Mais de 25 mil brasileiros estão aptos a votar na Itália

25.273 brasileiros estão aptos a votar na Itália, na eleição que acontece neste domingo, segundo a Embaixada do Brasil, em Roma.

Em Roma, eleitores enfrentam uma pequena fila para votar. Ambulantes aproveitampara vender bebidas e quitutes brasileiros, como a nossa famosa coxinha, na região onde estavam as urnas.

Zona Eleitoral do Exterior

Os eleitores inscritos na Zona Eleitoral do Exterior devem justificar a ausência às urnas somente em eleição presidencial, caso estejam fora do domicílio eleitoral ou não tenham votado. A justificativa eleitoral pode ser entregue nas missões diplomáticas ou repartições consulares do país no qual o eleitor estiver ou pode ser enviada pelo Sistema Justifica.

O eleitor inscrito no exterior vota apenas para presidente. A votação fora do Brasil é organizada pelo TRE-DF, com apoio da Rede Consultar brasileira em cada país. As seções eleitorais no exterior funcionam principalmente nas sedes das embaixadas, em repartições consulares ou em locais que existam serviços do governo brasileiro, segundo o Itamaraty.

De acordo com o Código Eleitoral, são necessários, no mínimo, 30 eleitores para a a criação de mesas de votação no exterior. O eleitor que reside no exterior e não atualizou os dados não poderá votar ainda nestas eleições, já que o prazo era 9 de maio deste ano. Para o eleitor que mora fora do Brasil e quer regularizar a situação, o pré-atendimento do ‘Título Net Exterior’ será restabelecido em 5 de novembro deste ano. Como os inscritos no exterior votam apenas para presidente, esse eleitor poderá votar apenas a partir das eleições de 2022.

EUA, Japão, Portugal, Reino Unido e Itália reúnem maior parte dos eleitores inscritos para votar no exterior nas eleições deste ano — Foto: Alexandre Mauro / G1

Em parceria com a Justiça Eleitoral, o Ministério das Relações Exteriores organizou o esquema de votação para os eleitores brasileiros com o envio de 1.424 urnas para 125 países, num total de 743 seções distribuídas em 171 cidades.

Há três anos, o Ministério das Relações Exteriores e a Justiça Eleitoral vêm trabalhando em parceria para incentivar o alistamento de brasileiros que vivem no exterior e facilitar o exercício do voto dos emigrantes. Foi criado o “título net exterior”, instrumento que permite a inscrição e a transferência eleitorais em tempo real.