Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Economia

Falta de turista prejudica economia do Vaticano

Com as bilheterias fechadas, museus do Vaticano receberam apenas € 1 milhão; Cerca de 10% da renda habitual
Com as bilheterias fechadas, museus do Vaticano receberam apenas € 1 milhão; Cerca de 10% da renda habitual

Com as bilheterias fechadas, museus do Vaticano receberam apenas € 1 milhão; Cerca de 10% da renda habitual

A pandemia do coronavírus afetou as finanças do Vaticano. A queda no número de turistas, o fechamento dos museus durante quase três meses e a redução das doações dos fiéis provocaram consequências negativas na economia do menor estado do mundo.

O fluxo de turistas diminuiu repentinamente desde 10 de março, quando foi decretado o confinamento nacional na Itália, que durou até 1° de junho. Apesar do fim do lockdown ter sido gradual, as atividades turísticas não retornaram como eram antes.

Hoje as poucas pessoas que visitam o Vaticano são europeias e muitos italianos de várias partes do país. Turistas dos Estados Unidos, da América Latina e da Ásia, que antes eram numerosos, desapareceram. Há séculos as viagens religiosas sempre foram a principal fonte de entrada econômica para a cidade, antes mesmo de Roma se tornar capital da Itália, em 1870.

Setores afetados pela redução do turismo

Muitos viajantes se alojavam em hospedarias religiosas que agora estão quase vazias. A drástica redução dos turistas danificou também o comércio em torno ao Vaticano. Muitas lojas que vendem artigos religiosos e suvenires estão fechadas.

Os comerciantes devem pagar aluguel à Administração do Patrimônio da Sé Apostólica (Apsa), o dicastério da cúria romana criado em 1967 sob o papa Paulo VI, responsável por gerenciar as propriedades do Vaticano. A Apsa tem 2.400 apartamentos e 600 escritórios e instalações comerciais.

Em entrevista ao jornal francês Le Monde, o bispo Nunzio Galantino, presidente da entidade, declarou que o Vaticano ajudou os comerciantes em dificuldades. Ele disse que foi aplicado o cancelamento de um terço dos aluguéis por os meses de março a junho, que permitiram adiar o pagamento de outro terço para setembro de 2020 e confirmou o pagamento do terço restante dentro do prazo previsto.

O bispo Galatino ressaltou também que entre março e junho, a Apsa registrou uma perda de quase 30% da receita de aluguel, ou seja, € 3,8 milhões, aproximadamente R$ 23 milhões.

As receitas do Vaticano

As outras fontes de entrada são os Museus do Vaticano e as doações vindas dos fiéis. Os Museus do Vaticano são autofinanciados e todos os anos destinam seus lucros à Santa Sé. Com as bilheterias fechadas do início de março até o final de maio, e apenas 60.000 visitantes em junho, eles arrecadaram cerca de € 1 milhão de euros (R$ 6 milhões).

Normalmente a bilheteria fatura de cerca de € 150 milhões por ano, cerca de € 12,5 milhões por mês. Agora com a necessidade de manter o distanciamento físico, o número de visitantes admitidos é menor.

Tradicionalmente, todos os anos chegam as doações do óbolo de São Pedro, um sistema de arrecadação de donativos da Igreja Católica, onde os fiéis oferecem ajuda econômica diretamente ao Papa, para a manutenção da igreja e ajudar as caridades, também é coletado nas paróquias do mundo inteiro no dia 29 de junho, festa dos apóstolos São Pedro e São Paulo.

O Vaticano conta também as contribuições de igrejas locais. As principais são da Alemanha e dos Estados Unidos, mas estas encolheram nos últimos anos por causa dos escândalos sexuais.

As principais despesas do Vaticano

Em recente entrevista ao Vatican News, o ministro da Economia da Santa Sé, o jesuíta espanhol Guerrero Alves, explicou as despesas detalhadamente.

Cerca de 5 mil funcionários trabalham no Vaticano, seus salários e empregos foram mantidos, mas não houve novas contratações. As despesas são 45% para pagar os funcionários, 45% para gastos gerais e administrativos, o restante para doações (7,5%) e outras despesas residuais.

O Vaticano paga impostos à Itália, cerca de 6% do orçamento, ou seja, € 17 milhões. Boa parte das saídas é destinada ao custo da equipe que trabalha com a comunicação, mais de 500 pessoas. Eles comunicam o que o papa faz em 36 idiomas, através do rádio, TV, web, redes sociais, jornal, gráfica, editora, a sala de imprensa, uma estrutura que não tem igual no mundo. Sem contar que o Vaticano não permite entrada de verba publicitária.

O equilíbrio financeiro do Vaticano não melhorou. Em 2015, o déficit foi limitado a € 12,4 milhões. Para 2020, de acordo com as estimativas mais recentes de junho, o déficit deve ser de pelo menos € 50 milhões de euros, € 320 milhões em gastos e € 270 milhões em receita.

Se não houver receita extraordinária, haverá um aumento no déficit. No entanto, nem tudo pode ser medido apenas como um déficit e nem como um mero custo na economia porque, como explicou o padre Guerrero Alves, “a Santa Sé não é uma firma nem uma empresa. O objetivo do Vaticano não é obter lucro.”

Um estado sem PIB

O Vaticano é o único estado do mundo que não possui seu próprio Produto Interno Bruto (PIB). A Cidade do Vaticano, um território soberano com o Papa como chefe de estado, tem seu próprio sistema de produção de bens e serviços, mas devido às peculiaridades e dimensões limitadas de sua economia, não é possível atribuir um valor bruto às atividades econômicas realizadas dentro das fronteiras locais ou calcular os custos dos bens e serviços nele consumidos. O índice do Produto Interno Bruto não é, portanto, aplicável à jurisdição.

Os únicos produtos que o Vaticano fornece são alimentos produzidos em pouca quantidade nas propriedades de Caltelgandolfo, conhecida como “A Fazenda do Papa”. Os produtos alimentares são vendidos aos próprios funcionários por um módico preço. O Vaticano vende também medalhas e selos ao público, mas não consiste em grande produção.

LEIA TAMBÉM

‘The New Pope’ – A série papal que incomoda o Vaticano

O Papa e Mussolini: há 90 anos nascia o Vaticano

Há 90 anos o Reino da Itália reconhecia a independência e soberania do Vaticano

por RFI

Siga o Italianismo no Instagram

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Destaque do Editor

Descubra como obter a cidadania italiana de forma segura e eficiente!

Estilo de vida

A Festa della Mamma foi introduzida no calendário na década de 1950

Cidadania Italiana

A cidadania italiana de Giovanna Ewbank: uma narrativa de rápido sucesso ou marketing disfarçado?

Cidadania Italiana

Senador Roberto Menia reforça críticas sobre reconhecimento da cidadania italiana no Brasil.

Cidadania Italiana

Cidadania negada: Quando a sobriedade é muito mais que uma questão de etiqueta.

Itália no Brasil

Consulado Geral da Itália em São Paulo: Uma pequena itália na maior metrópole brasileira.

História

Roma: a cidade imponente, erguida sobre os alicerces da história, celebra seu aniversário em 21 de abril

Economia

Consultoria fez estudo sobre taxa de sobrevivência de companhias.

Cultura

Ranking foi divulgado pela versão espanhola da revista People

Turismo

Viajantes vão desfrutar de 266 milhões de pernoites.

Variedades

Mario Parlato afirmou que ficou feliz com a aquisição.

Cultura

Exposição curada por brasileiro Adriano Pedrosa começa em 20/4