Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Herança italiana

Vincenzo Filizola: italiano virou sinônimo de balanças no Brasil

Italiano aprendeu a trabalhar com peças de metal e revolucionou o mercado brasileiro, ao criar as balanças nacionais

Filizola
Filizola virou sinônimo de balanças no Brasil

O italiano Vincenzo Filizola chegou aos 15 anos ao Brasil e fez história com seu espírito empreendedor. Até hoje seu nome é sinônimo de balanças no país.

A história conta que o jovem Vincenzo desembarcou no Rio de Janeiro em 1882, aos 15 anos, a bordo do navio Ile de France. Ele vinha da cidade de Torraca, localizada na província de Salerno, na região da Campania, na Itália.

Os objetivos de Vincenzo, já com o nome “traduzido” para Vicente no Brasil, eram os mesmos de milhares de imigrantes que vieram para o Brasil na mesma época. Ele buscava melhores oportunidades de trabalho e também formar uma família na sua nova terra.

No Rio de Janeiro, Vicente permaneceu trabalhando durante dois anos como auxiliar em casas de ferragens, período que aproveitou para aprender a língua portuguesa. Enquanto isso, é claro, aprendia a fabricar peças de metal, como trincos e fechaduras.

Propaganda da balança de farmácia, veiculada em 1958

Em São Paulo, nasce uma ideia

Em 1884, Vicente se mudou para São Paulo, onde já estava morando seu tio, Pedro Gaetano, que o ajudou a montar uma pequena serralheria. No local, o jovem imigrante italiano iniciou a fabricação de fechaduras e trincos para portas.

Mas o destino reservava algo muito maior para Vicente Filizola, e em 1886 ele bateu à sua porta, na figura de um cliente com um pedido especial. O cliente apresentou ao serralheiro uma balança do tipo Roberval, importada da França, e solicitou o conserto do equipamento.

Vicente se recusou, por desconhecer sua técnica de construção e o procedimento correto para consertá-lo. No entanto, diante da insistência do cliente, acabou prometendo fazer o que estivesse ao seu alcance.

Não existiam balanças de fabricação nacional, por isso, dominar o conserto dessas máquinas era fundamental para o comércio em geral. Tratava-se de um conhecimento altamente tecnológico e estratégico no contexto do Brasil que se desenhava naquele período.

Balança clássica da Filizola, encontrada em diversos mercadinhos

Colocando em prática todos os conhecimentos obtidos desde sua chegada ao Brasil, o italiano acabou conseguindo consertar o equipamento. No entanto, não avisou o cliente até que tivesse copiado peça por peça da balança, da melhor forma que conseguiu.

Foi assim que, depois de produzir todas as peças a partir dos modelos da balança francesa entregue por aquele cliente, Vicente Filizola criou a primeira balança de fabricação 100% nacional.

Filizola conquista o mercado

Como era de se esperar, as balanças Filizola rapidamente conquistaram o mercado. O capricho do talentoso italiano garantiu que as balanças fossem tão precisas quantos as importadas, por um preço consideravelmente menor. Estava pronta a fórmula do sucesso.

Vicente passou a fabricar as balanças por encomenda, mas como a procura só aumentava, foi obrigado a montar uma oficina em sua própria casa, na Rua da Consolação, em frente ao prédio da Biblioteca Municipal de São Paulo.

No dia 5 de abril de 1886 nascia oficialmente a V. Filizola & Gaetano, empresa que logo seria modificada para Filizola & Co. Ltda, primeira indústria nacional de balanças.

As balanças nacionais foram criadas por Vicenzo

Ainda por meio de produção completamente artesanal, em 1890 a indústria já empregava 40 pessoas. Nessa época, Vicente era casado com Carmela Caetano Filizola e, nos anos seguintes, começou a agregar os filhos à empresa.

O primeiro foi o filho mais velho, Nicola, ou Nicolau, na forma abrasileirada, formado em engenharia pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Depois vieram Pedro e Aurélio, que também deram continuidade aos negócios.

Nova fábrica, novos produtos

Como o pequeno sobrado da Rua Consolação ficou pequeno para as operações da empresa, em 1920 foi inaugurada uma nova fábrica, mais ampla e moderna, no bairro do Canindé, em São Paulo.

Em 5 de abril de 1936, com a comemoração de 50 anos da empresa, a Filizola passou a fabricar os primeiros cortadores manuais e as primeiras balanças semiautomáticas vermelhas, que se consagraram por anos como marca registrada da marca.

