Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Herança italiana

CICA, marca do Elefante, foi fundada por italianos nos anos 40

O empresário Alberto Bonfiglioli se uniu a outras famílias italianas e criou uma das marcas mais queridas dos brasileiros

cica
CICA, marca do Elefante, foi fundada por italianos nos anos 40

A CICA, uma das mais importantes indústrias alimentícias do Brasil, foi fundada por Alberto Bonfiglioli. Vindo da Bolonha, ele fez história no novo país.

Nascido em 6 de dezembro de 1897 em Bolonha, capital e maior cidade da região da Emilia-Romagna, na Itália, Alberto Bonfilgioli chegou ao Brasil no início do século 20.

Filho de Victor Bonfiglioli e Rosa Bonfiglioli, Alberto estudou no Liceu Salesiano de Milão e desembarcou em terras brasileiras em 1910. Em seu novo país, estudou na Faculdade do Comércio de São Paulo, onde se formou em Ciências Econômicas, com menção de honra e medalhas de ouro.

Membro de uma das mais importantes famílias de Bolonha, iniciou sua vida no Brasil aos 13 anos, e com muito esforço conseguiu fazer uma carreira de sucesso como empresário e banqueiro, antes mesmo de fundar a CICA.

Foi diretor-presidente e principal acionista do Banco Auxiliar, da Companhia Comissária Alberto Bonfiglioli e da Agropecuária Bonfiglioli e Construtora Bonfiglioli, entre outras.

Uma das primeiras propagandas da empresa

Além disso, foi diretor-tesoureiro do Circolo Italiano, secretário da Sociedade Dante Alighieri, diretor da Associação Comercial de São Paulo, diretor da FIESP, conselheiro da Muse Italiche e vice-presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras.

A fundação da Cica

No entanto, a empreitada que fez Alberto Bonfiglioli ficar mais conhecido no Brasil foi mesmo a fundação da Companhia Industrial de Conservas Alimentícias (CICA), na cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo.

Tudo por causa do produto mais famoso da marca, o extrato de tomate Elefante, que durante décadas esteve presente na vida dos consumidores brasileiros. Era um extrato feito com tomates cuidadosamente selecionados, sem pele e sem sementes, que foi o principal ingrediente de milhares de pratos nas mesas de lares brasileiros.

Esse ingrediente preferido das cozinheiras do país era utilizado para dar cor e sabor aos mais variados tipos de pratos, incluindo molhos, carnes, refogados e tortas, entre outros. 

Alberto Bonfiglioli fundou a CICA em 1941, ao lado dos irmãos Salvatore e Antonino Messina e das famílias Guerrazzi e Guzzo, todos também imigrantes italianos. Claro, o primeiro produto da marca foi o extrato de tomate, decisão natural, até mesmo pelas origens italianas dos fundadores.

Peça publicitária antiga apresenta a linha de produtos da CICA

Inspiração para o elefante

O produto trazia em sua lata um elefante real estampado. A origem dessa escolha não está bem documentada, mas existem algumas teorias. Uma das possibilidades é o fato de Rodolfo “Rudi” Bonfiglioli, filho de Alberto, ter sido notório caçador de elefantes.

Outra teoria, mais simpática, é que a escolha do personagem símbolo tenha se dado em homenagem à terra natal da família Massina. É que na praça principal de Catânia, cidade portuária da Sicília, fica a famosa Fontana dell’Elefante.

O fato é que, no início, não foi fácil para a CICA se estabelecer no mercado de derivados de tomate, principalmente diante da concorrência da Fábrica Peixe, que na época dominava o comércio desse tipo de produto.

Fábrica da CICA em Jundiaí, interior de São Paulo

No início da década de 1940, as propagandas do extrato de tomate Elefante mencionavam o “duplo concentrado de tomate”, expressão que constava também na lata. Em agosto de 1943, o produto e os dizeres da lata foram alterados para “triplo concentrado”, com o lembrete publicitário “É melhor e rende mais”.

Propagandas marcantes da Cica

No final da década de 1950, surgiria o jingle da tarantela napolitana, reforçando e explicando essa característica do processo. A letra da música dizia “O Extrato de Tomate Elefante/é puro, é triplo concentrado/a CICA só trabalha com tomate selecionado”.

Nos anos seguintes, o forte apelo das propagandas e, é claro, a qualidade do produto, deram muito prestígio para a CICA e o extrato do Elefante se tornou um grande sucesso. Em uma propaganda de 1964, o elefante animado selecionava tomates em uma esteira, dizendo “você sim, você não”, para reforçar o cuidado na produção.

No entanto, a história ainda reservaria voos maiores para a marca. Em 1968, o desenhista Maurício de Souza publicou no jornal Folha de São Paulo uma tirinha onde a Mônica puxava o elefante Jotalhão pela tromba, enquanto Cebolinha dizia: “não sei não, mas acho que sua mãe pediu foi massa de tomate”.

A piada se referia ao engano da Mônica, pois sua mãe havia pedido um extrato de tomate que tinha a marca de um elefante no rótulo e ela confundiu e levou o desajeitado Jotalhão. Foi então que o personagem foi oferecido para a CICA em 1969.

