Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Herança italiana

Di Giorgio: italiano colocou seus violões na história do Brasil

Nascido em Roma, em 1889, o jovem luthier Romeu veio para o Brasil para encontrar trabalho

di giorgio
Romeu Di Giorgio: italiano colocou seus violões na história do Brasil

Os violões Di Giorgio fazem parte da trajetória da música do Brasil. Essa história iniciou com a chegada do italiano Romeu Di Giorgio ao país.

Nascido em 1889 em Roma, na Itália, o jovem luthier Romeu Di Giorgio veio para o Brasil muito jovem, no início do século 20, para encontrar trabalho.

Chegando aqui, o imigrante italiano veio morar na cidade de São Paulo, onde abriu em 1908 o Atelier de Violões Finos Romeu Di Giorgio, passando a vender seus instrumentos musicais para a comunidade italiana.

Fachada doAtelier de Violões Finos Romeu Di Giorgio, na década de 1920

No atelier, Romeu passou a colocar em prática os ensinamentos que havia aprendido com outro italiano, o luthier de violinos Lorenzo Fritelli, que lhe ensinou os segredos dos instrumentos musicais acústicos.

Di Giorgio ganha novas instalações

A empresa produzia também outros instrumentos musicais de cordas, como violas, violinos, bandolins e violas da gamba, muito utilizados pelos imigrantes europeus na época.

Os instrumentos tiveram grande aceitação da comunidade e as vendas passaram a expandir para outros públicos, garantindo o sucesso dos negócios nos anos seguintes.

Anúncio publicitário histórico da empresa

Na década de 40, a empresa já tinha a denominação de Indústria e Comércio de Instrumentos Musicais e Cordas Di Giorgio Ltda. Foi quando a fábrica ganhou instalações na Rua Voluntários da Pátria, no bairro do Santana. Era a época das serestas e a cultura do violão crescia no Brasil, favorecendo as vendas da Di Giorgio.

No final da década de 50, a empresa tinha 20 funcionários, entre eles o jovem Reinaldo Proetti, que Romeu resolveu “adotar”, após a morte de seu único filho.

O sucesso com a Bossa Nova

Nos anos 60 veio a Bossa Nova e, naquela época, os negócios cresceram ainda mais. O grupo já era presidido por Reinaldo, que decidiu que a empresa se dedicaria exclusivamente à fabricação de violões. Assim, passaram a ser produzidos 1.000 violões da marca por mês.

Grandes nomes da música brasileira tocaram em um violão Di Giorgio, como Roberto Carlos, Dorival Caymmi, João Gilberto e Tom Jobim

Apesar de decisiva para o crescimento dos negócios, a mudança trouxe desafios logísticos, já que nos anos seguintes a enorme demanda pelos violões resultou em um crescimento desordenado da empresa.

Havia pontos de fabricação espalhados em diferentes localidades de São Paulo, e produção de até 150 violões por dia, sem estrutura adequada para isso.

Para solucionar esses problemas, em 1985 foi inaugurada uma fábrica em Franco da Rocha, com 20 mil metros quadrados, 200 funcionários, e capacidade de produzir 6 mil violões por mês.

O ano de 1985 marcou também a morte de Reinaldo Proetti e quem assumiu os negócios foi seu filho, Reinaldo Proetti Júnior, representando a terceira geração da família.

Catálogo da empresa

Com a produção concentrada em Franco da Rocha, a empresa passou a investir em tecnologia nos anos seguintes, quando Reinaldo Neto também passou a trabalhar na Di Giorgio. Em 2007, pouco antes do centenário da empresa, ele trouxe novos equipamentos de marcenaria da Alemanha.

Em 2019, a Di Giorgio entrou com pedido de recuperação judicial, visando ganhar fôlego para a reestruturação da empresa. A fabricação migrou para a Ásia e algumas linhas de produtos sofreram adaptações.

Selo interno de violão da década de 1991

Gerações de músicos tocaram um Di Giorgio

A Di Giorgio marcou gerações inteiras de músicos brasileiros, que guardam lembranças relacionadas a um instrumento da marca. É o caso de Márcio Rocha, 54 anos, músico nascido em São Roque e radicado em Araraquara, ambos municípios do interior de São Paulo.

Músico Márcio Rochateve um violão modelo Signorina

Ele teve um violão Di Giorgio modelo Signorina modelo 1977, que conseguiu trocando por um bolsa de couro tiracolo, em 1985. “Com esse violão eu viajei e toquei pelo sul de Minas, quando estudava Biologia em Alfenas. Foi com ele que conheci Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes e tantos outros”, conta.

O violão acabou vendido em uma época de crise, pouco antes de Márcio se mudar para Araraquara. “Infelizmente, tive que vender meu querido companheiro, mas até hoje me arrependo. Nunca encontrei um violão tão bom quanto aquele. Era belíssimo, tinha a mão decorada com marchetaria e um som maravilhoso. Deixou ótimas lembranças”.

Esse tipo de memória afetiva se deve ao esforço de Romeu Di Giorgio, mais um entre tantos imigrantes italianos que venceram trabalhando em sua nova terra.

Por Roberto Schiavon/Italianismo
Crédito das fotos: Site da empresa/Reprodução

E aí, gostou do artigo? Então compartilhe nas suas redes sociais e traga seus amigos, colegas e seguidores para a discussão. Em caso de dúvidas a respeito do assunto, não hesite em deixar seu comentário.

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Herança italiana

A trajetória de Angelo Fantin se confunde com o desenvolvimento de Santa Catarina e é marcada pela construção da marca Parati, uma das principais...

Herança italiana

Italiano chegou ao Brasil em 1952 e criou uma marca que se tornou sinônimo de cadeados e fechaduras de qualidade

Herança italiana

Imigrante iniciou empresa que se tornaria uma marca conhecida por várias gerações de brasileiros

Herança italiana

Receita criada no interior de Minas Gerais em 1911 pelos italianos Mário e Isaíra Silvestrini conquistou o Brasil e se tornou enorme sucesso

Herança italiana

O italiano migrou para o Brasil em 1890. Aqui ele fundou um jornal, uma cervejaria e lançou a semente dos refrigerantes Cini.

Herança italiana

Vittorio Fasano chegou em 1890 e, nas décadas seguintes, sua família construiu uma bem sucedida rede de restaurantes e hotelaria de luxo

Herança italiana

O imigrante italiano Giovanni Marchesan chegou ao Brasil no final do século 19 e sua família fundou a maior empresa brasileira de implementos agrícolas

Herança italiana

Italiano aprendeu a trabalhar com peças de metal e revolucionou o mercado brasileiro, ao criar as balanças nacionais

Herança italiana

Inaugurada em 1908 por uma família de imigrantes italianos, a Casa Falci ajudou a erguer alguns dos principais monumentos históricos da capital mineira

Herança italiana

Os irmãos Carbone sabem o que é empreender. Giuseppe e Nicola chegaram ao Brasil para vender vinho e criaram a Companhia União de Refinadores...

Herança italiana

Padaria Basilicata iniciou em 1914 em São Paulo com o imigrante italiano Filippo Ponzio. Hoje a empresa é comandada pela quarta geração da família.

Herança italiana

A Tramontina é uma das mais tradicionais empresas brasileiras, com 110 anos de história. Isso é fruto do esforço da família do italiano Henrique...