Filizola modelo Platina

Em 1942, o patriarca e fundador da empresa, Vicente Filizola, morreu aos 75 anos. Desse modo, a presidência ficou a cargo de seu primogênito Nicolau.

Em 1946, a comemoração de 60 anos da Filizola aconteceu em um almoço na Brasserie Paulista, na Praça Antônio Prado, de propriedade do também imigrante italiano Vittorio Fasano.

A construção de um legado

Dois anos depois, Nicolau mandou construir no local onde foi a primeira fábrica da Filizola um prédio com o nome de Edifício Vicente Filizola, em homenagem ao pai. No térreo, ficava uma loja da própria empresa.

No ano de 1951, a empresa comemorou a marca de 500 mil balanças produzidas, Dois anos depois, começou a fabricar os primeiros cortadores elétricos do mercado.

Em 1966, a Filizola se transfere do bairro do Canindé para uma nova unidade de 20 mil metros quadrados, no bairro do Pari, na Rua Joaquim Carlos, 1236.

Anúncio publicitário em 1946 em comemoração aos 60 anos da Filizola

Em 1979, a Filizola começaria a fabricar e comercializar a primeira balança eletrônica da América Latina, que foi denominada 1005. A partir dos anos 80, a Filizola passou a produzir leitores e impressoras de códigos de barras, a Tp-30, que podia ser interligada às suas balanças comerciais.

No ano de 1998, a Filizola homologou no Inmetro e anunciou o lançamento do modelo que a colocaria no cenário de automação comercial, a Filizola Platina.

Filizola e a história que não terminou

Entre 2004 e 2005, a Filizola montou duas novas fábricas em Mato Grosso e começou a vender pela internet. A partir de 2008, sob comando da quarta geração da família, a empresa tentou uma restruturação e profissionalização de gestão, mas com a crise global, a saúde financeira do grupo começou a se deteriorar.

Fábrica da Filizola em Campo Grande-MS, em 2012

Em 2012, com 280 funcionários e duas unidades fabris em Campo Grande (MS), a Filizola entrou em recuperação judicial. Em 2014, com R$ 25 milhões em dívidas, foi decretada a falência da companhia, após quatro gerações e 128 anos de liderança absoluta no setor de pesagem.

Ao todo, foram mais de 2,5 milhões de balanças fabricadas. Em qualquer canto do Brasil pode ser encontrado um equipamento Filizola sobre um balcão de padaria, açougue ou estante de farmácia, academia e hospital.

É uma história que seguirá viva por muitos anos, levando adiante o nome daquele imigrante italiano que desembarcou no Rio de Janeiro aos 15 anos, cheio de sonhos e com muita vontade de trabalhar.

Por Roberto Schiavon | Italianismo

200

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Destaques do editor

Herança italiana

O imigrante italiano Zeffiro Orsi transformou um pequeno pastifício em uma das marcas mais conhecidas do Brasil

Herança italiana

O imigrante italiano Giovanni Galzerano fundou em 1960 uma das principais marcas de carrinhos para bebês do país

Herança italiana

O casal Domenico e Giuseppina veio da Itália e se estabeleceu em Belo Horizonte para fundar uma indústria milionária de massas

Herança italiana

Família Nigro veio da Itália para o interior de São Paulo e revolucionou a fabricação de utensílios de cozinha no país

Herança italiana

O italiano Luigino Burigotto fundou no Brasil uma fábrica de carrinhos para bebês que se tornou referência no mercado nacional

Herança italiana

Massimo Leonardo Define chegou jovem ao Brasil e marcou época como grande esportista e revolucionário na indústria agropecuária

Herança italiana

Filho de italianos, João Carlos Di Genio fundou o Colégio Objetivo e a Unip e se tornou um dos maiores empresários brasileiros

Herança italiana

Pietro Morganti veio da Itália no século 19 e estabeleceu no Brasil a Usina Tamoio, a maior indústria sucroalcooleira da América do Sul

Herança italiana

A família de imigrantes italianos construiu no Brasil uma empresa que se tornou referência na indústria do agronegócio

Herança italiana

O imigrante italiano Giuseppe Todeschini fundou a fábrica de massas e biscoitos que conquistou milhares de brasileiros

Herança italiana

O empresário Alberto Bonfiglioli se uniu a outras famílias italianas e criou uma das marcas mais queridas dos brasileiros

Herança italiana

O siciliano Angelo Del Vecchio veio para o Brasil e passou a fabricar violões amados por várias gerações de músicos