Siga o Italianismo

Olá, o que deseja procurar?

Italianismo

Arte & Cultura

Conheça Magenta, a cidade no norte da Itália que virou cor

Município deu nome ao tom rosa intenso após batalha sangrenta no século 19

magenta
Estação de trem de Magenta. Foto: Mariana Veiga / Folhapress

A pouco mais de 30 quilômetros de Milão, Magenta é uma típica cidade da Lombardia, no norte da Itália.

Tem 23 mil habitantes, prédios baixos, uma linha de trem conectada à malha ferroviária italiana, uma igreja que evoca uma santa local —Santa Gianna Beretta Molla (1922-1962), canonizada em 2004.

Pelas ruas do centro, placas recordam a Batalha de Magenta, quando, em 4 de junho de 1859, tropas francesas e sardo-piemontesas derrotaram ali o exército austríaco — episódio que ficou conhecido como segunda guerra da independência italiana.

Nada parece lembrar que magenta é um tom vivo de rosa. Uma das cores básicas do sistema CMYK (sigla em inglês de ciano, magenta, amarelo e preto), que norteia as artes gráficas contemporâneas.

“Usar a cor como instrumento de marketing para valorizar o município é algo que vem sendo estudado”, diz Luca Aloi, assessor da prefeitura.

Por enquanto, o rosa intenso aparece apenas nas margens do livreto municipal de divulgação turística. E em alguns cartazes de eventos públicos, como da Festa Dello Sport, ocorrida em 22 de setembro. O brasão municipal segue em amarelo e negro.

Duas versões buscam explicar o motivo de esse fúcsia ter sido batizado como magenta. A primeira diz que esse era o tom das vestes dos soldados que lutaram na Batalha de Magenta.

Nas fardas expostas no museu histórico de Magenta, o Museo della Battaglia (battagliadimagenta.it), a cor está muito mais para vermelho escarlate do que para rosa.

Interior do Museo della Battaglia, em Magenta. Foto: Divulgação / Casa Gicobbe

“Tem quem diga que o tom alude ao sangue derramado. Esta escadaria se tornou um mar de sangue. Era uma cor tão viva que, na lembrança das pessoas, ficou associada a essa tonalidade”, diz Aloi.

O casarão que sedia o museu foi palco de parte dos combates, como fica evidente pelas marcas de tiro na fachada.

Professor na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo e autor do livro “A Cor Como Informação”, o jornalista Luciano Guimarães prefere a explicação associada ao sangue.

“Em dicionários consta que o tom foi nomeado em 1859 por Edward Chambers Nicholson após a Batalha de Magenta”, afirma ele, citando o químico e estudioso das cores que viveu entre 1827 e 1890.

A cor é cheia das curiosidades. Tecnicamente, trata-se de um tom definido como artificial. “Não há um comprimento de onda específico para ele: nosso espectro visível começa no violeta, passa pelo azul, verde, amarelo, laranja e termina no vermelho; assim, o magenta não se encaixa”, afirma o professor.

Entretanto, não dá para dizer que a cor não exista na natureza, segundo Guimarães. “Quando quero dar uma referencia natural para alguém, digo: corte e esfregue uma beterraba em uma folha branca de papel e você terá uma boa amostra de magenta.”

Se foi identificada e “criada” no século 19, consolidou-se no século seguinte. Em 1936, as empresas AGFA, belga, e Kodak, norte-americana, desenvolveram o filme fotográfico colorido —e adotaram as cores ciano, magenta e amarelo como base do processo.

Após a Segunda Guerra, o Deutsches Institut für Normung (instituição alemã responsável por padronizações) criou as definições dessas cores. “Magenta, em referência à batalha, e ciano por causa do termo grego para designar o fantástico azul do mar na Grécia”, diz Guimarães.

Desde então, o sistema CMYK é adotado por toda a indústria e artes gráficas. (Folha)

Leia também

Deixa o seu comentário:

Mais de Italianismo

Cotidiano

A partir desta quinta-feira (3), todos os italianos elegíveis poderão fazer o agendamento da vacinação anti-Covid. Deixa o seu comentário:

Cotidiano

Abrigo foi ocupado pelas tropas austríacas durante a guerra, servindo para que os soldados se escondessem do lado italiano.

Cotidiano

Pesquisa revela que grupos mafiosos tiveram faturamento de mais de 2,2 bilhões de euros em 2020.

Turismo

Após o anúncio da reabertura, há um boom de reservas para o verão na Itália: "33% em poucos dias".

Destinos

O novo guia National Geographic homenageia a Lombardia incluindo 11 locais imperdíveis.

Cotidiano

Calábria, Lombardia, Emilia-Romagna, Friuli Venezia Giulia, Piemonte e Toscana voltam para a zona menos restritiva.

Cotidiano

Balanço da vacinação contra Covid-19 deste domingo (28), às 15h31, mostra que 9.258.640 pessoas já receberam pelo menos uma dose da vacina na Itália....

Destinos

Milano Centrale foi incluída no ranking das dez melhores estações ferroviárias da Europa

2016-2021 – Permitida a reprodução de qualquer conteúdo desde que citado, obrigatoriamente, o Italianismo.