Cristina Kirchner ofende dizendo que ‘italianos têm a máfia no DNA’

Vice-presidente da Argentina diz que máfia tem um suposto "componente genético italiano" | Juan Mabromata/AFP

Vice-presidente da Argentina diz que máfia tem um suposto “componente genético italiano”

Falando na Feira do Livro de La Havana, no último sábado, a vice-presidente da Argentina Cristina Kirchner provocou a ira de milhares de italo-argentinos ao sugerir que os italianos têm a máfia no DNA.

A líder peronista se referiu aos ancestrais italianos de Mauricio Macri, ex-presidente do país, como a causa do suposto comportamento mafioso do ex-presidente.

“Na Argentina, a lei tinha um componente da máfia: ir contra a família. Isso resultou na perseguição dos meus filhos”.

“Um integrante da máfia que provavelmente deve ser causado pelos ancestrais daquele que foi presidente”, disse a vice-presidente.

Assista ao vídeo:

Acusada de chefiar esquemas de corrupção, acobertar atentado terrorista e roubo de documento histórico, a líder peronista deve ser acionada na justiça mais uma vez pela declaração italofóbica.

Dois conselheiros da coalizão política “Juntos pela Mudança”, pediram ao Instituto Nacional Argentino contra a Discriminação (INADI) que investigue as palavras ofensivas da vice-presidente “com o objetivo de processá-la”.

Nesta segunda-feira (10), a Fundação Apollo fez uma representação contra Cristina mencionando que ela violou “as regras da Lei de Ética no Exercício da Função Pública e o Código de Ética da Função Pública”.

Mariano Gazzola, vice-secretário para a América Latina do Conselho Geral de Italianos no Exterior (CGIE), disse estar “triste porque isso ridiculariza e prejudica os italo-descendentes”.

“Não é sobre o que Macri ou Cristina dizem, mas muitas pessoas pensam que os italianos são mafiosos, assim como pensam que os espanhóis são tolos ou judeus dos aproveitadores. É muito ruim conectar a um grupo étnico o que não existe “, falou Gazzola.