é frequentemente ignorado nas escolas de Prato. Segundo as estatísticas, mais de 50% dos alunos em oito escolas primárias de Prato eram estrangeiros em 2018. 

De acordo com a conselheira da Cultura de Prato, Simone Mangani, outros serviços de cidadania também – como o acesso à saúde pública –- não estão igualmente disponíveis para a comunidade chinesa. 

“Se estivéssemos em um regime legislativo de Ius Soli [cidadania por primogenitura] ou pelo menos Ius Scholae”, disse ele, “os indivíduos poderiam ser livres para abraçar um conceito de cidadania, livre da manipulação política atual”.

Baccani, o mediador cultural da escola, é da mesma opinião. “É preciso fazer com que os italianos aprendam chinês e vice-versa, num processo de percepção das necessidades uns dos outros para um processo válido de integração e adoção cultural”. 

O diretor Pollini também não tem dúvidas de que Ius Scholae seria útil: “Gostaria que as escolas sempre tivessem um papel de liderança para serem o verdadeiro motor do país”.

Siga o Italianismo no Instagram

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Cotidiano

Pontremoli lança programa “Residentes do Futuro” para estimular novos moradores.

Cidadania Italiana

Congresso terá presença de figuras relevantes do judiciário italiano, do Ministério do Interior e da Procuradoria Geral do Estado

Cidadania Italiana

Especialistas se reúnem em Padova para discutir os desafios e implicações da cidadania italiana para descendentes.

Cidadania Italiana

Da Itália à Espanha: A jornada de Riccardo Consoli em busca de um futuro mais acolhedor.

Cotidiano

Porta critica atuação governamental na demora e ineficácia das negociações do Acordo de Conversão de CNH entre o Brasil e a Itália

Cotidiano

Enel mancha a reputação italiana no Brasil devido a constantes falhas no fornecimento de energia em São Paulo

Economia

Tesla explora potencial da fabricação de veículos elétricos na Itália: Caminhões e vans na pauta, dizem jornais

Cotidiano

Estudo assoalhar quantos estrangeiros vivem em Verona e nos municípios da província.

Viagem e Turismo

Prefeito também justificou nova taxa de acesso à cidade.

Cotidiano

O Ministério do Interior da Itália reforçou neste sábado (23) a segurança em diversos pontos do país.

Arte & Cultura

Cônsul Caruso destacou que 'criar valor está no DNA da cidade'

Arte & Cultura

Público terá acesso a relíquias da cultura Daunia