Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

ItalianismoItalianismo
coliseu de milão
Milão também tem seu próprio Coliseu: a descoberta

Cotidiano

Milão também tem seu próprio Coliseu: a descoberta

A cidade de Milão também tem o seu próprio Coliseu: um anfiteatro construído no século primeiro e que ao longo dos anos foi saqueado, soterrado e esquecido. 

Agora, porém, renascerá graças ao projeto “Pan-Parco amphitheatrum naturae” que trará à luz a antiga Milão romana, no vasto parque arqueológico no coração da cidade.

Do subterrâneo emerge o Coliseu de Milão

Durante as escavações foram encontrados os alicerces14 paredes radiais dos degraus da cavea (celas subterrâneas), além das sete descobertas na década de 1970 no setor Norte.

As paredes desenterradas no subsolo de Milão permanecerão visíveis. Haverá ainda, como parte do paisagismo, uma dupla fileira de ciprestes que traçará a elipse externa e elevada, que se converterá em uma passagem que permitirá admirar a Milão antiga.

Escavações do Coliseu de Milão começaram em 2018

As escavações começaram em dezembro de 2018 e terminarão no final de 2022. Os trabalhos realizados até agora mostraram as estruturas subterrâneas pavimentadas com tijolos.

Os arqueólogos acreditam que elas pertenceram a uma galeria de onde as feras protagonistas do anfiteatro saíam, ou serviam como canal de escoamento de água.

Originalmente, a área era muito semelhante ao Coliseu de Roma em tamanho e aparência. O eixo maior do anfiteatro tinha 150 metros de comprimento, enquanto o eixo menor tinha 120 metros. 

A estrutura se desenvolvia em altura com arcos sobrepostos: os espectadores eram protegidos por uma cortina nas fachadas de até 40 metros de altura. 

Coliseu de Milão é um de símbolos mais antigos da cidade

Trazê-lo de volta à luz significa devolver para Milão um de seus símbolos mais antigos.

Além do anfiteatro, os arqueólogos também encontraram uma série de achados ainda mais antigos que datam da época pré-romana.

Trata-se de um conjunto de cerâmicas da era celta. São copos, vasos, almofarizes e tigelas que deveriam pertencer a um período do quinto ao primeiro século a.C.

O anfiteatro de Milão ficava perto da antiga Porta Ticinese, ao lado do que hoje é a Via Arena. 

Foi um dos maiores da Europa, mas mais tarde foi destruído pelas invasões bárbaras. 

Os materiais de demolição foram posteriormente usados ​​para reforçar as muralhas da cidade e para construir a Basílica de San Lorenzo, que é o cenário de um dos mais belos parques de Milão. 

Agora o Coliseu de Milão será revivido em uma chave verde: árvores serão plantadas no lugar das paredes, como se fosse um abraço entre a história e a natureza.

* * * * *

Gostou do artigo? Então comente ou compartilhe nas suas redes sociais.

Deixa o seu comentário:

Destaques do editor

Cotidiano

Chinelos de Michelangelo confirmam a sua "estatura mediana", segundo exames científicos

Vida & Estilo

Qual é a pior cidade para expatriados? Daily Express fez a lista

Cotidiano

Terremoto em Milão, epicentro na província de Bergamo: magnitude estimada em 4,4

Cotidiano

Trieste, seguida de Milão e Trento, são as províncias com melhor "Qualidade de vida 2021" na Itália

Cotidiano

Meteorologista alerta para tempestade de neve no Piemonte, Lombardia, Ligúria e Vêneto

Cotidiano

As duas empresas unem forças para apoiar a mobilidade do hidrogênio como uma das soluções para descarbonizar o segmento de transporte

Itália no Brasil

Prefeito de Milão, Giuseppe Sala, defendeu parcerias entre Milão e Rio para políticas de transformação urbana

Cotidiano

Cerca de 70 famílias moravam no local e tiveram tempo de fugir; 20 pessoas inalaram fumaça. Não há vítimas graves

Cinema italiano

Muitos dos filmes italianos falam de mudanças que subvertem a nossa forma de ver e viver a vida Deixa o seu comentário:

Cotidiano

A difusão da rede móvel de nova geração está em constante evolução e as ofertas tornam-se cada vez mais atraentes na Itália

Cotidiano

A Pesca Magnética ou Pesca com Ímã é um esporte que começou a se espalhar pela Itália. Mas do que se trata exatamente?

Cotidiano

A consultoria Mercer traçou o ranking das cidades mais caras para se viver: nenhuma italiana entre as 10 primeiras, duas entre as 50 primeiras