Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Eleições 2022

O escândalo das eleições italianas na América do Sul e a recontagem dos votos

Deputado apresenta denúncia aos carabinieri de Roma para esclarecer fraude e pede recontagem de votos

escândalo das eleições italianas
Polícia italiana apreende mais de 50 mil suspeitas de fraude eleitoral entre os eleitores sul-americanos

A eleição parlamentar italiana na América do Sul virou caso de polícia. Nesta quarta-feira (29), o deputado Eugenio Sangregorio informou que formalizou uma denúncia nos Carabineiros de Roma.

Ele quer a recontagem dos votos e se diz vítima de uma difamação. “Fui atacado injustamente com declarações que ferem a minha honra e a do partido USEI. É importante que prossigamos com a nova contagem dos votos”, disse em publicação na página oficial do partido Unione Sudamericana Emigrati Italiani (União Sul-Americana de Emigrantes Italianos).

Parte da publicação de Eugenio Sangregorio no Facebook | Divulgação

Durante a apuração do votos, em Roma, foram encontradas mais de 50 mil cédulas falsas – das quase 800 mil emitidas. Elas eram oriundas de Rosario e La Plata, na Argentina.

A fraude foi descoberta por causa de um erro de ortografia incomum. Parte das cédulas aprendidas pela polícia diziam “Diputati” em vez de “Deputati” e foram impressas com cor e tipografia diferentes do original.

À esquerda, uma pilha de cédulas falsas apreendidas pela polícia. 
A cor é diferente e diz “Diputati” em vez de “Deputati”

Para uma fonte ouvida pelo Italianismo, no Brasil e sob condição de anonimato, o candidato Sangregorio “jamais falsificaria cédulas com erro de digitação”. “Qualquer bandido faria um scanner de alta resolução com as mesmas cores. Fizeram de propósito para incriminar o candidato”, diz ela.

Na denúncia, Sangregorio não excluiu que a alegada fraude possa ter sido obra dos seus adversários políticos para prejudicá-lo.

Na ocasião, o senador Fabio Porta afirmou em nota que “todas essas cédulas obviamente falsas mostram o ‘voto’ na lista da USEI e a preferência pelo candidato Sangregorio”.

Perguntado se ele seguirá adiante com a denúncia, mesmo tendo sido eleito, ele disse que está avaliando com advogados e o partido. “Fomos os primeiros a denunciar publicamente”, disse ao Italianismo.

Cédulas canceladas ajudaram o Partido Democrata

As cédulas canceladas permitiram a eleição do deputado Fabio Porta, do PD (Partido Democrático) para o parlamento italiano.

“Alguém quis me prejudicar, acusando-me da responsabilidade pela redação errada de algumas cédulas com o meu nome”, observou Sangregorio.

“Quero saber exatamente quantas cédulas foram anuladas, visto que os demais partidos presentes nas eleições certamente se beneficiaram com isso”, disse o parlamentar.

Eugenio Sangregorio recebeu 17.082 votos. Bem menos que sua companheira de chapa, a ítalo-brasileira Renata Bueno, que obteve 25.179 votos.

Argentina tem histórico de fraudes

As acusações de fraudes não param por aí. Segundo a imprensa argentina, outras dezenas de milhares de cédulas teriam sido preenchidas pelas mesmas pessoas e serão submetidas a perícia caligráfica. 

Os eleitores devem escrever à mão o nome do candidato de sua escolha, e as semelhanças de milhares de cédulas são impressionantes, diz o jornal argentino La Politica.

O MAIE, outra força local, que venceu com ampla vantagem sobre o Partido Democrata e a Liga, também enfrenta acusações de fraude que envolveriam parte dos 41.548 votos de Claudio Zin, que concorreu ao cargo de deputado.

O pano de fundo da América do Sul não ajuda a pensar em transparência. No final do ano passado, um senador eleito em 2018 foi destituído pelo parlamento italiano após ter sido verificado que seus votos haviam sido completados pela mesma pessoa – Fabio Porta assumiu a cadeira de Adriano Cario.

Este ano a “trapaça” teria atingido níveis nunca antes vistos. Na Argentina há 770.000 eleitores qualificados para votar, mas mais de 20% do eleitor não costuma participar. Para estas eleições houve uma participação de 34%, 70% mais do que o habitual.

“Há pessoas que nunca votam. Eles hackearam esses votos, mas exageraram e ainda por cima deixaram isso muito óbvio”, disse ao La Politica uma fonte que conhece bem os bastidores das eleições dos ítalo-descendentes. 

Siga o Italianismo no Instagram

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Estilo de vida

Por que não adotar o sobrenome do seu marido na Itália: Entenda os motivos.

Cotidiano

Pontremoli lança programa “Residentes do Futuro” para estimular novos moradores.

Cidadania Italiana

Congresso terá presença de figuras relevantes do judiciário italiano, do Ministério do Interior e da Procuradoria Geral do Estado

Comer e beber

Verdade ou mito: Os italianos realmente comem pasta todos os dias?

Cidadania Italiana

Da Itália à Espanha: A jornada de Riccardo Consoli em busca de um futuro mais acolhedor.

Cidadania Italiana

Os brasileiros estão entre as dez nacionalidades que mais obtiveram uma cidadania da União Europeia em 2022.

Turismo

Iniciativa conta com 28 municípios divididos em 10 regiões

Cidadania Italiana

Brasil destaca-se como o 4º país com mais cidadãos adquirindo nacionalidade italiana.

Cidadania Italiana

O ius soli é um problema falso, não é necessário: os números desconstroem a narrativa da esquerda, segundo jornalista.

Arte & Cultura

Russell Crowe se apresentará no anfiteatro de Pompeia.

Cotidiano

Enel mancha a reputação italiana no Brasil devido a constantes falhas no fornecimento de energia em São Paulo

Cotidiano

Porta critica atuação governamental na demora e ineficácia das negociações do Acordo de Conversão de CNH entre o Brasil e a Itália