Contra fake news sobre câncer, médicas fazem alerta na Itália

Conheça os cinco destinos mais românticos da Itália
19 de Janeiro de 2018
Berlusconi promete deportar todos os imigrantes ilegais
20 de Janeiro de 2018

Médicas fazem alerta contra fake news sobre câncer na Itália Foto: reprodução

Como medida preventiva, especialistas farão palestra em Roma

Um grupo de oncologistas italianas fez um alerta nesta sexta-feira (19) sobre os efeitos negativos das diversas notícias falsas relacionadas à saúde, principalmente o câncer, compartilhadas na internet. Segundo as especialistas da rede italiana “Women for Oncology” (“Mulheres para Oncologia”, em tradução livre), entre as principais “fake news” publicadas estão as seguintes afirmações: “os imãs da geladeira são cancerígenos, assim como o microondas”, “a quimioterapia é ineficaz” e “as biópsias espalham tumores por todo o corpo”.

Para elas, a disseminação de um conteúdo falso sobre a saúde pode ter efeitos muito perigosos e também um impacto real no bem-estar da população. A falsa ideia sobre o câncer pode causar preocupações desnecessárias e até mesmo complicar algumas decisões assertivas de prevenção e tratamento. “A desinformação e o hábito dos pacientes de confiar mais na internet do que em um verdadeiro oncologista estão cada vez mais difundidos e abordá-los exige uma aliança entre oncologia, política e mídia”, advertiram as especialistas.

Como uma medida preventiva, a associação de mulheres organizou no Palácio Montecitório, sede da Câmara dos Deputados em Roma, no dia 26 de janeiro, o evento “Mulheres que curam” para atualizar a população sobre os principais desafios da oncologia na Itália atualmente.

A rede “Mulheres para Oncologia”, cujo comitê é composto por nove oncologistas italianas, foi criada para oferecer apoio aos oncologistas do país com novas oportunidades e treinamento na tentativa de estabelecer uma futura liderança feminina.

Por Ansa