Cientistas estudam segredo da longevidade na Itália

Cientistas estudam segredo da longevidade na Itália | Splah News

Em Acciaroli, no sul da Itália, muitos habitantes têm mais de 100 anos de idade

Acciaroli, localizada no sudoeste da Itália, não é lugar comum. É o lar de um número surpreendentemente elevado de centenários.

Cerca de 100 pessoas – em uma cidade com 700 habitantes – têm mais de 100 anos de idade, e a aldeia, por isso tem sido o foco de um estudo para descobrir os fatores que contribuem para a longevidade de seus moradores.

Publicidade: 7 motivos para escolher a Bendita Cidadania na hora de fazer o seu processo

Depois de passar seis meses na área, pesquisadores da Universidade de Sapienza de Roma e da Sandiego School of Medicine determinaram que os idosos da região têm uma boa circulação sanguínea incomum para a sua idade.

A equipe de pesquisa analisou amostras de sangue de mais de 80 residentes, e descobriu níveis extraordinarimente baixos de de adrenomedullin, um hormônio que alarga os vasos sanguíneos.

Os níveis de adrenomedullin foram semelhantes aos que se encontra normalmente em pessoas na faixa dos 20 e 30 anos, segundo os pesquisadores.

Os níveis elevados deste hormônio podem causar contração de vasos sanguíneos, causando problemas circulatórios que podem levar a outras condições graves para a saúde.

Os cientistas descobriram o hormônio “em uma quantidade muito reduzida nos indivíduos estudados, e parece agir como um poderoso fator de proteção, ajudando o desenvolvimento ideal da microcirculação”, ou a circulação capilar.

A equipe de pesquisas ainda está para descobrir a causa do fenômeno, mas acreditam que está intimamente relacionado a dieta e exercício.

Os habitantes de Acciaroli tendem a comer peixes locais, coelhos de criação doméstica e galinhas, bem como azeite de oliva e vegetais caseiros e frutas.

O estudo também constatou que os moradores todos comem alecrim, que segundo estudos, ajuda a melhorar a função cerebral. Variedades locais da erva serão estudados em uma pesquisa mais ampla sobre a longevidade na região.

“Quando pesquisamos isso, encontramos uma dúzia de compostos diferentes por lá. Estudos científicos têm demonstrado que os ácidos ajudam a função do cérebro “, afirmou o Dr. Alan Maisel, cardiologista da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego.

Além disso, as pessoas que vivem na região sofrem menos doenças do que aquelas que vivem em outros países ocidentais. “Nós descobrimos que eles não têm o tipo de doenças crônicas que vemos nos EUA, por exemplo, como doenças cardíacas, obesidade e doença de Alzheimer”, disse Maisel.

“Percebemos que eles não sofrem de catarata. A maioria das pessoas nos EUA, se tiver mais de 80, tem catarata. Nós não encontramos ninguém lá”, disse ele.

Mas talvez haja outro fator importante em relação à longevidade dos habitantes locais. “A frequência de atividade sexual entre os idosos parece ser impressionante”, disse Maisel. “Talvez a longevidade tenha algo a ver com isso. É provavelmente o bom ambiente e a alegria de viver. ”

O povoado, 136 km ao sul de Nápoles, na costa do Cilento, encontra-se na área onde o nutricionista americano Ancel Keys documentou a maior concentração de centenários no mundo em 1950, quando ele procurou estabelecer evidências de que uma “dieta mediterrânea” contribui para a longevidade. Ele se mudou para a região com sua mulher, e viveu até os 100 anos.