Itália espera receber um milhão de brasileiros em 2017

Site rastreia histórico do seu sobrenome e revela sua origem
17 de Janeiro de 2017
Itália oferece bolsas de estudo para alunos estrangeiros
6 de Abril de 2017

Brasil é mercado-alvo da Itália e destino deve crescer 20% em 2017. Foto: Akiko Miyazaki

São Paulo é o estado que mais envia turistas para a Itália, segundo a Agenzia Nazionale del Turismo.

Apesar dos dados de turistas brasileiros na Itália em 2016 não terem sido ainda fechados, a espera é positiva.

Em 2015, a Itália recebeu 873 mil turistas brasileiros, número 14,4% maior que o ano anterior. Ao todo, foram 2,2 milhões de pernoites, um crescimento de 16,9%. Também destacou-se os gastos do brasileiro na Itália, que se encontram entre os seis maiores de todos os turistas em terras italianas: o valor teve crescimento, no ano passado, de 5,7% em relação a 2015.

Sendo o 5º destino mundial, 1º país em patrimônio histórico da Unesco e com riqueza cultural e gastronômica típicas, a Itália costuma atrair um público específico de 30 a 40 anos, mais instruído e com renda familiar anual em torno dos 40 mil dólares, segundo Roberta Milano, diretora de marketing digital da Agenzia Nazionale del Turismo, órgão responsável pelo turismo na Itália.

Segundo elas, as viagens são normalmente realizadas em férias, para negócios, estudos, congressos ou a visita (de parentes ou amigos).

Os números foram bastante elevados e os resultados para este ano já estão sendo positivos, como salientou a diretora: “[…] seis dos quinze principais operadores para a Itália viram as reservas para abril e maio, incluindo a Páscoa, aumentarem de 20% a 35% em relação ao ano passado.”

Com o intuito de promover a Itália em 2017, estão sendo confirmadas participações de feiras como a WTM-LA, realizada entre 4 a 6 de abril no Expo Center Norte, em São Paulo, e ações online já começaram: o foco nas mídias sociais torna-se cada vez maior, transmitindo informações mais rápidas aos interessados no destino e com as hastags #italianvillages e #italia, já sendo esta última, a mais usada atualmente em relação a destinos.

A ideia é atrair o público não só para arte, gastronomia ou cultura italianas, mas também para seu folclore, atividades ligadas à natureza como montanhismo, o turismo de luxo com os vários shopping regionais, esportes como o golfe, entre outras. Em busca também de um turismo sustentável, a divulgação torna-se cada vez maior em cidades menores, os chamados burgos, pequenos vilarejos que ficam próximos à cidade.

Promover outros roteiros também será foco desse ano, trazendo novas opções de turismo religioso em locais além de Roma, turismo LGBT, turismo enogastronômico com pacotes e tours terrestres envolvendo cada vez mais tradição italiana, gastronomia, música, emoção, aventura e tudo o mais que os italianos têm a oferecer, reforçando seus laços de bases antigas com os brasileiros.