Latinos estão atrasados no amor, diz especialista italiano

Florença receberá unidade de ‘hotel para estudantes’
22 de outubro de 2016
Sabia que existem 300 tipos de massas, cada uma para um molho?
25 de outubro de 2016

Latinos estão atrasados no amor, diz especialista italiano

Latinos são muito “apegados” no que se relaciona a término.

 Os latino-americanos podem ser modernos em muitas coisas, mas estão “atrasados” quando se trata de amor, o que os prejudica na hora de lidar com o término de um relacionamento, o que não acontece em outras partes do mundo, em sociedades “pós-modernas”, onde os sentimentos são assumidos de uma maneira muito mais liberal.

Essa é a opinião do psicólogo italiano Walter Riso, estudioso sobre o tema do amor, com 30 anos de experiência e cerca de 25 livros publicados sobre o assunto, que explicou sua teoria à agência ANSA.

“Os latino-americanos são mais emocionais, passionais, consumem novelas, têm ideias de amor muito mais idealizadas. Na América Latina, em relação ao amor, ainda estamos na modernidade, não estamos na pós-modernidade, o que significa um amor mais livre, mais recíproco, mais autônomo, com menos apego e mais independente”, afirmou Riso.

O especialista, que mora em Barcelona, na Espanha, e conhece a fundo a América Latina, acaba de lançar um novo livro com o amor e o desapego como o centro da discussão.    “Ya te Dije Adiós, Ahora Cómo te Olvido” (“Já te Disse Adeus, Agora Como eu te Esqueço”) é o título da mais recente obra do psicólogo napolitano que, em seu editorial, descreve como “um ‘vade-mécum’ para superar o fim do amor e das perdas afetivas”.

Baseado em sua vasta experiência, Riso conclui em seu livro que o rompimento em uma relação amorosa não obriga a se esquecer do outro, mas sim relembrá-lo com afeto, mas “sem ter o sentimento associado”.

“É preciso separar o combate físico do psicológico ou emocional.

No primeiro há várias etapas, mas o básico e a diferença mais clara [entre os dois] é que no combate físico não se tem a esperança de voltar com pessoa. Já no afetivo, a pessoa ainda ‘está viva’ e aparece uma variável: a esperança, que nem sempre é boa”, explicou o acadêmico.

Riso também afirmou que existem ao menos sete etapas entre o momento do fim de um relacionamento ou de uma separação sentimental e a superação do combate. “Encontramos sete etapas: atordoamento e negação, anseio e esperança, perguntas sem resposta, ira e indignação, culpa, desesperança e depressão e recuperação e aceitação”, descreveu o especialista italiano, que lembrou que os problemas surgem quando alguém fica preso em um desses momentos e que a ajuda profissional é necessária.

O autor também disse que os esteriótipos que ainda são cultivados na América Latina sobre os homens e as mulheres em um nível sentimental são elementos que geram tensão e contribuem para a manutenção de anacronismos.

“Aqui, se uma mulher que não se casa [até] os 28 anos é considerada solteirona, enquanto em outros lugares do mundo, estar solteira não se associa com a ideia de ter má sorte, mas sim com uma opção. E um homem solteiro da América Latina aos 40 anos é considerado [algo] estranho”, disse Riso.