Jotalhão, o garoto-propaganda

A partir daquele momento, o personagem Jotalhão se tornou o novo garoto-propaganda do extrato de tomate. O querido personagem de Maurício de Souza começou a aparecer nas embalagens do produto somente em 1979, como parte de um processo de modernização do design e da estratégia de comunicação da marca Elefante.

O simpático Jotalhão substituiu na lata do produto o desenho realista de um elefante, animal que, aliás, integrou por um bom tempo o logotipo da CICA. Mais tarde, Jotalhão partiu para carreira solo e ganhou a assinatura “O elefante mais amado do Brasil”.

Mas, apesar de ser o carro-chefe da marca, a CICA não vivia apenas do extrato de tomate Elefante. Na década de 1970, a empresa produzia marmeladas e goiabadas em sua filial localizada na cidade de Delfim Moreira, no Sul de Minas Gerais. A empresa também fabricava vinagres, maioneses, molhos de pimenta e outros produtos alimentícios.

Tanto o extrato de tomate quanto os outros produtos seguiram fazendo grande sucesso na década de 1980, quando a empresa lançou novas embalagens, como os copos de vidro com a tradicional tampa vermelha do extrato Elefante.

Vai a empresa, fica o elefante

Em 1993, a CICA foi adquirida pela Unilever (na época, Gessy Lever) e a marca Elefante passou a ser distribuída em diversos países, tão diferentes quanto Porto Rico e Japão. Pouco depois, em 1996, a marca decidiu acrescentar mais ingredientes (temperos) ao famoso extrato de tomate, que manteve a mesma fórmula por 55 anos.

O Jotalhão se tornou marca registrada do extrato de tomate

Em 2003 o extrato de tomate passou a fazer parte da linha de produtos da Knorr, então recém-adquirida pela Unilever. Com isso, surgia a marca Knorr Elefante.

A marca CICA foi extinta em 2003 e a fábrica em Jundiaí já havia sido fechada em 1998, dando lugar a uma loja de materiais de construção. No entanto, ainda se pode encontrar Polpa de Tomate Pomodoro com a marca CICA nos supermercados.

No ano de 2010, a empresa norte-americana Cargill comprou a divisão de atomatados da Unilever no Brasil, incluindo a marca Elefante. Em 2012, após 13 anos ausente, o elefante Jotalhão voltou à mídia como garoto-propaganda da marca.

O querido extrato de tomate e seu garoto-propaganda, mais querido ainda, sobreviveram ao final da CICA e seguem por meio de outras empresas alegrando e dando sabor aos mais variados tipos de pratos no Brasil e mundo afora.

Desafios de uma família

O empresário Alberto Bonfiglioli morreu em 4 de julho de 1967 e deixou um legado gigante de realizações na área empresarial e no setor alimentício brasileiro. Seu filho, Rodolfo Marco Bonfiglioli também se envolveu nos negócios e hoje os netos Claudia, Alberto, Sandra e Silvana, continuam atuando no segmento agropecuário, na criação de cães de raça, e na administração da rede de fast-food Bon Grillê.

Uma família movida por desafios e que deixou sua marca na indústria brasileira para sempre.

Por Roberto Schiavon/Italianismo

200

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Destaques do editor

Herança italiana

O imigrante italiano Zeffiro Orsi transformou um pequeno pastifício em uma das marcas mais conhecidas do Brasil

Herança italiana

O imigrante italiano Giovanni Galzerano fundou em 1960 uma das principais marcas de carrinhos para bebês do país

Herança italiana

O casal Domenico e Giuseppina veio da Itália e se estabeleceu em Belo Horizonte para fundar uma indústria milionária de massas

Herança italiana

Família Nigro veio da Itália para o interior de São Paulo e revolucionou a fabricação de utensílios de cozinha no país

Herança italiana

O italiano Luigino Burigotto fundou no Brasil uma fábrica de carrinhos para bebês que se tornou referência no mercado nacional

Herança italiana

Massimo Leonardo Define chegou jovem ao Brasil e marcou época como grande esportista e revolucionário na indústria agropecuária

Herança italiana

Filho de italianos, João Carlos Di Genio fundou o Colégio Objetivo e a Unip e se tornou um dos maiores empresários brasileiros

Herança italiana

Pietro Morganti veio da Itália no século 19 e estabeleceu no Brasil a Usina Tamoio, a maior indústria sucroalcooleira da América do Sul

Herança italiana

A família de imigrantes italianos construiu no Brasil uma empresa que se tornou referência na indústria do agronegócio

Herança italiana

O imigrante italiano Giuseppe Todeschini fundou a fábrica de massas e biscoitos que conquistou milhares de brasileiros

Herança italiana

O siciliano Angelo Del Vecchio veio para o Brasil e passou a fabricar violões amados por várias gerações de músicos

Herança italiana

A família Bambozzi chegou ao Brasil no final do século 19 e se estabeleceu em Matão, onde criou tecnologias e construiu um império