Mamma mia! 10 comidas “italianas” que na verdade só existem no Brasil

O nome pode ser italiano, mas o rondelli é conhecido como rotoli ou rotolini. (Foto: Guia da cozinha)

Palha italiana, molho bolonhesa e até fogazza são receitas que foram adaptadas pelos brasileiros

Quem nunca comeu uma palha italiana ou preparado um molho à bolonhesa achando que estava se deliciando com um legítimo prato italiano? Pois bem, saiba que essas e outras comidas “italianas” só existem no Brasil.

Após a chegada dos imigrantes italianos, o Brasil se apropriou, alterou e recriou muitas receitas da cozinha italiana a tal ponto que algumas delas atualmente só por aqui mesmo. Não há nada de errado nisso: afinal a gastronomia, assim como a língua de um povo, é uma evolução contínua.

Da próxima vez que for comer um prato dito italiano, saiba que na verdade pode ser que você esteja se deliciando com uma invenção 100% brasileira.

Cappuccino com chocolate ou canela

Não tem chance de você encontrar o cappuccino incrementado com chocolate ou canela na Itália. Tirando isso, a receita da bebida é a mesma aqui e lá, e leva café espresso diluído em leite e creme do leite vaporizado. No Centro da Itália o cappuccino pode levar eventualmente chocolate em pó polvilhado.

Fogazza

Panzerotto com tomate e muçarela, um meio termo entre o calzone e o pastel; no Brasil é chamado de fogazza.

Fogazza não é a tradução de focaccia! A focaccia teve origem em Gênova, no Norte da Itália, e consiste em um pão rústico assado, temperado com azeite e sal.

A fogazza brasileira, servida em muitas festas religiosas – especialmente em São Paulo como a Festa da Nossa Senhora Achiropita -, pode ser sido inspirada no prato conhecido como panzerotto, um pastel italiano recheado e frito, originado de Nápoles. O panzerotto é muito parecido com o pastel brasileiro, o que muda é o recheio.

Frango com polenta

Há coisa italiana mais típica do que o frango com polenta? A iguaria servida nas cantinas tradicionais é na verdade uma invenção bem brasileira.

Embora no Norte e Nordeste da Itália pratos com polenta e aves de caça sejam comuns e apreciados, não existem versões com frango, menos ainda frito. “Provavelmente foi alguma adaptação que os emigrantes italianos do começo do século XX fizeram ao chegar no Brasil”, pondera Ambrosetti.

O modo de preparo da polenta também é diferente: por lá é mais firme e grossa, preparada com fubá na panela de cobre, aqui é mais cremosa e frequentemente é feita com farinha branca.

O risoto de frango também é uma especialidade tipicamente brasileira. Os italianos fazem risoto com praticamente qualquer coisa, menos… o frango.

Linguiça calabresa

Pelo nome não teria dúvidas: a linguiça calabresa seria da Calábria, região do Sul do país da bota. Mas nada disso. Segundo o chef Ambrosetti, a linguiça que mais se parece com a calabresa se chama salsiccia cacciatora e é um embutido típico do Centro da Itália.

Pela picância, a linguiça calabresa pega o nome da pimenta calabresa, outro ingrediente que na Itália é conhecido como peperoncino (que em italiano significa pimenta). Mas um fato é certo: os calabreses são grandes apreciadores de peperoncino e de comidas apimentadas.

Molho bolonhesa

E se disséssemos que em Bolonha não tem espaguete à bolonhesa! Pelo menos não com esse nome e com essa receita. O molho, na verdade, é chamado de ragu e é servido com tagliatelle. A receita foi adaptada aqui no Brasil.

O chef italiano Massimiliano Morabito, da Osteria Capitolina, em Curitiba, conta que “na Itália, o ragu leva carne de boi e de porco misturadas, duas colheres de extrato de tomate, sempre vai louro e fica, mais ou menos, quatro horas cozinhando. Tem que ser um processo bem lento”. Para o chef, o sabor do molho italiano é muito mais marcante. “No Brasil, o sabor é muito mais homogêneo. Já o ragu italiano tem várias camadas” diz.

Palha italiana

A palha italiana é, na verdade, totalmente brasileira mesmo. A receita leva brigadeiro (isso já deveria ser um indício, já que o doce não existe na Itália) e biscoito, e pode ter sido inspirada no salaminho de chocolate italiano. O salaminho também é feito de chocolate e bolachas, mas é construído de maneira diferente.

O chef de Roma Enzo Ambrosetti ensina que “geralmente, o salaminho é recheado com frutas secas, amêndoas e nozes. E, ao invés do brigadeiro, é feito com uma espécie de ganache de chocolate que leva manteiga”.

Parmegiana

Por incrível que parece, o bife à parmegiana, um dos pratos mais servidos nos almoços executivos de todo o Brasil, não é de Parma, apesar do nome. “Na Itália, a parmigiana [com i] é a lasanha de berinjela”, explica Morabito, receita feita com fatias de berinjela no lugar da massa. O prato seria oriundo de Parma, embora Nápoles e a região da Sicília também reivindiquem sua criação.

O prato italiano que mais se parece com a parmegiana brasileira é a carne alla pizzaiola, um bife servido com molho de tomate, mas sem muçarela gratinada por cima.

Pizzas com coberturas diferentes

A pizza é um prato tradicional italiano, mas recheios como estrogonofe, frango com catupiry e até mesmo barreado —prato típico de Morretes, no litoral do Paraná— são invenção nossa e de outros países. Enquanto os brasileiros prezam pelo recheio, os italianos mantêm o foco na massa.

Rondelli

O nome pode ser italiano, mas o rondelli é conhecido como rotoli ou rotolini no país europeu. A receita é bem parecida com a brasileira. O chef italiano Enzo Ambrosetti conta que os recheios são bem, semelhantes, de presunto e queijo ou ricota e espinafre. “Mas as ricota do Brasil é muito dura. A dica é passar a ricota no processador, misturando com leite integral e creme de leite, obtendo um creme de ricota”. Segundo o chef, a receita é mais comum na região central da Itália.

Sardella

A sardella original é feita com sardinha fresca e condimentos, e veio da Calábria. Lá, o peixe é lavado com água doce e colocado para salgar por cerca de seis meses. No Brasil, a receita foi adaptada, e leva variações de anchovas e sardinhas compradas prontas e pimentão.

por Bom Gourmet, com colaboração de Amanda Lüder