Connect with us

Hi, what are you looking for?

Negócios

Produtor de vinho aluga jato para buscar trabalhador na Romênia. Italiano recusa

Sem contar com mão de obra italiana, produtor precisou resgatar trabalhadores retidos na fronteira

Martin Foradori Hofstätter, produtor de vinho de uma das vinícolas mais importantes do sul do Tirol, na Itália, tenta há semanas trazer para a Itália seus históricos trabalhadores sazonais romenosespecializados em poda nas vinhas.

Oito mulheres capazes de cortar as plantas impecavelmente, sem danificá-las e, assim, garantir a qualidade das uvas (e do vinho). 

Quando ele entendeu que a burocracia impediria a contratação dos trabalhadores, ele contratou um jato particular que pousou em Bolzano nos últimos dias.

LEIA TAMBÉM

A aposta de um jovem: o novo vinhedo no Piemonte ‘terá a uva da esperança’

Conheça os cinco destinos mais românticos da Itália

A história começa na fronteira com a Hungria. A União Européia havia autorizado os corredores verdes – livres da quarentena dos países – para trazer mão de obra do Oriente. 

Os enólogos alemães e austríacos já haviam se beneficiado com isso, começando imediatamente a trazer podadores especialistas para trabalharem em suas plantações. Mas no caso do produtor de Tramin-Termeno, as oito mulheres ficaram retidas na fronteira húngara.

As oito podadoras de Martin Foradori Hofstätter em ação | Foto: Corriere

“Tentamos resolver o problema de todas as maneiras”, ele diz

No entanto, depois de duas semanas de telefonemas, contatos com políticos locais, de Roma e da União Europeia, representantes das embaixadas, além de intensas discussões com gerentes de associações comerciais, ele foi obrigado a alugar um jato particular para trazer os trabalhadores para a Itália. 

“Durante esse período econômico, uma despesa não indiferente e talvez até insana, mas sem isso o futuro de minhas vinhas teria sido marcado. Eu não tinha alternativa”, conta Martin, em entrevista ao Corriere.

Não havia mão de obra italiana disponível?, pergunta o jornalista. “Alguém poderia dizer que eu poderia ter abordado os numerosos desempregados presentes na área”, responde o produtor. “Mas não é assim. Também tentamos, mas aqueles que contratamos para fazer um teste, após duas horas desistiram “porque o trabalho era muito cansativo“, explica o produtor.


Deixa o seu comentário:

Publicidade

Facebook

Leia também:

Vida & Estilo

Saiba o que dizem Itália, França, Espanha e Alemanha Deixa o seu comentário:

Cotidiano

Bloco pede que não haja ‘segunda onda de ações não coordenadas’ Deixa o seu comentário:

Cotidiano

Infecções das últimas 2 semanas na Europa (e arredores) preocupam as autoridades Deixa o seu comentário:

Vida & Estilo

Pelo menos 10 cidades entrarão em alerta vermelho no final de semana Deixa o seu comentário: