Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Arte & Cultura

O Papa e Mussolini: há 90 anos nascia o Vaticano

Papa e Mussolini assinando o Tratado de Latrão | Reprodução Google

Entenda o que estava por trás de um ditador radicalmente anticlerical deixar a Igreja ter um Estado independente na capital da Itália

“O Vaticano confia nas novas realidades políticas muito mais do que o fez com a antiga democracia liberal. A Igreja reconhece que as ideias fascistas estão mais próximas da cristandade do que o liberalismo judeu”. Foram essas as palavras de comemoração de Hitler após o Cardeal Pietro Gasparri assinar um acordo com a Itália fascista de Mussolini – através do Tratado de Latrão.

Ação Contra as filasAção Contra as filas

A briga entre a Igreja e o estado italiano começou lá em 1870, quando o rei Vítor Emanuel II invadiu Roma e incorporou a cidade ao seu reinado – tal cidade que era território católico desde que foi cedido em 756 pelo Pepino, o Breve. O rei Emanuel II tentou fazer um acordo com o Papa da época Pio IX, que não concordou em fazer parte de um estado laico.

A situação não deve ter parecido melhor quando Benito Mussolini, um radical anticlerical que chegou a ordenar a Deus a matá-lo publicamente para provar que não existia, ascendeu ao poder, em 1922. Em 1938, muito depois desta foto, ainda falava do Papa como um “tumor maligno”. No final da vida, Mussolini passou a falar em Deus – possivelmente não mais sincero que Hitler se fingindo de cristão.

O fato é que, como o eficiente demagogo que era, entendia a diferença entre seus sentimentos e os da população italiana. Assim, no dia 11 de fevereiro de 1929 que o ditador, no Palácio de Latrão, sentou-se com o Cardeal Pietro Gasparri, colocou os papéis na mesa e fez o acordo: formalizou-se o estado do Vaticano com autoridade total ao Papa sendo chefe de estado, tendo ainda poder sob os territórios vizinhos como o Palácio de Castelgandolfo e a Basílica de São João de Latrão, Santa Maria Maior e São Paulo Extramuros. Além de o Vaticano ter ganhado indenização de 90 milhões de dólares, o ensino religioso começaria a ser obrigatório nas escolas, o casamento teria efeitos civis e o divórcio foi proibido.

Só em 1978 a religião católica deixou de ser oficial na Itália – e assim o país finalmente deu mais um passo para o que chamamos de laico (mesmo nunca sendo 100%).

Por MARIANA RIBAS / Originalmente publicado em Aventuras na história

 

200

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Destaques do editor

Destinos

Episódio ocorreu em meio a onda de calor na Itália, neste domingo. Turista é da Espanha

Turismo

Relatório da WTTC revela ainda que o setor de viagens e turismo crescerá a uma taxa média anual de 2,5% nos próximos 10 anos

Destinos

Patrícia Poeta abre álbum de fotos de viagem à Itália: "Não é linda?"

Cotidiano

Primeiro voo entre São Paulo e Roma vai decolar no dia 2 de junho

Vida & Estilo

Seminário Teológico Italiano Chinês (ICTS) foi inaugurado em abril, em Roma, ao lado do Vaticano

Celebridades

Kobe Bryant passou sete anos na Itália, onde iniciou sua trajetória como astro do basquetebol

Destinos

Serão três voos semanais com aeronaves Boeing 777. Passagens começarão a ser vendidas nos próximos dias

História

Linda, inteligente, elegante, ela cuidou tão bem da sua imagem que se tornou uma influencer para as mulheres de seu tempo

Cotidiano

Vários monumentos italianos passaram a noite desta quinta-feira (10) às escuras em forma de protesto contra o aumento do preço da energia. Deixa o...

Arte & Cultura

Mary Rodrigues toca no Vaticano como convidada da Orquestra da Diocese de Roma

História

Elena Curti morreu aos 99 anos: ela era a filha ilegítima de Benito Mussolini

Una buona notizia!

Olivia, a primeira criança nascida em Roma, nasceu na Casa de Saúde da Sagrada Família. É também o primeiro nascimento na Itália em 2022