Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo

Cotidiano

Acusado de ser pró-Putin, Salvini cogita missão na Ucrânia

Senador sempre criticou as sanções econômicas da União Europeia contra a Rússia

salvini putin
Matteo Salvini vestindo uma camiseta de Putin durante uma viagem à Rússia em 2014 | Arquivo pessoal

O líder de extrema direita italiano Matteo Salvini afirmou nesta quarta-feira (2) que cogita viajar à Ucrânia, país que há uma semana é alvo de uma invasão russa.   

Ação Contra as filasAção Contra as filas

Historicamente amigável a Vladimir Putin, Salvini declarou em uma coletiva de imprensa que avalia a possibilidade de uma missão com a “embaixada italiana, a Cáritas e a Comunidade de Santo Egídio”, entidade católica com sede em Roma.

“Estou avaliando a possibilidade técnico-logística de estar lá [na Ucrânia] presencialmente”, disse Salvini, acrescentando que trabalha “em um grande movimento de paz que se contraponha à guerra”.   

Não se trata de um passeio. Se eu puder dar minha minúscula contribuição indo apoiar associações humanitárias, eu o farei, mas antes vou ouvir a embaixada”, afirmou.   

Salvini vem sendo pressionado por outros partidos a se posicionar de forma contundente contra Putin, e não apenas por meio de um discurso genérico em defesa da paz.   

O senador de extrema direita sempre criticou as sanções econômicas da União Europeia contra a Rússia, e seu partido, a Liga, tem um acordo de cooperação com a legenda de Putin, a Rússia Unida, assinado em 2017.  

Além disso, aliados de Salvini são investigados por suspeita de negociar repasses russos para a Liga, algo que o senador nega repetidamente. “Nunca recebi dólares, rublos ou ienes”, disse o líder de extrema direita nesta quarta-feira.   

Em 2015, Salvini vestiu uma camiseta com o rosto do presidente russo durante um discurso do mandatário da Itália, Sergio Mattarella, no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, e escreveu no Facebook que “trocaria dois Mattarellas por meio Putin”.   

Salvini usou camiseta com o rosto do presidente russo em pelo menos duas oportunidades | Facebook / Matteo Salvini

Já nesta quarta, reconheceu que o presidente da Rússia “agrediu” e que o mandatário ucraniano, Volodymyr Zelensky, “está se defendendo”. “Estamos assistindo a alguém que invade e a alguém que foi invadido, e nós estamos ao lado dos agredidos e invadidos”, disse. (ANSA).   

   

200

Deixa o seu comentário:

Publicidade

Série

Rádio e TV italiana

Siga o Italianismo

Destaques do editor

Cotidiano

Segundo Putin, exportação de cereais volta ao normal apenas se Ocidente retirar embargos impostos à Russia

Cotidiano

"A mulher que pode levar a Itália à extrema direita"

Arte & Cultura

Ucrânia dispara com voto do público e vence o Eurovision 2022

Una buona notizia!

42 menores se mudaram para a pequena Fosciandora, na Toscana

Cotidiano

Os trinta diplomatas russos expulsos da Itália são "pessoas indesejáveis". Moscou: nós responderemos

Cotidiano

Durante o diálogo, o premiê cobrou a instituição de um cessar-fogo “o quanto antes”

Comer e beber

Além de armas, Itália enviou milhares de pacotes ultracompactos para apoiar os combatentes contra a Rússia

Cotidiano

Confisco de iates e contas bancárias feito pelo ministério da Economia e das Finanças italiano já chegou aos 140 milhões de euros

Cotidiano

Morto há 141 anos, o escritor Fiódor Dostoiévski (1821-1881) virou alvo na Itália por causa da invasão da Ucrânia pela Rússia. Deixa o seu...

Cotidiano

Crise ucraniana: mil refugiados já estão na Itália, mas pelo menos 900 mil podem chegar. Aqui está o plano de acolhimento

Cotidiano

O primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, disse que ataque russo é virada decisiva na história europeia.

Cotidiano

Salvini se opôs, após o anúncio da União Europeia, sobre o envio de ajuda militar à Ucrânia