2018 será o ano de ouro para o vinho italiano, dizem os especialistas

Safra deverá aumentar entre 10% e 15% em relação à de 2017

Neste verão extraordinariamente quente, a colheita da uva não poderia ser tão grande. Segundo informações preliminares do UIV – União Italiana de Vinho –, a safra deverá aumentar entre 10% e 15% em relação à de 2017. “Isso nós podemos chamar o ano de ouro para o vinho italiano”, disse Paolo Castelletti, secretário geral da entidade.

Mas a previsão não é apenas na quantidade, mas na qualidade do produto final. Segundo Castelletti, o fator decisivo será a tendência climática das próximas semanas de agosto: o amadurecimento regular das uvas é uma condição necessária, não só para os volumes, mas também para a realização do desenvolvimento adequado do nível de açúcar e ácido e um quadro aromático.

Com uma estimativa de 47 milhões a 49 milhões de hectolitros de colheita, ainda em 2018, a Itália tenciona manter a produção recorde mundial, distanciando ainda mais dos principais concorrentes como a França – com seus 36 milhões de hectolitros de vinho – e Espanha – com seus 35,5 milhões de hectolitros de vinho produzido anualmente.

Os dados oficiais das previsões de colheita de 2018 serão anunciados em 4 de setembro em Roma, no Ministério da Agricultura, Alimentação e Turismo.

Com informações de ANSA