Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Cotidiano

Draghi é visto como “salvador” da Itália e da UE

Presidente da Comissão Europeia acredita que experiência de Draghi é recurso extraordinário para toda a Europa

salvador Itália
Draghi é visto como "salvador" da Itália e da UE | Barcroft Media | Getty Images

Mario Draghi não é apenas um rosto familiar na União Europeia, foi o homem que salvou o euro durante a crise financeira, quando a Grécia esteve a beira de ser excluída do moeda única.

Agora, multiplicam-se os votos de confiança no ex-presidente do Banco Central Europeu enquanto novo chefe do governo da Itália.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse, no Twitter, que sua experiência é “um recurso extraordinário não apenas para a Itália, mas para toda a Europa, particularmente num momento tão difícil”.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse que espera trabalhar com Draghi na “recuperação da Europa”, sendo que a Itália vai receber 209 mil milhões de euros (28% do total) do fundo de recuperação Próxima Geração União Europeia, para 2021 a 2023.

“Tenho plena confiança no fato de que a experiência, ideias e capacidades de um primeiro-ministro responsável poderão, certamente, dar uma contribuição para um governo eficiente e pró-europeu“, disse Paolo Gentiloni, comissário europeu da Economia e ex-primeiro-ministro italiano.

O grande conhecimento que Draghi tem das instituições da União Europeia será crucial também para relançar globalmente o projeto comunitário, segundo a analista política Teresa Coratella, do Conselho Europeu de Relações Externas.

“Este ano, a chanceler Angela Merkel vai deixar a liderança da Alemanha, pelo que vamos perder uma figura muito importante da política de integração europeia. Há, também, que considerar que o presidente Macron enfrentará em breve eleições em França. Portanto, o papel que Draghi pode desempenhar num momento tão delicado da Europa é muito importante”, disse a analista.

Mas algumas vozes críticas dizem que talvez não seja o melhor líder para promover um modelo de maior inclusão social na Europa, nomeadamente a eurodeputada francesa que é co-líder da esquerda radical no Parlamento Europeu, Manon Aubry: “É um pouco a fantasia dos liberais que pensam que podemos resolver os problemas atuais recorrendo a um banqueiro, quando infelizmente penso que devera acontecer o contrário, agravando esses problemas”.

Espera-se que, pelo menos na Itália, Mario Draghi volte a recorrer ao seu slogan de fazer “tudo que for preciso” para sair da crise. Por EuroNews

200

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Destaques do editor

Cidadania Italiana

24.100 brasileiros se tornaram cidadãos europeus em 2020, segundo dados do Eurostat

Cotidiano

Mario Draghi visitou Gênova e homenageou as vítimas da tragédia na queda da Ponte Morandi, ocorrida em 2018

Cotidiano

Europeus que quiserem vistar o país devem apresentar comprovante de vacinação, teste negativo, ou atestado de infecção prévia por Covid-19

Cotidiano

Terminou sem vencedor a primeira votação no Parlamento da Itália para eleger o próximo presidente da República, realizada nesta segunda-feira (24).    Deixa o seu...

Cotidiano

Votação indireta começará em 24 de janeiro; eventual vitória do premier pode levar a eleição geral antecipada

Cotidiano

Ômicron e Delta estão causando 'tsunami' de casos de covid na Europa

Economia

Apesar de alguns picos, o preço de dois terços dos bens aumentou menos do que a inflação

Cotidiano

Será decidido nesta terça-feira em Conselho de Ministros. A escolha foi feita com base nos dados mais recentes sobre a pandemia

Economia

Pela primeira vez, a Itália pode estar arrastando a economia do continente

Cotidiano

Em amarelo apenas 7 regiões da Itália. Os outros são vermelhos ou vermelho escuro

Cidadania Italiana

Um milhão e 250 mil pessoas residem na Itália, têm cidadania italiana e vêm de um país não europeu.  Deixa o seu comentário:

Cotidiano

A medida pode simplificar as exigências relacionadas ao 'passaporte da vacina' na União Europeia