Presidente da Ferrari confirma primeiro SUV da marca para 2019

Berlusconi diz que ‘salvar Itália’ seria o seu último desafio
18 de Janeiro de 2018
Conheça 10 curiosidades sobre o casamento na Itália
19 de Janeiro de 2018

Presidente da Ferrari confirma primeiro SUV da marca para 2019. (Foto: Divulgação)

Segundo Sergio Marchionne, diretor-executivo da Fiat Chrysler, ele será o veículo mais rápido do segmento

Os puristas talvez fiquem de cabelo em pé. Apesar de Sergio Marchionne, CEO do grupo FCA, ter dito que “precisarão atirar em mim primeiro” quando questionado a respeito do assunto em 2016, as coisas mudaram. Em entrevista ao semanário britânico AutoExpress, o executivo confirmou no Salão de Detroit que a marca italiana vai mesmo lançar seu primeiro SUV.

Mas não espere um jipão alto e parrudo capaz de explorar o mundo off-road. Para manter a mítica italiana, ele terá um desempenho à altura dos superesportivos. “Até agora, o SUV mais rápido pertence ao Alfa”, afirmou o CEO do grupo FCA em referência ao Alfa Romeo Stelvio Quadrifoglio, “E não acho que a Ferrari tenha medo do Alfa”.

O alvo de Maranello, na verdade, não é o Stelvio, e sim o recém-apresentado Lamborghini Urus, teoricamente capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 3,6 segundos.

Segundo Marchionne veremos o utilitário mais rápido do que pensávamos: no final de 2019, ou começo de 2020. “Eu vi o carro quando estava na Europa há oito dias. Estamos trabalhando no veículo, mas não está terminado.”

A mecânica deve ser baseada no sistema de tração integral já aplicado na antiga FF e na nova GTC4Lusso.

Sendo a última marca de super-luxo a entrar com esse segmento no mercado, a Ferrari pretende adotar um nomenclatura à parte para seus utilitários: FUV (Ferrari Utility Vehicle). “Parecerá com o que um veículo utilitário da Ferrari tem de parecer. Mas tem de andar como uma Ferrari”, explicou.

A iniciativa tem um óbvio apelo comercial: estima-se que um SUV da Ferrari poderia vender até 2 mil unidades por ano – um acréscimo considerável frente às 10 mil unidades produzidas em Maranello hoje em dia.

Por Giovana Rampini/AutoExpress